16.3.18

A TRAIÇÃO - PARTE XXII





Acabava o pequeno-almoço, quando a sogra e a irmã chegaram da missa.
- Bons-dias. Passaram bem a noite? – Perguntou Antónia, a mãe de João.
- Que pergunta mulher. Na idade deles só passam mal a noite se estão doentes, - disse a tia Margarida.  E acrescentou de seguida, - vou assar um pedaço de cabrito para o almoço. Vocês só vão depois de almoçar, não é verdade?
- Estávamos a pensar ir antes, tia. Vai estar um dia de calor infernal, é melhor irmos já. Almoçamos pelo caminho, e chegamos com tempo suficiente para descansar um pouco e ir visitar a minha sogra. A Odete está preocupada com a mãe, não é verdade querida?
Não pôde deixar de o olhar, desconcertada. Minutos antes, estava a propor-lhe uma manhã de praia, e agora estava com pressa de regressar?
- É verdade que estou preocupada. Me desculpem, mas a ideia de vir foi do João, eu teria preferido ficar junto dela, mas apesar disso acreditem que gostei muito de conhecer a cidade, e de estar convosco. E prometo-vos que voltarei noutra altura para ficar mais tempo, - disse sem olhar para o marido. Agora se me dão licença, vou arrumar as minhas coisas.
Já no quarto, procurou no armário, lençóis limpos para fazer a cama, levando os outros para a casa de banho, onde se encontrava o recetáculo para a roupa suja.
Depois colocou a maleta em cima da cama e começou a meter nela as suas coisas. Estava desesperada. Devia estar doida quando pensou que conseguia enfrentar o marido com indiferença. Que a raiva que sentia lhe daria forças. E ali estava, sem saber qual o jogo que o marido estava a jogar, e por causa da doença da mãe, completamente nas suas mãos.  E pensar que ela pensara, que ele era a sua alma gémea. Sobressaltou-se com o toque do telemóvel. Atendeu, e durante uns minutos falou com a irmã que lhe telefonava para saber como estava a mãe. Terminava a chamada quando João entrou no quarto. Desligou o telemóvel e guardou-o, sem dar nenhuma explicação ao marido que a olhava com um ar interrogativo. Ele que pensasse o que quisesse.
- Estás pronta?
- Para dançar ao toque da tua música? Sim meu senhor, e meu amo, - disse com ironia
Ele não respondeu. Limitou-se a pegar na maleta e a sair sem olhar para ver se o seguia.



Parece que a maioria já entendeu que a Inês foi a culpada da separação destes dois. Mas será que foi mesmo? Será que os complexos dos dois, a sua insegurança não foi a real culpada?
Que vos parece? Vai acabar bem ou vai acabar num divórcio? 



20 comentários:

noname disse...

Se bem me recordo, no início é dito que o Dr.João trabalha horas sem fim, deixando a esposa sozinha e chegando sempre cansado. Isto mais o bilhetinho da Inês, não deixa muita margem de discussão, digo eu cus nerbus :-)

m dia Elvira

✿ chica disse...

A cada capítulo, mas caramiolas na minha cabeça,rs...Mas estou adorando e vamos ver se esses dois tem jeito!!! bjs, chica

Janita disse...

Vai ser e será como quem dita o destino desses dois, quiser!! Cá por mim já estou por tudo!!
Claro que, se não houvesse por aí, uma boa dose de patetice e insegurança, há muito que a Dona Odete já teria posto as cartas na mesa e falado do bilhete da Inês. Mas, enfim, estórias não são História...

:)

Cá fica a aguardar o desfecho.

Abraço, e bom FDS

Manu disse...

Como sou optimista por natureza acho que tudo vai acabar bem.

Bom fim de semana

Abraço Elvira

Edumanes disse...

Sem antes ambos terem dialogado. Eu acho que a culpa é dos ciumes de Odete. Se é que não estou enganado?

Tenha uma boa tarde de sexta-feira amiga Elvira.
Um abraço.

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

Uma história bem contada que nos despertou interesse. Voltaremos para ler tudo.

Convidamos-vos a ler o capítulo V do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/03/voar-sem-asas-capitulo-v.html

Votos de bom fim-de-semana
Saudações literárias

Gaja Maria disse...

No final de contas acho que tudo vai acabar bem mas continuo a achar que ambos têm culpa do que aconteceu. Se pelo menos falassem do assunto...

Gil António disse...

Passando, lendo, acompanhando o desenrolar da ... Traição.
.
* Nosso Amor ... a alvura do Universo *
.
Votos de um dia feliz

Cidália Ferreira disse...

Gostaria que acabasse bem. Que esclarecessem tudo o que os perturba e depois ..... que fossem muito felizes.

Por outro lado, foram alguns anos fora. existe sempre a desconfiança, e isso, se calhar vai leva-los à rotura e ao divorcio. (normal)
Gosto mais de finais felizes! :)

Beijo. Bom fim de Semana

Os olhares da Gracinha! disse...

Provavelmente houve falta de diálogo e continua a não haver!!! bj

Portuguesinha disse...

Elvira, escrito por si e da forma como as personagens são, só pode acabar bem. Num êxtase amoroso de prazer intenso :D

Tem razão. Inês foi o veneno. Mas este só resulta se as duas pessoas forem imaturas e inseguras. João, inseguro devido à diferença de idades. Odete, insegura devido à diferença de «classe». Ele só podia querer alguém como ele, médica, enfermeira... E ela só podia olhar para moços mais jovens que ele.

Os dois sem partilharem estas inseguranças, guardando para si mesmos que se amam. Esta é a parte da responsabilidade que lhes cabe. Não que Inês fosse coisa pouca. Esse tipo de vilania que sente prazer em fazer o mal só porque sim (ela se calhar nem queria o João) mostra uma personalidade desprezível que abomino.

Um forte abraço e venham mais histórias :D

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Vou ficar a aguardar com interesse pelo desenlaço desta história.
Um abraço e bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Cantinho da Gaiata disse...

Acho que já estava na hora da Odete falar e esclarecer a sua fuga.
Bjs e bom fim de semana.

Ailime disse...

Tenho muita dificuldade em entender o João e a chantagem com Odete usando a doença da mãe para a cativar. Vamos ver se tudo vai dar certo.
Beijinhos,
Ailime

Lucia Silva disse...

Tem que acabar feliz para ambos, pois com suposta traição ou insegurança deles, o amor que os une é bem mais forte.
Beijos!

Meu Velho Baú disse...

Eu como sou uma romântica gostava que o casal se entendesse ....mas vou ler mais
Beijis

noname disse...

Dê o que der, as cartas têm que ser postas na mesa, cada um deverá dizer onde lhe dói, depois... bem, isso será com a Elvira :-))

aluap Al disse...

Eu preferia que acabasse em divórcio.
Odete merecia-o, já que não foi/é capaz de ser sincera com ele, mas por outro lado ele gosta dela, nunca a esqueceu e assim sendo vão acabar por não se divorciar.

redonda disse...

Isto não está a ir bem...parece-me que quem primeiro teve a culpa foi ela por não ter falado com ele, mas depois ele deveria ter ido logo atrás dela e aí deviam ter conservado!

redonda disse...

Devia acabar bem porque parece-me que ainda gostam um do outro...