15.3.17

CASAMENTO POR PROCURAÇÃO - PARTE XVII





- Calculo que sim. Mas sempre ouvi dizer que a vida aqui é cara, e que para se ter alguma coisa são precisos sacrifícios. Quero ajudar, contribuindo para as despesas. Talvez tenhas que me dar algum dinheiro, preciso fazer algumas compras, se o meu enxoval demorar a chegar. No avião deixam trazer tão pouca coisa.
-Não é problema. Disponho de três horas livres todas as tardes, posso acompanhar-te. Mas amanhã não. Prometeste ir lanchar com a tia.
-Sim. Mas vens-me buscar? 
-Venho buscar-te antes de começarmos a servir os almoços. Procura estar pronta, não poderei demorar. Almoças lá e depois sobes e ficas com a tia. Depois de amanhã, é o dia do descanso de pessoal, o restaurante está fechado, poderemos ir comprar o que quiseres, e irei mostrar-te parte da cidade, para que não estejas sempre em casa com medo de te perderes.
Durante uns momentos ambos ficaram em silêncio, cada um preso aos seus pensamentos. Depois Quim retomou a conversa.
- Vou ligar a televisão, são horas de notícias. Se tiveres sono, podes ir deitar-te. Usa o quarto principal, eu fico no mais pequeno.
- Obrigada. Não tenho sono e gostava de ver um pouco de televisão. Em Portugal a televisão ainda é um luxo, que a maioria não conhece.  Na nossa aldeia, só existe uma no café. E isso porque tem um gerador. Como deves saber a eletricidade ainda não chegou lá. 
- Às vezes esqueço-me de como Portugal está atrasado. Afinal pelo Natal faz dez anos que saí de lá.
- Apetecia-me um chá. Será que existe cá em casa?
- Esta tarde, antes de te ir buscar,  trouxe pão, queijo, manteiga, chá e café. É só o que temos, pois não tive tempo para mais, saí do trabalho quase à hora da tua chegada. Amanhã de manhã saio muito cedo, como todos os dias, pois tenho  que fazer as compras diárias para o restaurante. Farei também algumas compras para abastecer a nossa dispensa, embora gostasse que fizesses as refeições comigo no restaurante. Só que as minhas horas são sempre tardias.
- Não faz mal. Enquanto não tiver arranjado trabalho, posso fazer um lanche intercalar e  depois faço as refeições contigo. Para ser sincera, aborrece-me cozinhar só para mim. E agora vou ver se me entendo com o fogão. Sabes que na minha casa ainda temos um fogão a lenha, daqueles de ferro com caldeira?
-Aqui é tudo a gás. Vem. Vou dizer-te onde estão as coisas e como deves usá-las.
Ninguém diria ao vê-los, que se tinham conhecido nesse dia. Muito menos que havia entre eles uma relação dúbia. Procediam com aparente  naturalidade como se tivessem esquecido a conversa anterior.

16 comentários:

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
continuo a pensar que ao fim de algum tempo de se conhecerem bem melhor , vão acabar por superar todas as contrariedades e vão fazer um grande casamento pela igreja.
ate amanhã
JAFR

Os olhares da Gracinha! disse...

Essa fase inicial...não deve ter sido fácil!!! Bj

✿ chica disse...

Tantas diferenças na vida pra ela e acho que as coisas hão de tomar bom rumos... bjs, chica

Prata da casa disse...

Bom dia Elvira: se Portugal estava atrasado, aqui nos Açores o atraso era bem maior. A televisão só chegou cá depois do 25 de abril.
Bjn
Márcia

Edumanes disse...

Os pombinhos parece que se estão aconchegando um ao outro. Devagarinho se vai longe. De grão em grão enchem a galinha o papo.
Tenha um bom dia amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

AvoGi disse...

UI, a televisão! Nós aqui no meu rural víamos a d Canárias, mito antes da portuguesa.
Kis :=}

António Querido disse...

Vou passando, terei que dividir o tempo com Blogues e horta!
Deixo o meu abraço.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Apesar de tantas diferenças, os dois parece-me que gostam um da presença do outro.
Estou a gostar muito querida Elvira, beijinhos.

Roselia Bezerra disse...

Boa Tarde, querida Elvira!
Acredito que tudo dará certo.. pelo rumo da carruagem...
Bjm muito fraterno

Taty disse...

Opa!
Torcendo pra dar tudo certo!
Bjus
Taty
Na Casa dos Abrantes
Canal

Anete disse...

Opa, um relacionamento misterioso, mas uma boa amizade está ligando o casal...
Surpresas boas virão...
Bjs

(Respondi por lá sobre a tensão passageira, coisas da vida! Rsss)

aluap Al disse...

Longe vão os tempos em que se vivia em Portugal sem luz eléctrica, frigorífico e sem televisão. Mas o Portugal atrasado tinha jovens que nesses tempos viviam com mais felicidade sem luz, do que hoje com luz.
Sendo a Sofia uma desses jovens, espero que a abundância não a torne infeliz por terras gaulesas.
Esta história é bonita.
Abraço.

O meu pensamento viaja disse...

O caminho faz-se, caminhando. Acredito que acabarão por se acertar.

Cantinho da Gaiata disse...

Bem que gostava de mais envolvimento da parte dele, vou ter que esperar para ver.
Bj

Fernanda Maria disse...

Bem tudo se desenrola com tanta normalidade que prevejo algum contratempo, será ?

Bjs

Rosemildo Sales Furtado disse...

Acredito que, da mútua sinceridade e da forma que se relacionam, o amor pode vir a tona. Aguardemos.

Abraços,

Furtado