17.3.18

A TRAIÇÃO - PARTE XXIV




Chegaram a casa a meio da tarde, depois de uma paragem na Nazaré onde almoçaram uma deliciosa caldeirada. Não trocaram mais do que meia dúzia de palavras, no resto da viagem. O agradável convívio da tarde e noite de sábado, por certo ficara lá em Aveiro, já que agora se estudavam como dois antagonistas. Odete não conseguia perceber como João fora capaz de a trair. Como fora capaz de abraçar Inês, de se deitar com ela, depois de tudo o que tinham vivido em conjunto. E ficava furiosa consigo, por continuar a sentir-se atraída por ele, e por ter a certeza de que apesar do doloroso espinho que trazia no coração, o marido continuava a ser rei e senhor dentro dele. Tinha absoluta consciência de que teria sido sua, se ele o tivesse tentado na noite anterior. E essa consciência, deixava-a furiosa. Que tipo de mulher era ela afinal? Onde estava a sua dignidade?
Por seu lado, João sentia-se impotente, perante a indiferença da mulher. Não conseguia compreender como ela fora capaz de o abandonar, quando ele se entregou de corpo e alma a ela e ao amor que os unia. Tal como um condenado, conta os dias que faltam para a sua libertação, ele contou um a um todos os que passaram desde que ela se fora. Noite após noite, na solidão do seu leito, contabilizou, mais um dia que acabava sem saber dela. E foram muitos. Mil trezentos e  oitenta e sete dias exatos. Em tempos, pensou contratar um detetive. Desistiu, por pensar que seria indigno violar a privacidade da esposa.
- Finalmente em casa. Sei que deves estar ansiosa por ir ver a tua mãe, mas aconselho-te a tomares um banho e descansares um pouco. Está demasiado calor. Será melhor até para ela que descanse nestas horas de maior calor. O ideal será ires depois da hora do lanche. E eu acompanho-te.
Sentiu de novo vontade de o provocar.
- Porquê? Acaso pensas que me acoberto nas visitas à minha mãe para me encontrar com alguém?
Contraiu-se a expressão masculina. Cerrou os punhos e meteu as mãos nos bolsos das calças, para não ceder à tentação de lhe agarrar num braço e o apertar, como fizera no carro.
-Estás a ser perversa, e não te conhecia essa faceta,- disse com raiva. – Sempre tive um certo carinho pelos teus pais, e penso que dei sobejas provas disso. É natural que me preocupe com a tua mãe e queira ver como está.
- Desculpa. A gravidade da sua doença, e a minha vida atual, afetaram o meu discernimento.
Ele não respondeu. Virou-lhe as costas e dirigiu-se ao escritório. À entrada, voltou-se e disse quase sem expressão.
-No nosso quarto, estão todas as tuas coisas, roupas, calçado, tudo o que tinhas quando partiste.  Fisicamente não mudaste muito, por isso se precisares vai até lá e serve-te. Vou ficar por aqui uma meia hora, - disse fechando a porta atrás de si.
Ficou perplexa. Que homem guarda durante anos as coisas da sua esposa, depois de a ter traído?





18 comentários:

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Elvira minha querida, atravessei oceanos e vim experimentar das suas delícias! Está valendo a pena! Obrigada por compartilhar. Tenha um fim de semana abençoado e feliz. Abraços

Rui disse...

:(( Ambos "torrões" com ideias erradas bem fixas de que não são capazes de se libertar ! :(
Impõe-se a tal conversa aberta ! :)

Abraço

Fatyly disse...

Li agora os episódios a seguir e isto ainda está para durar:))

Já tinha comentado que ele vai dar-lhe o divórcio, a casa, o carro e as jóias porque acho que ela apesar de gostar dele, não deveria voltar por haver fissuras graves como ter acreditado na tal Inês - a manipuladora...o que muitas mulheres ainda hoje fazem e depois...e depois...é o que se sabe, porque o assunto deveria ter sido esclarecido com ele há 4 anos atrás e nunca irem na onda do diz-que-disse-mas-não-disse, porque nesta novela a verdadeira culpada é a própria Odete!

No entanto posso estar enganada, não sei!

Beijocas

Jorge Sader Filho disse...

Isso! Que homem tomaria esta atitude, minha cara?
O grande abraço brasileiro, que ainda existe, à colega de Portugal, uma outra gentil pátria para nós.
Forte abraço!

Larissa Santos disse...

Ai que nervos :))


Hoje:- A Chuva lava-me a alma.

Bjos
Votos de um Sábado Feliz.

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

A trama bastante interessante e a prender-nos.

Votos de um bom resto de fim-de-semana
Saudações literárias

noname disse...

Grande embrulhada que aqui vai, todos dão tiros mas caça é que nada eheheheh

Boa tarde Elvira

Cidália Ferreira disse...

Isto está aqui um nó muito difícil de desatar!! Loool


Especial : Desfolhando e recordando, pedaços de mim {POETIZANDO...}

Beijos. Bom fim de semana.

Os olhares da Gracinha! disse...

Se guardou os pertences ... ela vai mudar de atitude ... digo eu!bj

maria madeira disse...

Eu, a esta história, admito, que tenho perdido algumas partes, portanto preciso de me actualizar. Amanhã, domingo, parece-me uma boa ideia. Chuva e leitura são uma bela companhia.

Um bom fim-de-semana, Elvira.

Ailime disse...

Numa fase destas e tão exasperados um com o outro.
Eu no lugar da Odete já tinha dito de minha justiça;))!
Vou continuar a seguir com muito interesse.
A Elvira tem o dom de saber cativar a atenção do leitor.
Tenha uma boa noite e um bom domingo.
Beijinhos,
Ailime

Edumanes disse...

Se é que continuam apaixonados um pelo outro. Para que serve toda essa perde tempo. Ou sim ou sopas. Odete deve esquecer a traição se é que ela existiu. Se o não for capaz de fazer. O melhor será cada um seguir o seu destino!

Tenha uma boa noite e um bom fim de semana amiga Elvira.
Um abraço.

Kique disse...

Hummm isto está cada vez mais interessante
Bjs
https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt/

✿ chica disse...

Vamos ver até onde vai essa desconfiança e teimosia dos dois.Nenhum quer dar o braço a torcer! bjs, chica

Lucia Silva disse...

Haja teimosia, entre eles, nenhum quer demonstrar o que sente nem dá o primeiro passo para um esclarecimento e, consequentemente, uma reconciliação.
Beijos!

Portuguesinha disse...

A Elvira escreve muito bem.
Essa da Odete ter dito a João se ele temia que ela se aproveitasse das visitas a mãe para se encontrar com outro, depois dele lhe dizer que ia com ela visitar a mãe, é de mestre.

Claro que, depois de tudo o que ele fez, e do tal sms que ela recebeu no telemóvel que o deixou doido, faz sentido que ambos reajam como estão a reagir.

E o gato começa a sair do saco :)

Meu Velho Baú disse...

Estou curiosa ao que vai acontecer a este casal....que dificilmente se entendem :((
Beijo

redonda disse...

Será que realmente gostam um do outro? Porque não se conhecem ao acreditarem em algo tão errado um do outro, durante tanto tempo