14.3.17

CASAMENTO POR PROCURAÇÃO - PARTE XVI





- Nada. Ainda não me conheces, mas garanto-te que sou um homem de princípios. Apesar de tudo o que te disse, não me casaria, se soubesse que não tinha forças, para acabar com uma relação, e fechar a porta ao passado.
 Quis que o soubesses, porque não me sentiria bem comigo mesmo, se te enganasse. Não me vou deitar na tua cama, a pensar noutra mulher, nem te vou pedir que me ajudes a esquecê-la. É tarefa minha. Peço-te paciência, enquanto me livro dos meus fantasmas.
Finalmente voltou-se. Olhou-a fixamente, tentando adivinhar o que lhe ia na alma. Virando-lhe as costas, Sofia voltou para o sofá.
-Agradeço-te a sinceridade. Lembro-te que estamos casados pelo registo e pelo que sei, aqui existe o divórcio.
- Não. Nunca pediria o divórcio, do mesmo modo que nunca te vou atraiçoar, ainda que sejamos apenas amigos. Perante os outros, és minha mulher, devo-te respeito. Sou homem que honra os seus compromissos.
- Bom. Depois do que acabaste de contar, pensei que tinhas querido o casamento pelo registo, a pensar num possível divórcio.
-Não. Talvez esteja errado, mas penso que um juramento perante Deus, não se deve fazer de ânimo leve. Penso que só dois seres que se amam muito devem casar pela igreja. E não é o nosso caso.
- Então, agora que esclarecemos a situação, que vamos fazer?
- Não sei. Não disseste que o amor vem com a convivência? Podemos ser amigos, partilhamos a casa, conhecemo-nos. Depois se verá o que o futuro nos reserva.  Parece-te bem?
- Sim.
O silêncio caiu sobre eles. Intenso. Ela não sabia se estava feliz, se desiludida. O que sabia, é que o seu desejo de sair da aldeia, a tinha metido numa "camisa de onze varas" como costumava dizer o pai. Resolveu mudar de assunto.
-É preciso alguma coisa especial para procurar trabalho aqui? Inscrever-me em algum lado?
-Não. Na Segunda-feira, temos que ir tratar da tua legalização no país. Nada que acarrete problemas, pois o casamento com um residente, como é o nosso caso, dá automaticamente o direito à legalização. E em que gostarias de trabalhar? Disseste que tens o Curso Comercial. Se falasse com o tio, talvez pudesses ajudá-lo com a contabilidade do restaurante.
-Não. Não quero trabalhar contigo ou com o teu tio. Pelo menos por agora. Tenta compreender. Quero qualquer coisa onde me sinta uma empregada como outra qualquer. Não a sobrinha do dono. Entendes?
- Sim. E tens alguma ideia?
- Neste momento, e dado a diferença de moda entre o que vi aqui. e o que é na nossa terra, o que gostava mesmo, era de uma loja de roupas.
- Podemos ver os anúncios no jornal. Mas não precisas ter pressa. Tenho  algumas economias. E um bom salário.

18 comentários:

✿ chica disse...

Uma situação nada agradável ,principalmente pra ela...Que coisa! Vamos acompanhando e torcendo...bjs,chica

Tintinaine disse...

Por esta é que eu não estava à espera!
E agora?
Quem será a rival no coração do marido?
Será que vão encontrar-se as duas?
Espero que não partam para a estalada!

AvoGi disse...

Independência financeira....Um bom começo
E eu começo a gostar dela
Kis :=}

António Querido disse...

Vou esperar que a camisa de onze varas, não a comece a apertar demasiado!
O meu abraço.

Edumanes disse...

Tudo pode acontecer! Mas o futuro do casamento por procuração, não sei se não terá os dias contados? Partilhando o mesmo tecto como amigos assim sem mais nada? Nem nos filmes isso acontece...

Tenha um bom dia amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Gostei!
Ela quer ser independente, isso é muito bom.
Um abraço querida amiga, Elvira e felizes dias.

Diana Fonseca disse...

Ainda acho que vão gostar muito um do outro.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Quem sabe, um flagrante da amada com outro homem transformará o amor de Quim em desprezo, e ele passe a se interessar por Sofia? Tá complicado. Vamos aguardar.

Abraços,

Furtado

Roaquim Rosa disse...

Boas
o interesse começa a ser maior e a ansiedade também .
rica historia
JAFR

Bell disse...

Difícil para uma mulher ouvir isso né?
Mas pelo menos ele foi sincero.

bjokas =)

Odete Ferreira disse...

Ena, que reviravolta nos últimos dois capítulos.
Vamos ver como é que a narradora cozinha estes novos ingredientes!
Bjinho :)

O meu pensamento viaja disse...

Muito bem! Independência é indispensável.

Prata da casa disse...

E agora que está tudo em pratos limpos, vamos lá a ver como se desenrola a nossa estória.
Bjn
Márcia

Pedro Coimbra disse...

Estou curioso para ver o que nos reserva esta história.
Mas nem me atrevo a adivinhar.
Um abraço

Os olhares da Gracinha! disse...

Mas se arranjar trabalho...excelente! Bj

Dorli Ramos disse...

Nossa!
Que complicado, mas acredito que o amor virá fazer morada nesse casal
Beijos
Minicontista2

Fernanda Maria disse...

Tudo muito razoável e civilizado,estou a gostar imenso!

bjs

Gaja Maria disse...

Ele parece-me uma pessoa de princípios e valores e ela já deveria ter pensado nas diversas possibilidades, não? Veremos o que vai acontecer.