Seguidores

9.6.17

JOGO PERIGOSO - PARTE XXIII







Daniela, foi direita ao escritório do advogado, tratou da procuração em nome do sócio, assinou-a, registou-a no cartório e por fim meteu-a num envelope, e enviou-a pelo correio. Foi à agência, e comprou o bilhete de avião para Nampula, para o voo do dia seguinte. Já em casa, procurou a mala de viagem, escolheu algumas roupas simples e confortáveis, com que encheu a mala, tomou banho, enfiou uma camisa e um roupão, pegou na roupa suja, meteu-a na máquina, e só quando o tambor começou a rodar na lavagem, pensou que devia fazer alguma coisa para comer. Porém não lhe apetecia cozinhar. Abriu o congelador, retirou uma lasanha que aqueceu no micro-ondas e comeu.
Mais tarde, na sala, frente à televisão desligada, com um livro que não conseguia ler, recordou a noite anterior. Lembrou do sentimento contraditório, que a invadiu, quando David entrou, com a caixa de preservativos na mão. Alegria por saber que ele que os fora comprar naquele momento. Não os trouxera para o encontro, logo não tinha programado seduzi-la. Tristeza pela ironia que representavam. Depois, o carinho com que a despiu, a paixão com que a amou, a preocupação em levá-la ao clímax, uma, duas, três vezes.
Nunca, nem nos anos de casada se sentira tão mulher, tão amada e desejável.
Raios, porque é que não era uma mulher como as outras? E porque é que os homens haviam de fazer tanta questão em deixar descendência?  Impotente para refrear a dor que a atormentava, chorou até adormecer de cansada.
No dia seguinte acordou melhor. Procurou o passaporte, e demais documentos, verificou tudo, e depois do pequeno-almoço, dirigiu-se ao cabeleireiro, onde cortou os longos cabelos, deixando-os com um tamanho médio e um corte moderno. 
Depois passou pela perfumaria, comprou o perfume que sempre usava, e os artigos de higiene,  que utilizava habitualmente, pois não sabia se os encontraria à venda em Nampula e não queria prescindir deles.
Já passava das duas horas da tarde, quando almoçou. Tinha que estar no aeroporto às vinte e duas horas o avião partia à meia-noite. O melhor que tinha a fazer, era dormir umas horas. Acordou às dezasseis com o toque do telemóvel. Era David. Atendeu.
- Porque fizeste semelhante estupidez? – Perguntou alterado
- Porque confio em ti, - respondeu suavemente
- Raios, merecias que te tirasse tudo.
- Talvez. Mas não o farás.
  Um longo silêncio do outro lado. Depois...
- Estás muito confiante. Pode ser que te surpreenda. Quando partes?
- Logo, à meia-noite.
- Boa viagem.
Desligou sem lhe dar tempo a agradecer

*****************************************************************************************

Aqui está a explicação do que aconteceu lá atrás.  Para quem pensou que tinha saltado um episódio.

20 comentários:

chica disse...

Estou gostando e vamos esperando mais e mais! bjs, chica

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia Elvira!
Estou adorando e muito curiosa, queria adivinhar seus pensamentos amiga Elvia, rsrsrs.
Um abraço.

Janita disse...

Ai, ai...depois não querem que os homens digam que as mulheres são complicadas!! Mau, muito mau, a Daniela não abrir o coração e contar da sua triste experiência. Para isso não tinha feito amor com o 'rapaz'!!
Como se sentiria ela se tivesse sido o contrário? Um objecto sexual, certamente.
"Não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti"...:)
Continuo seguindo, amiga Elvira.

Um abraço.

Joaquim Rosario disse...

Boas
continua a ferver !!!
JAFR

Os olhares da Gracinha! disse...

Provavelmrnte a separação vai fazer bem! Bj

Tintinaine disse...

Com absolutamente nada para fazer em Nampula, depressa se vai pôr a caminho de casa e do seu destino. Acredito eu.

© Piedade Araújo Sol disse...

Era tudo tão simples, quando ela viu que ele tinha os preservativos, dizia que não era preciso.
Depois...mais tarde explicaria.
Mas, se assim fosse acabava a estória que está a ser muito cativante,
Continue Elvira que eu estou a gostar bastante.
Ele ainda vai atrás dela para Nampula...

:)

Cadinho RoCo disse...

Tem hora que me pego a pensar no ritmo adotado adotado hoje por tantas pessoas em suas decisões. Te convidando para passeio na nossa www.hellowebradio.com ... você.Vem!
Cadinho RoCo

Edum@nes disse...

Manias de mulher quando não está satisfeita com o que tem à sua disposição? ou então não sabe o que quer? Pode ser que a ida a Nampula-Moçambique, a faça mudar de ideias, em relação ao relacionamento com David!

Tenha uma boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Majo Dutra disse...

~~~
Está perfeito, Elvira.
Reações humanas muito naturais.
O desgosto dela deve ser imenso...
Abraço. grande contista.
~~~~

maria disse...

Penso que o afastamento de Daniela vai ser temporário, porque no fundo ela sabe que não vai conseguir lutar, durante muito mais tempo contra o amor e forte atração que já sente por ele... :D

Ailime disse...

Um desenrolar com muito 'suspense'.
Estou a gostar muito.
Um beijinho.
Ailime

AvoGi disse...

Hummmmmmmm, vi afogar as lágrimas numa praia. Tentar esquecer a sua dor.
Mais valia ser sincera
Kis :=}

Jaime Portela disse...

Os seus textos estão cada vez melhores e, como disse em tempos, nota-se que há fôlego para o romance.
Bom fim de semana, amiga Elvira.
Beijo.

Louraini Christmann - Lola disse...

Querida,muito obrigada pelo carinho.

Quero passar a ler teus escritos logo, logo.
Ainda estou muito doída. Mas logo, logo...

Odete Ferreira disse...

Colocada a leitura em dia, dispenso-me de dar palpites.
Sei que a narradora tem tudo bem planeado e gosto de ser surpreendida!
Bjinho, Elvira :)

redonda disse...

Ah finalmente :) afinal não faltava um capítulo a explicação veio de outra forma, gostei :)

Cantinho da Gaiata disse...

Vamos ver se a viagem lhe vai fazer bem.
Estou gostando.
Bjs

Gaja Maria disse...

Agora estou curiosa com o que se irá passar. Se rá que ele a vai deixar partir?

Rosemildo Sales Furtado disse...

Com certeza o irmão vai falar que vendeu as ações ao David por ele ser portador de um bom caráter, dizer quem ele é, e manda-la de volta, antes que seja tarde demais. Continuo gostando.

Abraços,

Furtado