15.11.15

FOLHA EM BRANCO - PARTE XXIX


Como todos os artistas, Miguel era um bom observador do que o rodeava, e possuía uma enorme sensibilidade. Por isso mesmo, não lhe passava despercebida a tristeza no rosto da jovem, que ele atribuía ao seu estado amnésico. Estava porém longe de imaginar, que ele poderia ser parte dessa tristeza.
O restaurante escolhido, ficava perto de casa. Era um café restaurante, não muito grande, mas acolhedor.
-Um dia, com mais tempo, havemos de ir à Adega Machado, jantar e ouvir o fado. 
Mas hoje jantamos aqui mesmo, a comida é boa e podemos conversar mais à vontade. - Disse ele afastando a cadeira para ela se sentar.  
Escolheram a refeição e enquanto esperavam, Miguel disse: 
- Queria arranjar alguém de confiança, para te acompanhar e ajudar no que precises. Amanhã, vou tentar conseguir a consulta com o tal médico. Vou contigo à primeira consulta, mas se ele achar necessário, as tais sessões de psicoterapia, não poderei acompanhar-te. Os próximos dias vão ser muito complicados, em termos de tempos para mim. Provavelmente nem as refeições, faremos juntos. Falei com a porteira, ela conhece meio mundo no bairro, talvez pudesse ajudar-me. E sabes uma coisa? Ela tem uma irmã que enviuvou há três meses. Precisa urgente de trabalho, tem uma filha estudante, que está em risco de ter de abandonar os estudos, por causa dos problemas económicos em que a morte do pai a deixou.
Calou-se enquanto o empregado servia a refeição, retomando a conversa, logo depois:
- Disse-lhe para virem amanhã. Estou a pensar, que a mãe poderá tratar da casa, fazer compras, e inclusive as refeições. E a filha, que deverá andar pela tua idade, pode acompanhar-te às sessões, ou a dar uma volta pela cidade, ir ao cinema, ou outro lado qualquer que vós, jovens, apreciais. Dava-nos jeito, e era uma maneira de as ajudar, nesta hora difícil. O que achas?
- Não sei Miguel. Faz o que achares melhor.
-Então está decidido. Claro que teremos de combinar as coisas, em função do horário da miúda. Não vamos atrapalhar os seus estudos.
- Miúda, Miguel? Não disseste que era mais ou menos da minha idade?
Ele arqueou a sobrancelha
- E?
-Eu, não sou uma miúda, - protestou com veemência.
- Pois não. Tu és ...uma senhora miúda. – Riu divertido



Nota: Como hoje é o dia internacional contra a violência sobre as mulheres, e eu só lembrei disso depois de ter postado este capítulo, deixo-vos aqui o link para um dos contos que escrevi sobre o tema. Se alguém estiver interessado é só clicar AQUI


     


17 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Gostei da reacção final.
Mais um pormenor de progresso.

Isa Sá disse...

Continuando a acompanhar...tenha um ótimo domingo!

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

lua singular disse...

Oi Elvira,
Ficando na expectativa de um lindo final.
Beijos
Lua Singular

Edumanes disse...

Estou aqui pensando, de que o Miguel, deve ser um homem bastante consciencioso. Outro no lugar dele e na mesma situação teria participado às autoridades, em vez de a acolher em sua casa. Isso aí cheira a paixão!

Tenha amiga Elvira, um bom dia de domingo, um abraço.
Eduardo.

Ana S. disse...

Olá Elvira!
Ainda bem que há gente boa, disposta a ajudar quem precisa sem pedir nada em troca.

Quanto ao conto, ainda existem muitas Celestes neste mundo com medo, vergonha e sem saber o que fazer para sair da violência a que são submetidas diariamente :(
Abraço e boa semana

Edumanes disse...

Anda depressa Luísa,
Luísa depressa sobe a calçada
no mundo a mulher continua ainda
pelo homem a ser maltratada!

Anete disse...

Bom domingo, Elvira!
Prosseguindo sim, novos passos são necessários para que haja saúde/liberdade... Mais um capítulo engenhoso...
Penso que gostará de ler o que escrevi no Vida & Plenitude, mas fique à vontade, ok?! Obrigada pelas visitas nos outros blogs!
Beijinhos e muita paz...

São disse...

Estarei enganada ao pensar que o Dia Contra a Violência de Género é a 25 de Novembro??

Abraço de bom domingo :)

Marina Fligueira disse...

¡Hola Elvira!!!

Lleva buen rumbo esta historia, no sé real o ficción... Apuesto por lo último. Me ha gustado mucho leerte.
Cliqué en el enlace, pero no me fue posible entrar, me ponía, no acceso a esta página.
Otro día será.

Ha sido un placer pasar a leerte.
Te dejo mi gratitud y mi estima.
Un abrazo y se muy muy feliz.

Ane disse...

Que suspense!Enquanto não sabemos do passado da personagem que não é miúda,a vida continua...temos que cuidar da saúde,trabalhar e ajudar os outros...Me avisa quando tiver outro capítulo?

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Este enredo está cada vez mais intrigante, com um ar de paixão por um lado e ajuda do outro. Vai-se em frente!

Laura Santos disse...

Um artista com um espírito muito prático; já arranjou algém para não deixar a rapariga sozinha!...:-)
xx

Mariangela do Lago Vieira disse...

O Miguel é bem prático mesmo!
Resolve tudo na maior facilidade.
Curiosa já vou ler o próximo!
Abraços,
Mariangela

Olinda Melo disse...


Muito bem. Aqui está como apareceram
a Luísa e a Maria na história...
Vou descer mais um capítulo.

Bj

Socorro Melo disse...


Acho que o cupido já flexou a miúda, kkk

Zilani Célia disse...

NÃO FUI LER TEU OUTRO CONTO PORQUE QUERO CONTINUAR AQUI, JÁ ESTÁ TARDE E O SONO ESTÁ BATENDO.

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Rosemildo Sales Furtado disse...

A coisa está evoluindo e eu continuo gostando e muito curioso. Rsrs.

Abraços,

Furtado.