11.3.17

CASAMENTO POR PROCURAÇÃO - PARTE XII




O empregado trouxe as refeições e Quim esperou que se afastasse para continuar.
Portugueses bem-sucedidos como o meu tio, contam-se pelos dedos das mãos. E vieram para cá no final dos anos quarenta, início de cinquenta. A guerra tinha acabado há pouco tempo, a mão-de-obra para a reconstrução era escassa e pagava-se muito bem. Esses às vezes vêm matar saudades dos nossos pratos. Ainda assim não são muito frequentes.
Em contrapartida os franceses apreciam muito a nossa gastronomia. E graças a isso, o restaurante está sempre cheio.
- Nem sequer imaginava o que me contas. Apenas estranhei só ouvir falar francês, quando pensava que seria um restaurante para os emigrantes portugueses. E nunca pedem comida francesa?
- Não. Restaurantes de comida francesa existem muitos, e bons. De comida tipicamente portuguesa em Paris, só este. Quem aqui vem, quer  experimentar uma comida diferente, degustar os nossos pratos. Do mesmo modo que se vais a uma pizaria, vais para apreciar uma boa piza, não para comeres um cozido à portuguesa.
- O bacalhau estava delicioso,- disse Sofia poisando o talher. - Pensava que os franceses, não fossem grandes apreciadores de bacalhau.
- São-no, enquanto cozinhado por nós. Não é algo que eles utilizem habitualmente na sua gastronomia. Usam-no sim cozido, como outro qualquer peixe, fresco ou congelado. O bacalhau assim curado, seco e salgado, não. Por isso muitas vezes não o encontramos no mercado e temos que o importar diretamente de Portugal.
Esperou que o empregado retirasse os pratos e perguntou:
- Falas francês?
- Alguma coisa. Como sou filha única, meus pais mandaram-me estudar para Viseu. Fiz o quinto ano do Curso Comercial. E tu? Estudaste?
- Fiz um curso de hotelaria e restauração, enquanto aprendia a prática aqui mesmo, na cozinha com o meu tio.


18 comentários:

Zilani Célia disse...

OI ELVIRA!
AMIGA, O VERÃO ESTÁ ACABANDO AQUI NO BRASIL E COM ISSO, PARAM AS IDAS Á PRAIA, CONSEQUENTEMENTE, VOU FICAR MAIS EM CASA, AI APARECEREI MAIS E PODEREI ENTÃO RECOMEÇAR A SEGUIR TEUS CONTOS QUE TANTO GOSTO.
ABRÇS AMIGA
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
continua ainda um pouco frio mas estou em querer que a historia vai aquecer .
ate amanhã
JAFR

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a história!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Jaime Portela disse...

Bacalhau à Brás é bom em qualquer lado, mesmo em Paris...
Estou a gostar da história, muito bem contada, como sempre.
Bom fim de semana, amiga Elvira.
Beijo.

António Querido disse...

Quem encheu a barriga nesse restaurante todos os dias foi o ingénuo do Sócrates e o filho com o meu/nosso dinheiro que andamos a pagar com altos juros.

A 0% de juros vai o meu abraço até ao Barreiro.

✿ chica disse...

O bacalhau foi bom, o papo ainda sem tempero, apenas frivolidades. Mas vamos ver o que está por vir...Há muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito, certamente,rs... bjs, chica

Diana Fonseca disse...

Vou comer esse prato da fotografia hoje, hehe.

Os olhares da Gracinha! disse...

Refeição e diálogo ... combinação perfeita! Bj

AvoGi disse...

Bacalhau é bom em qualquer parte do mundo.
Um pouco de pimenta faz falta ..Na história...Ainda a começar e já usei intrigas..
BFSEMANA
Kis :=}

Beatriz Pin disse...

Sempre gostei do bacalhao á portuguesa. Cando vou a Portugal, cada vez ja menos, sempre procuro probar este prato. Tenho amizades en Noruega, terra de bacalhao, que admiran e gostan da receita preparada co salgado e non co fresco ou congelado.
Uma grande aperta e boa fin de semana.

Duarte disse...

Assim, muito mais apetecível. Quem resiste a algo que se apresenta tão atractivo.
Importante este dialogo, já que pode levar a a uma linda historia, mais ainda com o bacalhau pelo meio.
Interessante, vamos a ver como preparaste o que vem.
Abraços de vida, querida amiga.

Odete Ferreira disse...

Apreciei alguns pormenores que não conhecia.
Bom fim de semana.
Bjinho

Tintinaine disse...

Ai Quim, Quim que nunca mais metes a primeira e arrancas por aí fora a toda a velocidade!

Olinda Melo disse...


A gastronomia é algo que os emigrantes carregam para onde quer que vão. Esse bacalhauzinho está mesmo apetitoso. Também vejo que esses dois estão a aproveitar para se conhecerem um pouco melhor. O título é sugestivo, dantes usava-se muito este tipo de casamento, por procuração.

Bj

Olinda

Edumanes disse...

O bacalhau estava delicioso,
disse Sofia, pousando a talher
pesando se calhar o que de maravilhoso
poderá acontecer a seguir se Deus quiser!

Tenha um bom dia de domingo amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Dorli Ramos disse...

Oi Elvira
Adoro bacalhau. Adoro tudo que bom( principalmente frutos do mar)
Beijos no coração
Minicontista2

Rosemildo Sales Furtado disse...

O pré conhecimento se faz necessário porque, além de evitar decepções, favorece um bom entrosamento. Será que o "Falas francês? Tem alguma coisa a ver com o ajudar no atendimento aos clientes do restaurante? Garçonete? Rsrs. Vamos aguardar.

Abraços,

Furtado

Fernanda Maria disse...

Até aqui está tudo a correr bem, vou continuar :)

beijinho