5.7.18

O DIREITO À VERDADE - XV





Helena que acabara de jantar, no hotel, regressou ao quarto, pensando no que lhe acontecera nessa tarde e em Cláudio. Interrogava-se se teria feito bem em aceitar o convite para almoçar com ele no dia seguinte. Afinal ela tinha feito aquela viagem com o firme propósito de conhecer o seu pai. Mesmo que por alguma razão não lhe dissesse quem era, queria saber como era o homem que lhe dera o ser. E nada nem ninguém deviam desviá-la desse objetivo. Nem mesmo aquele homem, interessante e másculo, com os olhos mais bonitos que ela já vira na vida. Retirou da mala um curto pijama de algodão e com ele na mão foi para a casa de banho. Despiu – se e meteu-se debaixo do chuveiro. Depois do banho secou cuidadosamente o corpo dolorido, e olhou-se ao espelho. Tinha uma grande mancha negra que ia na anca, até meio da coxa, e uma outra mais pequena junto ao joelho do lado esquerdo. E outra no ombro e no braço do mesmo lado. Enrolou o corpo na toalha e foi buscar o gel à mala que tinha deixado no quarto. Ao retirar o pacote da farmácia trouxe também o envelope que o tio lhe dera e de que nunca mais se lembrara, Deixou o envelope em cima da cama, e voltou à casa de banho, a fim de massajar a zona dorida com o gel.
Vestiu o pijama, secou e escovou os seus bonitos cabelos negros, escovou os dentes e regressou ao quarto. Em cima da cama, continuava o envelope. Decidida abriu-o. Dentro tinha um cartão multibanco, a nota de abertura de uma conta com cinco mil euros, em seu nome, e uma carta do tio. Desdobrou-a e leu.

Querida sobrinha:
Peço-te que aceites esta quantia como um presente, não meu, mas da tua tia, que tenho a certeza o faria, na presente situação, se estivesse entre nós. Não sei o tempo que levarás até encontrares o Jorge e o que acontecerá depois.  Que essa quantia sirva para te ajudar enquanto não decides a tua vida. Não te passe pela cabeça devolvê-lo sob pena de me ofenderes. Como sabes a minha irmã não teve filhos, e o meu… bom tu sabes. Hoje és a minha única família e amo-te muito
Teu tio
Alberto.

Acabou de ler a carta com as lágrimas rolando silenciosas pelo rosto. Pegou no telemóvel e ligou ao tio.
- Tio, desculpa ligar só agora. Acabo de abrir o envelope, e nem sei que te dizer a não ser que também te amo muito e que não precisavas fazer isto, Eu disse-te que tinha algumas economias.
-Sim querida. Mas assim estou mais descansado e podes dispor de mais tempo para procurares o teu pai. E de Coimbra, estás a gostar?
-Ainda não vi muita coisa, mas sim estou a gostar. Estou no hotel, e vou deitar-me em seguida. Estou cansada.
-Fazes bem, os últimos tempos foram muito desgastantes. Vai dando notícias. 
-Fica descansado. Até amanhã. E mais uma vez muito obrigado.
-Até amanhã querida.


Informando os amigos.

Acabei de chegar do médico.
Segundo ele a minha coluna não está para brincadeiras. O problema não são as hérnias, mas o aperto que umas vértebras estão a fazer sobre os terminais nervosos. Proibição absoluta de esforços, tomar relaxantes, e fazer fisioterapia. Se isto não resultar ou se piorar tenho que equacionar a possibilidade de ter que ser operada. Exercícios só caminhadas, o sol na praia faz bem mas a água só se estiver com temperatura  "tipo caldo" 

21 comentários:

Rejane Tazza disse...

Ela está bem balançada com esse homem, novidade em sua vida... E a procura pelo pai deverá ser retomada... Vamos ver! Que presentão deu esse tio!

E tua coluna? Que coisa! Deves seguir bem as recomendsações! TE CUIDA!!! Fica bem! bjs, chica

Larissa Santos disse...

Um tio muito amigo da Sobrinha...Há que o conservar :))


Sussuros... à maresia...

Bjos
Votos de uma óptima Quinta-Feira

Anete disse...


Olá, Elvira!
Acompanhando e juntando os detalhes todos na mente... Um bonito conto segue, com bons capítulos...
Torcendo pela sua recuperação, cuide-se bem!
Bjs e MAIS E MAIS SAÚDE...

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Estou a gostar desta interessante história.
Um abraço e continuação de boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Janita disse...

Gosto muito da maneira como relata/ conta/escreve, os relacionamentos afectivos entre as suas personagens.
Muito enternecedora esta relação tio/sobrinha.
Quem dera que em todas as famílias houvesse esses laços de ternura.

Estimo que, na sua saúde, tudo se resolva pelo melhor.

Um abraço.

Cidália Ferreira disse...

O envelope! Já nem me lembrava do envelope... Olha que boa surpresa??

Beijo e um dia excelente!

Olinda Melo disse...


Olá, Elvira

Encontro este conto já no 15º capítulo, mas dá para entender que é, como sempre, um conto empolgante. À procura do pai e, também, talvez, o amor à espreita.

Desejo-lhe boas melhoras. Isso da coluna, é preciso seguirmos as indicações do médico.

Beijinhos

Olinda

Edumanes disse...

Helena no Hotel em Coimbra continua. Não se sabendo quando é que irá encontrar o seu pai?
Para você amiga Elvira, desejo uma boa tarde e as suas melhoras.
Um abraço.

Roaquim Rosa disse...

Boa tarde
estamos todos na espectativa de um bom almoço entre duas pessoas que se conheceram por acaso .
em relação á sua coluna talvez já saiba mas a natação é o melhor desporto que se pode fazer , claro em piscina de agua quente . Foi o que me aconselhou um medico especialista em ossos, e por acaso tenho o previlegio de morar perto de Espinho onde tem piscina de agua salgada o que ainda é melhor.
JAFR

Tintinaine disse...

Primeiro a saúde que é o nosso bem mais precioso. Fuja da operação enquanto puder, o bem que se consegue não compensa o mal que se passa com a operação.
Quanto à novela, gosto da ideia do amor à primeira vista e parece que o Cupido lhe acertou em cheio com a flechinha milagrosa.

Filhos do Desespero disse...

Exactamente o que tenho de maneira crónica na cervical...

...e é de tirar a paciência a um Santo!

(e quanto a mim, que não o sou, esgota-se-me muito mais depressa!)

As melhoras Elvira. Tudo de bom

:)

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde/noite, querida amiga Elvira!
Será que acha o pai? Tenho dúvidas...
O tio a ama muito e até pensei que fosse ele o pai... rs...
Quanto à sua coluna, cuide-se bem... eu também caminho muito e o sol me faz bem aos ossos.
Água só morninha e gelada para a coluna jamais.
Tenha uma tarde/noite feliz e abençoada !
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

aluap Al disse...

Não me importava nada de ter um tio Alberto.
Um abraço e melhoras.

esteban lob disse...

Querida amiga Elvira:

Más que comentar la ficción tan bien escrita, quiero desearte un paulatino restablecimiento en tu salud. Es de esperar que baste con la prohibición de esfuerzos, tomar relajantes y hacer fisioterapia.

Fuerte abrazo, con votos porque tengas mucha paciencia y ánimo.

Ailime disse...

Boa noite Elvira,
Um ótimo presente do tio que ela aceitou com carinho.
Entretanto haverá o passeio com Cláudio e seguidamente a tentativa de encontrar o pai. Será que vai ter sucesso nessa diligencia'
Beijinhoss e boas melhoras.
Cuide-se , Elvira. A coluna é o nosso suporte.
Ailime

lis disse...

Bom saber que com os cuidados necessários seu problema será resolvido e amenizado.
É o que esperamos Elvira.
O conto segue de forma feliz _ tio generoso e esse encontro que promete! rs
Vamos ver também o desenrolar nessa procura pelo pai .Estou gostando.
deixando abraços

Manu disse...

Já tinha vindo aqui ler este episódio que me deixou surpreendida pelo belo presente do tio e pela maneira como descreve tão bem todo o desenrolar da história.

Também vi como está a sua coluna, há que ter cuidado.
Já li o episódio seguinte, mas como não vou estar por aqui amanhã, gostei do que li.

Abraço Elvira

noname disse...

Continuando a seguir a história.

As suas melhoras, beijinho

Gaja Maria disse...

Fique bem Elvira.
Abraço

Lucia Silva disse...

Seguindo a história e me encantando com o desenrolar dos fatos.
Abraços!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Muitos pais não fazem com os filhos o que o tio fez pela sobrinha. Continuo gostando e esperando mais novidades.

Abraços,

Furtado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...