29.3.17

CRIME DE MORTE



                        notas de mil escudos de 1927


Nota: Esta estória, já aqui a contei uma vez há dois anos. Pelos comentários da época percebi que quem a leu, julgou tratar-se de mais um conto meu. Esta história é verídica, passou-se com minha avó, Maria do Carmo da Silva, e foi-me contada por ela.  Minha mãe e tios também a contavam. A única dúvida é nas notas, ela contou-me assim em 60 quando eu estive a passar um mês com ela. Os meus tios falavam em duas notas de quinhentos. Seja uma ou duas era uma fortuna, em notas que ela nem conhecia, pois nunca tinha visto notas de tal valor.

Passo a contar a estória.


A história que vou contar, passou-se na Trapa, pequena aldeia, do concelho de S. Pedro do Sul, nos gloriosos e loucos anos vinte. Numa pequena casa tipicamente beirã, daquelas de granito que ficavam por cima da “loja” onde se guardavam os animais, se os havia, e os mais pobres guardavam apenas os utensílios de trabalho na terra,  a caruma, e a lenha para o fogo, viviam a Maria e o marido, mais os cinco filhos, dos oito que já tivera. A casa era composta por uma ampla entrada, onde num canto havia uma chaminé, e um pequeno forno de lenha que a Maria utilizava para cozer o pão. Não havia fogão, a refeição era cozinhada numa panela de ferro, com três pés que assentava diretamente em cima da fogueira, que se acendia ao lado do forno, sobre uma placa metálica, assente em cima das pedras, que formavam o chão. Completava a decoração, uma comprida mesa de madeira e dois bancos corridos, que serviam na hora das refeições.
Além desta “sala”, a casa tinha dois quartos. Num dormia o casal, com o filho mais novo, no outro, os quatro filhos mais velhos. Nos quartos, mantas de trapo, sobre enxergas de palha de centeio, serviam de cama, na hora de descansar o corpo. Manuel, o marido trabalhava no campo quando havia trabalho, e quando não, batia as portas das redondezas à procura de ferro-velho que depois vendia na Feira Velha, uma feira mensal que se fazia em S. Pedro a cerca de 9 km que o Manuel fazia com o seu burrico que ele batizou com o nome de Tem Dias. Isto, porque segundo ele o burro tinha dias, em que era obediente à voz do dono e outros em que empancava e não se mexia por mais que recebesse ordens em contrário. Naquele longínquo ano de mil novecentos e vinte e nove, Maria estava de novo grávida. Estávamos no início de Setembro, Manuel não tinha trabalho, e nada havia para comer naquela casa. E se os três filhos mais velhos com nove, dez, e onze anos, já estavam a "servir" em Lourosa, e em Santa Cruz, e já não davam cuidados, os outros cinco tinham fome.  Maria pensou que tinha que arranjar comida para os filhos. O marido só chegaria à noite e quem sabe se traria ou não alguma coisa para comerem.  Deitou o bebé numa canastra que pôs à cabeça, pegou no outro pequeno ao colo, e seguida dos outros três foi em busca de comida. Batia à porta das casas mais abastadas e oferecia algum trabalho em troca de comida para as crianças. Não pedia esmola, tinha vergonha. Mas as pessoas tinham pena das crianças e sempre lhe davam alguma coisa. Naquele dia, numa dobra do caminho deparou com uma carteira. Era uma bela carteira de pele com iniciais gravadas a ouro. A tremer Maria abriu a carteira e viu umas quantas notas. Cada vez mais assustada tirou-as da carteira mirou-as e viu que era uma nota de mil escudos, uma nota de 500 escudos uma  de 100, três de 50, e cinco de 10.
Uma fortuna. Ao metê-las de novo na carteira qualquer coisa caiu no chão e Maria viu que era uma fotografia. Reconheceu o homem. Um doutor de uma aldeia vizinha, homem rico e influente com negócios em Lisboa e Porto. Maria pegou na carteira e foi a casa do tal  doutor. Lá chegada, puxou o sino do portão da quinta e uma mulher de idade, a "criada"  - naquele tempo chamavam-se assim, veio à porta. Maria disse que tinha achado a carteira e vinha entregá-la. A criada pegou na carteira e foi para dentro. Maria ficou à espera que ela voltasse. Quem sabe o homem, lhe daria alguma comida para as crianças. Um palácio daqueles tinha com certeza mesa farta. Porém o tempo foi passando e a criada não voltava. Impaciente e cansada com o peso dos filhos e da barriga, a mulher puxou de novo a sineta do portão. E então a "criada" voltou.
-Entregou a carteira ao seu patrão? Perguntou Maria
- Entreguei - respondeu ela
- E o que ele disse?
-Guardou-a e não disse nada.
-  Por favor, diga-lhe que eu estou aqui, que tenho as crianças com fome, se me pode dar alguma coisa para elas comerem.
-Espere um pouco que eu vou dizer-lhe.
A mulher virou costas e voltou pouco depois com uma corda.  Com lágrimas nos olhos estendeu-a a Maria dizendo.
- Eu fui falar com o senhor Doutor e ele disse que era para eu lhe trazer esta corda. E quando eu perguntei o que lhe ia dizer, ele disse que se enforcasse, porque uma pessoa que tem os filhos com fome, encontra uma fortuna e vai entregá-la, não merece viver. Desculpe, dói-me tanto, mas foi o que ele me disse.
Maria engoliu as lágrimas, pegou os miúdos e virou costas pensando: 
-Que raio de País é este, onde ser honesto merece pena de morte?



25 comentários:

Roaquim Rosa disse...

bom dia
até custa fazer comentários e mais não digo.
JAFR

Luis Eme disse...

O doutor devia ser uma excelentíssima besta, Elvira.

E aquele dinheiro devia ter sido demasiado fácil de ganhar... provavelmente da mesma forma que ganham os nossos políticos e gestores.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Como diz o Luís até custa a comentar uma história destas com um final terrível, já não se pode ser pobre e honesto nesta terra.
Um abraço e continuação de boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

LopesCa Blog disse...

Sem comentários :(

Tintinaine disse...

Acredito mais que seja uma lenda como a do Galo de Barcelos do que uma história da vida real.
E a descrição da casa fez-me lembrar aquela onde nasci e vivi até aos 11 anos de vida. Tal e qualzinha!!!

✿ chica disse...

Triste fato e certamente fica marcado! bjs, chica

Isa Sá disse...

E será que ele merecia ter sorte? história triste...


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Os olhares da Gracinha! disse...

Por vezes...ser honesto...não corre bem! Bj

Edumanes disse...

Que grande besta quadrada era esse doutor. Já nesse tempo era proibido haver gente honesta. Por isso não nos admiramos do que está acontecendo em todo o mundo. As pessoas morrem, mas as raízes não...

Tenha um bom dia amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Mister Vertigo disse...

Ao chegar ao final, fiquei sem palavras...
Muito boa tarde!

AvoGi disse...

A honestidade sempre foi um em em extinção.
Kis :=}

rendadebilros disse...

Em todos os tempos, houve/há gente arrogante e insensível. Até dói a alma. Beijinhos.

Prata da casa disse...

Fiquei sem palavras!!! Uma pessoa repugnante.
Bjn
Márcia

Ana S. disse...

E é por essas e por outras que eles são ricos. A honestidade só gera pobreza e gente sem coração não quer saber dos pobres.
Abraço

maria disse...

Impressionante!!!

Elisa Bernardo disse...

Não posso crer Elvira! Que horror!!!
:(

As Mulheres 4estacoes disse...

Triste acontecimento esse.

Zilani Célia disse...

OI ELVIRA!
TUA HISTÓRIA ME LEVOU A PENSAR QUE, VEM DE LONGE ENTÃO A IDEIA DE QUE SER DESONESTO É SER ESPERTO. INFELIZMENTE, E O PIOR QUE DISSESTE SER VERDADEIRO O QUE CONTAS.
ABRÇS, AMIGA
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Pedro Coimbra disse...

Espero, desejo, que esse fdp tenha morrido enforcado por essa corda.
E esfomeado!
Um abraço

lis disse...

Oi Elvira
Difícil de acreditar existir gente assim_ mas sei que existe de todas as espécies.
Triste demais!
Que homem pequeno!
Adorando ler-te!
beijo

Rui disse...

Uma estória triste ! De uma insensibilidade tremenda e revoltante ! :((

Anete disse...

Que experiência essa que contou, Elvira! Há muita ingratidão e insasatez mundo afora... É uma reflexão também muito boa no seu texto!!
Bjs e carinho...

© Piedade Araújo Sol disse...

Elvira

não sei comentar!

como é que uma pessoa consegue ser tão insensível?!

:(

Cantinho da Gaiata disse...

Pela primeira vez não tenho palavras, que tristeza tão grande.
Bj

Odete Ferreira disse...

Quando li o final, nem queria acreditar, até reli.
Parece quase impossível haver alguém a ter esta reação, sobretudo naquela época e perante a situação desta família!
(Tenho acompanhado as publicações)
Bjinho