11.11.15

FOLHA EM BRANCO PARTE XXIV



                                                imagem publica


O homem, preocupado, sem saber que fazer, e quase sem tempo para adiar uma resolução, pois a data agendada para a próxima exposição aproximava-se. A jovem, assustada, perdida, sabe-se lá em que infernos interiores, quase não jantaram nessa noite, apesar de toda a simpatia do empregado do restaurante e do belo aspecto do peixe assado pedido para o jantar. Depois em casa, rapidamente a jovem recolheu ao quarto. Mas estranhamente, ou não, a porta do quarto ficou aberta, e a luz acesa, acabando por adormecer assim.
Na sala Miguel continuava perdido nos seus pensamentos, buscando uma solução para o problema em que se tinha metido.
O melhor, cogitou, será levá-la para Lisboa. Lá existem bons psiquiatras, poderá ser tratada lá. Depois se verá. Mas levá-la daqui, que pode ser a sua terra, não será demasiado arriscado? – Interrogava-se.
Por fim tomou uma decisão. No dia seguinte teria uma conversa franca com o médico, e faria o que ele achasse melhor para a jovem, ainda que isso o contrariasse. Mais calmo, preparou-se para dormir. Como a porta do quarto estava aberta e a luz acesa, chamou pela jovem julgando-a acordada. Ela não respondeu. Hesitou, um pouco e depois dirigiu-se ao quarto. Ela dormia, meia destapada, a farta cabeleira espalhada na almofada. Por alguns instantes ficou contemplando-a. A imagem era demasiado bela para o  olhar de qualquer homem, mas Miguel atribuiu a sua admiração ao facto  de ser pintor. Depois suavemente puxou-lhe a roupa para cima, apagou a luz, e saiu do quarto murmurando:
-Tão jovem e tão sofrida!
Acordou perto das onze. Sentou-se no sofá, e enquanto calçava os chinelos, olhou para o quarto. A porta continuava aberta, mas a cama estava feita, pelo que deduziu que a jovem se teria levantado à muito.
Encontrou-a sentada à mesa da cozinha fazendo rabiscos no caderno de desenho. Vestia, umas calças de ganga, e um camiseiro turquesa. O cabelo apanhado numa só trança, caía-lhe sobre o ombro direito.
“Caramba, parece uma miúda”, pensou enquanto saudava:
-Bom dia Mariana. Dormiu bem?
- Bom dia Miguel. Dormi sim. E parece que o Miguel também. Pelo menos quando me levantei, dormia.
- Adormeci tarde, - desculpou-se sorrindo. Bom, vou tomar o meu duche. Temos que almoçar mais cedo, por causa da consulta. Está preparada?
Ela assentiu com a cabeça.
-Ainda bem.
E saiu dirigindo-se à arrecadação junto à casa de banho. 
Dias depois da chegada da jovem, ele  tinha comprado um armário, que mandou colocar na arrecadação, para onde mudou todas as suas roupas. Não tinha lógica, e nem lhe parecia  correto,  ir para o quarto da jovem, sempre que precisava mudar de roupa. 
Mariana fechou o caderno e dirigiu-se à sala. Apanhou a roupa espalhada no chão, sacudiu-a,  dobrou-a cuidadosamente, guardando-a depois no gavetão do sofá. Depois fechou-o e colocou-lhe por cima a manta alentejana, e as almofadas de croché.   



  



15 comentários:

Odete Ferreira disse...

Bom, os laços estreitam-se...
Bjo, amiga :)

cesar farias disse...

A estória continua envolvente. A fluidez do texto é cativante, amiga.

Vera Lúcia disse...


Parece que Miguel está procurando justificativas para a admiração que esta sentindo pela jovem. E esta, por sua vez, está se adaptando muito bem à vida ao lado de Miguel. Acho que vai dar amor-rsrs.

Mais uma ótima e detalhada narrativa.

Beijo.

lua singular disse...

Eu estou com você: um homem e uma mulher juntos na mesma casa, acho que ninguém é de ferro.
Elvira você é demais para escrever contos. Adoro.
Beijos
Lua Singular

Rogerio G. V. Pereira disse...

Te seguindo...

Pedro Coimbra disse...

Esperemos pelo diagnóstico.

✿ chica disse...

E vamos te acompanhando! bjs chica

Isa Sá disse...

Por cá vou acompanhando o desenrolar da história.

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Para além da ausência de memoria os laços vão-se estreitando.
Um abraço e continuação de uma boa semana.

Mariangela do Lago Vieira disse...

Que bom...vejo amor chegando em seus corações!
Linda história!!
Abraços,
Mariangela

Edumanes disse...

Tão jovem e tão sofrida,
tão jovem e tão bela
deitada na cama adormecida
e o Miguel a olhar para ela!

Tenha um bom dia amiga Elvira, um abraço.
Eduardo.

Laura Santos disse...

Um homem com princípios, mas parece-me que está a ficar sem querer, seduzido pela jovem...!
xx

Socorro Melo disse...


Nada como uma boa noite de sono. E a história de Miguel e Mariana vai se tecendo na folha antes branca.

Zilani Célia disse...

LENDO.

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Rosemildo Sales Furtado disse...

E o médico? Qual será a sua orientação? Continuo gostando.

Abraços,

Furtado.