22.4.18

RENASCER - XVIII




Com a ajuda da jovem pôs-se de pé. Passou a mão gelada pela testa, e sacudiu a cabeça. Olhou à sua volta com estranheza como se estivesse muito confuso.  A jovem apressou-o
- Vamos Carlos, estás gelado. Podes apanhar uma pneumonia. E fraco como estás é perigoso. O que te aconteceu para desmaiares assim? – Perguntou sacudindo-lhe a terra do casaco e das calças.
- Não sei. Saí de casa para dar um passeio, respirar ar puro, que me fizesse esquecer o cheiro a hospital que parece estar-me entranhado no corpo e na alma. Caminhava sem destino, vim para aqui como podia ir para outro lado. De repente comecei a ouvir as sirenes das ambulâncias,ao mesmo tempo que a cabeça me latejava, e os olhos me ardiam. Sentia uma angústia, uma opressão no peito, fiquei com dificuldade em respirar. Vi a camioneta caída, os bombeiros, a retirarem os feridos, e vi a Cacilda cheia de sangue ser levada para a ambulância. Eu queria ir com ela e não me deixaram. A cabeça doía-me tanto que parecia que ia estoirar, e depois não me lembro de nada mais.
- Estiveste muito doente. Não deves ter aguentado a recordação e perdeste os sentidos.
- Era tudo tão real. Jurava que estava a acontecer tudo ali à minha frente. Como se eu tivesse viajado até aquele dia. Meu Deus! Emília, será que estou a ficar louco? Não é possível, eu ter ido ao passado. Isso só acontece nos filmes.
- Não penses mais nisso. Acompanho-te a casa que é melhor tirares essa roupa molhada, não vás ficar doente. O que me faz confusão é que me disseram que tinhas perdido a memória, que não reconhecias ninguém, e no entanto chamaste-me pelo nome, quando recuperaste os sentidos. Reconheceste-me apenas, ou lembras-te de mais alguma coisa?
-Lembro-me da minha infância, da juventude, da família, dos amigos, de ter ido para a Marinha, de ter embarcado para a Guiné, substituir um camarada morto, de ter voltado e de ter ido para Angola. Meu Deus, meu Deus, ela voltou. Voltou,- gritou abraçando a jovem e redopiando com ela, numa explosão de alegria.
- Ela quem? A tua memória?- Interrogou a jovem, tentando acalmar o coração por se encontrar nos braços do homem que amava.
- Sim. Está tudo aqui,- disse apontando para a cabeça. Vamos para casa. Quero contar a todos o que aconteceu.
Deu-lhe a mão e começou a correr. Estava tão feliz que nem cabia em si de contente. Apetecia-lhe gritar para que toda a gente soubesse.
- Espera Carlos, tem calma, não consigo acompanhar-te.
Ele parou e olhou o bonito rosto, corado pela corrida.
- Desculpa, - disse sorrindo.
Recomeçaram a caminhar. De mãos dadas como dois namorados. As duas mulheres que saíam do talho, ficaram a olhá-los admiradas.
“Já têm assunto de conversa até ao Natal” – pensou a jovem

Esta história continua sem nome, e eu estou indecisa entre A PROMESSA, que era a minha ideia original e RENASCER escolhido pela maioria de vós.

16 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida amiga Elvira!
Gostando muito do novo desenrolar com a memória do coração se fazendo presente...
Seja muito feliz e abençoada junto aos amados!
Bjm de paz e bem

Elvira Carvalho disse...

Informo os amigos que estou sem pc desde sexta-feira. Vou tentar segui-vos pelo Smartphone. Peço desculpa se não conseguir visitar alguém. Abraço e bom domingo

Tintinaine disse...

Coincidências desta vida!
Hoje é o Dia da Terra e o Carlos, ao bater com a cabeça na terra, recuperou a memória.
Acho muito bem. Vamos ver, agora, que rumo vai ele dar à sua vida.

Rui disse...

Parece-me bem ter sido encontrada esta "boa saída" para a situação da perda e recuperação da memória.
Tem muita lógica e agora, uma renovada vida pela frente !
Daí o título "Renascer" me parecer estar mais de acordo !
A não ser que "A Promessa" ainda nos esteja reservada pela continuação da estória !?...
Quanto a "amores" parece-me que este (da Emília) irá sair com vantagem, até pela situação agora gerada .

Abraço :)

✿ chica disse...

Que bom que a memória clareou...Precisava ! Agora vamos ver e fico pensando na promessa ...Deve vir coisa linda por aí! bjs, chica, lindo domingo!

Gil António disse...

Penso que RENASCER é um título muito bonito para a estória.
.
* Cavalo e Amazona - amizade sem tempo ( Poetizando) *
.
Votos de um domingo feliz e poético

© Piedade Araújo Sol disse...

Elvira

já disse que tem um talento nato para a narrativa e uma imaginação prodigiosa para nos dar a ler estes contos sempre muito bem construídos e bem escritos.

na minha opiniao acho que o titulo Renascer será muito bem apropriado, a não seu que no seu desenrolar haja azo a alguma promessa que ainda não sabemos qual é.

bom fim de semana.

beijinhos

:)

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Uma feliz coincidência esta situação ter acontecido precisamente no Dia da Terra.
Um abraço e bom Domingo.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Ontem é só Memória disse...

Tanto um como outro se aplicam bem a esta história, por isso é difícil escolher!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

Meu Velho Baú disse...

Tudo indica um final feliz para ambos.
Ele recuperou a memória e ela o Amor que nunca foi esquecido.
Beijinhos

Cidália Ferreira disse...

Adorei este episódio.
"o renascer " Ficava bem!! Amei

Beijo. Boa noite.

Alegria de Viver disse...

Boa tarde Elvira, gostei imenso do texto, envolvente com gosto de quero mais, muito interessante o enredo, Eu voto pelo "Renascer". Já estava a sentir sua falta, gosto da sua presença marcante!
Votos de uma feliz semana e grandes inspirações.
Abraço!

Cantinho da Gaiata disse...

Que maravilha a memória voltou, fiquei contente.
Quanto ao título, acho que Renascer fica muito bem.
Beijo.

O meu pensamento viaja disse...

Elvira, sempre produtiva, senhora de uma fértil imaginação. Parabéns.

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Gostei da forma como sucedeu a recuperação da memória do Carlos!
Parabéns pela sua criatividade.
Renascer é um título muito adequado.
Beijinhos,
Ailime

Lucia Silva disse...

Que vitória o retorno da memória dele, agora é só alegria!
Beijos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...