26.6.17

SONHO AO LUAR - PARTE XIII


A avó viu-a entrar. Leu-lhe o desespero no olhar. Uma sombra de tristeza, perpassou-lhe pelos olhos cansados. Conhecia aquele filme. Tinha-o visto dez anos antes. E dessa vez ficou cinco anos sem ver a neta. Se a história se repetia, tinha a certeza de que nunca mais a veria. Esperou um pouco e seguiu-a. Ouviu o choro da jovem. Abriu a porta, e sentando-se na cama, perguntou:
- Que aconteceu, Isabel? Há uma hora atrás, parecia que estava tudo bem.
- Ele lembrou-se de mim, avó.
- Lembrou-se? Como assim?
-Disse que se esqueceu de perguntar-te pela tua neta, que sempre estava por cá nesta altura.
- E isso que tem, Isabel? Eram tão amigos, é natural que se lembre. Filha se não te explicas, não consigo perceber, porque é que isso te faz chorar. Afinal a minha neta, és tu.
- É que ele disse que a amava como uma irmã. Como uma irmã, avó. Entendes? Foi assim que ele me viu há dez anos, foi assim que sempre me amou. Em contrapartida, eu sempre o amei como homem. Desde os doze  anos, antes mesmo de saber o que era o amor. Não me consigo imaginar com mais ninguém. E não penses que nestes dez anos, não tentei. Eu pensei que se fosse trabalhar com ele, sem ele saber quem eu era, podia fazer com que se apaixonasse por mim. Mas ou sou a sua secretária, ou a amiga, com quem gosta de conversar. Nunca mostrou qualquer interesse pela mulher que sou. Acreditas que nunca me tocou?
-Nunca te tocou, como?
- Tu sabes que os invisuais sentem as coisas com a ponta dos dedos. Ele nunca me pediu para tocar o meu rosto. Não lhe interessa se tenho a pele lisa, ou cheia de rugas.
-Ele não acabou, já o livro? Então o que tens a fazer, é deixá-lo e seguires com a tua vida. Ainda que agora te pareça impossível, um dia acabarás por esquecê-lo. O tempo é um excelente remédio. Não queiras transformar-te numa heroína da Idade Média. Hoje em dia já ninguém morre por amor. Vamos lá, vai tomar banho e vem ajudar-me com o jantar. E vai pensando no que te disse.
Levantou-se e dirigiu-se para a porta. Embora sentindo-se impotente perante o sofrimento da neta, tinha que ser firme. Gostava do jovem. Conheceu-o de garoto, viu-o crescer e fazer-se homem. Depois os pais morreram, ele ficou sozinho, e de vez em quando, visitavam-se. Confiava tanto nele, que nem se preocupou com a admiração da neta por ele, nem com os constantes passeios dos dois. Nunca lhe passou pela cabeça que o perigo para a neta, viria dos seus próprios sentimentos. Nem mesmo quando mais tarde suspeitou disso, sempre pensou que era uma paixoneta de garota que logo esqueceria. Agora estava assustada com a força daquele sentimento.


13 comentários:

Rui disse...

Ela precipitou-se na sua análise à situação.
Aquela frase no fim do capítulo anterior é reveladora de que ele está perfeitamente por dentro de tudo e simplesmente a quis testar na ida a casa da avó !
Se tivesse aguardado mais meia hora, tudo ficaria esclarecido e pelos vistos, para bem ! :)

✿ chica disse...

Concordo com Rui...Pena que ela foi embora assim..E agora: Como ficarão as coisas? Na torcida! bjs, chica

AvoGi disse...

Tenho de ler o capítulo anterior.... perdi-me
Kis :={

AvoGi disse...

Claro que ele reconheceu-s
Kis ,::*+)

Emília Pinto disse...

Como já disse há tempos, tu Elvira és uma " máquina de fazer histórias" e cá está mais uma que promete; estive a ler o final das duas anteriores e os capitulos desta nova. Estoi a gostar muito e fico sempre muito impressionada com a facilidade que tens para os contos. Parabéns, amiga! Estou a ver que tenho de vir cá todos os dias para não atrasar a leitura, pois a " máquina " não pára. Vamos ver o que nos reservam os próximos capitulos e também vou tentar não me atrasar. Fica bem, querida Elvita e até bteve. Um beijinho
Emilia

Edumanes disse...

Se Hélder nunca sentiu amor por Isabel. No capítulo anterior chamei-lhe "Daniela". Talvez, seja melhor ela seguir os conselhos da avó. Esquece-lo e seguir por outro caminho onde possa encontrar a felicidade, se é que Hélder não a ama, também junto dele nunca poderá ser feliz?

Tenha uma boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

José Lopes disse...

A sensibilidade aumenta quando um dos sentidos falta, e isso ela não consegue perceber...
Cumps

Prata da casa disse...

Vamos lá a ver como se resolve a situação destes dois.
Bjn
Márcia

Os olhares da Gracinha! disse...

Sentimentos diferentes que podem gerar emoções diversas!!! Bj

redonda disse...

Isto está a ficar complicado, dá vontade de lhe dar um empurrão a ele para que se declare!
Queria ler já o próximo capítulo!

um beijinho e depois volto para ler o próximo

Tintinaine disse...

Eh, pá, vocês são todos uns chagas do camano!
Deixem a escritora escrever a história! Não se ponham a adivinhar!
Ela já tem o enredo todo organizadinho na sua cabeça. É só esperar que o resultado aparece.

Cantinho da Gaiata disse...

Para mim ele sabe que é ela, só pode.
Continuando a ler e esperar o desfecho,como sempre um lindo conto, estou amando.
Beijinho e uma boa semana.

aluap Al disse...

Só pelo facto de nunca a tocar faz-me pensar que ele a reconheceu - há muito - pela voz.