Seguidores

29.4.18

FELIZ ANIVERSÁRIO SEXTA



Em 2007, o filho tinha voado  para construir o seu próprio ninho. Deixou cá o seu velho pc.
Eu nunca tinha mexido num, mas comecei a mexer. Cada dia aprendia uma coisa nova, ia um pouquinho mais além. No final do mês de Abril recebi a vista da minha sobrinha e marido. Pedi-lhes para me abrirem um blogue, e me explicarem como publicava nele.  Artur, o marido da sobrinha, criou este. Na hora de escolher o nome eu lembrei do  Robinson Crusoe, e do seu companheiro índio, a quem ele chamou de Sexta-Feira. Comparado com Robinson ele era um pobre ignorante, mas sem ele Robinson não teria sobrevivido naquela ilha selvagem. Para mim a Internet era uma espécie de selva, e eu sentia-me tão ignorante como o pobre Sexta Feira, daí que foi esse o nome escolhido.
No ano seguinte começou uma fase negra da minha vida, que se estendeu até 2012. Anos de muita dor, muito sofrimento, em que apenas o nascimento da neta em 2009, trouxe alguma alegria. Muitas vezes pensei acabar com ele, e outras tantas encontrei forças em vós para resistir. A maioria dos que por cá andavam, fecharam portas e mudaram-se de armas e bagagens para o FB. Dos primeiros anos restam meia dúzia de resistentes.
Felizmente nos últimos dois três anos, tem aparecido muita gente nova.
Hoje o Sexta alegra-se com todos os que o visitam,  e comemora convosco a sua quase pré-adolescência.



Espero que gostem do bolo...



e brindem por todos nós e pela nossa amizade.


Bom Domingo.

25.4.18

25 DE ABRIL- DIA DA LIBERDADE


Porque eu vivi 27 anos no 24 de Abril, e ainda me recordo do que era a vida nessa época, junto a minha às vozes que gritam 25 de Abril, SEMPRE. E deixo-vos com o poema mais significativo sobre o 25 de Abril


Bom feriado

20.4.18

MANUEL FERREIRA -- 20/4/1918 - MANEL DA LENHA




Se llamava Manuel, nació en España,
su casa era de barro, de barro e caña.
Las tierras del señor humedecían
su sudor y su llanto dia tras dia.

Introduzi a primeira quadra dum belíssimo poema de Joan Manuel Serrat, para falar de um certo Manuel, que não nasceu em Espanha, mas cuja vida foi igualmente sofrida. Chamava-se Manuel, nasceu no interior norte deste país, que para alguns - muito poucos - é um jardim à beira-mar. Quarto filho de uma pobre mulher que nunca conheceu marido, nasceu em Abril, precisamente onze dias depois, do desastre português na batalha de La Lys. 
Nunca frequentou a escola, pois começou a trabalhar ainda menino. Os filhos do patrão, ensinaram-lhe a ler e a escrever. A meninice e a juventude ficaram para trás nessa pequena aldeia, no dia em que migrou para o sul procurando melhor vida. Na margem sul do Tejo, começou a trabalhar numa Seca de Bacalhau. Aí conheceu a mulher com quem casou e que viria a ser a companheira de toda a vida. Sua casa não era de barro, não. Era um barracão de madeira, assente em pilares de cimento à beira-rio, que o patrão lhe tinha cedido e do qual não pagava renda. Tinha teto, mas não tinha água nem luz. Aí lhe nasceram três filhos em menos de três anos. Como se não fosse suficiente o sacrifício, de sustentar uma família com um ordenado miserável, ainda trouxe para a sua casa os dois cunhados mais novos, pouco mais velhos que a sua primeira filha, quando a sogra adoeceu. 
Com autorização do patrão, rompeu ao mato um bocado de terreno para semear alguma coisa que lhe ajudasse a criar os filhos, e os cunhados. Com as próprias mãos, abriu um poço, para regar o terreno e para ter água em casa. Trabalhava dia e noite disfarçando as lágrimas e a revolta em piadas brejeiras, e em brincadeiras carnavalescas. Nunca conheci homem mais divertido. Dizia que a vida levada a sério, endoidecia qualquer um. Adorava futebol. Não tinha rádio, nem dinheiro para o comprar. Com um dínamo, uma bobine fio de cobre e pouco mais, e as indicações do irmão, que era electricista, ele construiu uma engenhoca a que chamava galena,  que lhe permitia com uns auscultadores ouvir os relatos de futebol. Pegou a vida pelos cornos, apesar da sua figura franzina. De estatura pequena, foi o exemplo de que os homens não se medem aos palmos.
 Anos mais tarde, as filhas casadas, a idade da reforma chegou com mais uma provação. A mulher, companheira de sempre, sofreu um AVC e ficou paralisada do lado esquerdo. Era nove anos mais nova do que ele, mas nunca mais conseguiu bastar-se a si própria, muito menos fazer alguma coisa em casa. E Manuel começou uma nova luta. Tratar da mulher e levar para a frente a casa. Com alguma ajuda dos filhos, que apesar de toda a boa vontade, tinham  a sua vida, seus empregos e as suas casas. Uma das filhas inclusive, vivia longe, noutra cidade. Mas ele continuou sempre alegre e brincalhão. De sorriso fácil, e sempre com um chiste pronto, a qualquer hora e situação. Com a paixão pelo futebol, e pela vida, costumava dizer com uma certa graça, que sabia que havia de partir um dia, mas que iria forçado, pois de vontade, a morte nunca o apanharia. 
Porém a vida, madrasta até ao fim, fez com aos noventa anos, a circulação arterial se deixasse de se fazer para os membros inferiores. Resistiu à amputação de uma perna, não resistiu à amputação da segunda, falecendo a menos de um mês de fazer noventa e um anos.
Chamava-se Manuel, nasceu em Portugal, em Abril de 1918, partiu a 28 de Março de 2009.
E eu tenho um enorme orgulho em ter sido sua filha, e uma saudade cada dia maior


Maria Elvira Carvalho

Esta é a minha homenagem ao homem que me deu a vida. Quem leu o Manel da Lenha, ou A história das botas, sabe do meu amor, e da minha admiração por este homem pequeno no tamanho, mas  com um coração do tamanho do mundo. Uma alma talhada e moldada na adversidade da vida. Se fosse vivo, faria hoje cem anos. 

5.4.18

5 DE ABRIL DE 1943 - PARABÉNS AMOR


Faz hoje 75 anos que tu viste pela primeira vez a luz do mundo. Não te conheci assim. Não podia. Ainda não tinha nascido..


Conheci-te assim em 1964.


A primeira foto depois que começámos a namorar




 Uns segundos antes do primeiro beijo de casados

A nossa expressão não engana. Estávamos felizes.


A caminho da festa no Barreiro Agosto de 69


Moçambique Abril de 71 dias antes do nosso segundo casamento 


5 de ABRIL de 71 casávamos pela segunda vez na catedral Nossa Senhora de Fátima em Nampula.  Moçambique.


E casamento sem festa nem bolo não é casamento não é? Mas o bolo de aniversário não foi esquecido.

Fazias 28 anos nesse dia.


Uns meses depois, o batizado da afilhada. Treinando para quando chegasse o filho tão desejado.

Que só chegou nos anos 80

E eram inseparáveis...

Os anos foram passando. Nós fomos envelhecendo juntos. Com muitas alegria, e algumas tristezas, mas sempre com muito amor companheirismo e cumplicidade


 No  primeiro dia do ano esperando que eu me fartasse de tirar fotografias, Sempre paciente, sempre amoroso. Raio de sol nos meus dias sombrios. Parabéns Amor.




APROVEITO para dar os Parabéns ao nosso amigo ANTÓNIO QUERIDO que hoje também é aniversariante. Parabéns amigo.



E agora, vai uma fatia de bolo?  Sirvam-se



E não esqueçam o champanhe...



2.4.18

PENSAMENTO DO DIA

Se tudo tiver corrido bem, hoje volto para casa. E esta noite já terei o meu pc. Espero que tenham tido uma Páscoa Feliz, e que tenham um excelente mês de Abril.