13.5.18

RENASCER - XXXV




Carlos sentou-se e esperou que a jovem fizesse o mesmo.
- Bom o que tenho para te dizer é um pouco delicado. Nós conhecemos-nos há dez meses. Somos amigos damos-nos bem, e eu gostaria de transformar essa amizade em algo mais.
Estava nervoso, não sabia bem como continuar, o seu coração e o cérebro estavam em contradição, um dizendo-lhe que era um passo muito arriscado, por não amar Luísa, o outro lembrando que tinha empenhado a sua palavra, e que um homem podia perder tudo menos a honra.
 Tinha decidido ser o mais sincero possível, sem falar da promessa que tinha feito ao amigo. Não queria de modo algum constranger a jovem, nem dar-lhe a saber, que só lhe fazia aquela proposta por  esse motivo.
 - Sei que isto não é uma declaração romântica. Que deveria dizer que estou apaixonado por ti, mas acima de tudo sou um homem sincero. Gosto de ti, da tua companhia, da bebé, e até da tua família. Acredito que precisas de um homem que te respeite, te estime e te ajude a criar a tua filha. E sei que posso ser um bom marido para ti, e um bom pai para ela.
- Ou seja, estás a propor-me casamento, - interrompeu-o Luísa. Lamento muito se a minha amizade te deu motivo para fazeres planos de futuro comigo. Venho de uma família onde só se ama uma vez. A minha tia está viúva há trinta anos, a minha mãe há dezoito.  Amei o Julião com toda a minha alma, estou plenamente convencida que não voltarei a amar, e nunca seria capaz de partilhar a minha vida com um homem, por outro motivo que não o amor. Sei que és um bom homem, um grande amigo, com quem posso contar, que se aceitares ser o padrinho da minha filha, me ajudarás, mas isso é tudo o que poderá haver entre nós. 
- Tens a certeza de que é isso que queres, Luísa?
- Toda a certeza do mundo. Mais, vou dizer-te uma coisa que não te diria, se pensasse que de algum modo te ia fazer sofrer. Mas sinto que não é o caso. Nunca teria convivido contigo, nem te teria permitido entrares na minha vida, se não fosse por teres sido um grande amigo do Julião, e uma pessoa em quem ele confiava. De certo modo, sempre que estou contigo, é como se o procurasse através de ti.
- Compreendo. Pela nossa amizade, e pela amizade que me uniu ao Julião, pensei que podíamos unir-nos para dar à menina um lar. 
-A menina já tem um lar, Carlos. E três mulheres que a adoram e que são capazes de fazer qualquer coisa por ela. Quando crescer, vou falar-lhe do pai, e vai saber que só não está com ela porque morreu. O que ela precisa agora é de um padrinho que a ame, e aceite a responsabilidade de a proteger e apoiar, se eu lhe faltar. Posso contar contigo?
- Claro. Conta comigo para padrinho da menina e para te ajudar com ela, em tudo o que precisares.
- Tinha a certeza que essa seria a tua resposta. Por isso te estimo e te quero. É como se fosses o irmão que eu desejaria ter, e que a vida me negou. Promete-me que vais procurar alguém, que te ame e te faça feliz.  E agora que já esclarecemos as coisas, jantas connosco? Podemos falar do batizado durante o jantar.
- Se não for incómodo.



Porque hoje se festeja o dia da mãe, na maior parte do globo, deixo uma rosa para todas as que por aqui passarem








22 comentários:

Tintinaine disse...

Eu já adivinhava que esse ia ser o desfecho. E ainda bem, pois não gostava de ver o filho da escola casado e, talvez mais tarde, arrepender-se do passo que deu.
Isto é como jogar ás cartas, toca a embaralhar e dar de novo!

Kique disse...

Um bom Domingo... Grande história que continuo a acompanhar
Bjs
https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt

Isa Sá disse...

a passar por cá para acompanhar a história!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

Luiza é forte, sabe do que quer e do amor que guarda no peito pelo marido. Que legal! Agora Carlos está "livre" para amar quem deseja!
Linda flor, agradeço! bjs, chica

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
Depois desta conversa com Luísa que foi de uma franqueza extraordinária , vamos ver agora como a autora vai juntar o Carlos com a Emilia .
Um santo domingo para todos .
JAFR

Gil António disse...

Bom dia. Visitando e como sempre, ficando fascinado com a sua publicação. Acompanhando ...
.
* Mulher = Ventre de Vida...( Poetizando) *
.
Votos de um domingo feliz

António Querido disse...

Respeito pela mulher acima de tudo e foi o que aconteceu!

Com o meu abraço.

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Já se está a desenhar o desfecho da história.
Vai ser bom para ambos.
Beijinhos e bom domingo.
Ailime

Cantinho da Gaiata disse...

Passando para assistir a mais um capitulo, que não pensei que teria este desfecho, agora é só aguardar o que a nossa amiga Elvira tem para nos contar.
Já estou torcendo para que a Emília e o Carlos fiquem juntos.
Beijinho e bom domingo.

Edumanes disse...

Seria de todas por Carlos a mais desejada resposta de Luísa? Assim já não terá de cumprir a promessa nem por o seu incumprimento ser responsabilizado. Ficando com o caminho livre para se encontrar com Emília?

Tenha uma boa tarde de Domingo amiga Elvira.
Um abraço.

Zé Povinho disse...

De regresso em pleno e com muito para ler...
Abraço do Zé

Fatyly disse...

Obrigado pela Rosa que é linda e cheirosa:))

Continuo a acompanhar a história e aqui surpreendeu-me algo: a questão dos padrinhos que teria muito a dizer...porque os das minhas filhas nunca quiseram saber delas até hoje!

Beijocas e um resto de boa tarde

jorge esteves disse...

É-me difícil entender a visão da Vida por parte da protagonista. Interessante é que a única forma de lhe achar alguma razoabilidade está, precisamente, em parte da argumentação 'venho de uma família onde só se ama uma vez'. Mesmo que não lhe ache racionalidade. Um pouco, talvez, a tendência, quase atávica, de se repetir a Vida apelidando isso de Tradição (como em outras várias situações). Isso não invalida a história, o perfeito traço das personagens e, sobretudo, a estrutura, o enredo, e a coerência na dinâmica das descrição.
Gosto de lê-la, amiga!
abraço.
jorge
www.tintapermanente.pt

Os olhares da Gracinha! disse...

Bem interessante esta conversa!bj

AC disse...

A Elvira consegue sempre dar credibilidade ao enredo. Incrível!

Abraço :)

noname disse...

No fundo, eu sabia que, uma mulher empregada, com suporte materno e com a certeza de que é merecedora de ser amada, por ela mesma, não iria querer ligar-se ao Carlos. Assim deve ser a vida, com verdade, porque difícil já ela é para todos ou, pelo menos, para a maioria de nós.

A Elvira é mestra nestas voltas e reviravoltas, sem nunca fugir da coerência.

Abraço

Cidália Ferreira disse...

Mais um episódio que gostei!!

Beijo. Boa noite.

Meu Velho Baú disse...

Estou curiosa pelo final....
Até aqui valeu a honestidade e a amizade que irá perpetuar nas suas vidas
Beijinhos

Berço do Mundo disse...

As coisas estão a compor-se. A bebé ganha um padrinho dedicado e os dois ainda tem a oportunidade de ser felizes. Será que ele agora procura a Emília?

Rosemildo Sales Furtado disse...

Como previ no comentário anterior, o não da Luísa liberou o Carlos da promessa feita ao Julião, dando-lhe liberdade para amar quem quer que fosse. Continuo gostando e aguardando.

Embora um pouco atrasado aqui mando um beijo para todas as MÃES do mundo.

Abraços,

Furtado

Gaja Maria disse...

Sensata, sincera everdadeira. Gostei dela :)

Lucia Silva disse...

Graças a Deus ela foi sincera e tomou a decisão correta, mulher de fibra!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...