3.1.16

AMANHECER TARDIO - PARTE XVIII


                                          Foto do google


Aproximou-se e beijou-os.
- Boa tarde. Como estão? Compraram as flores para a Marta?
- Calma - respondeu Amélia. Comprámos as flores e estamos óptimos. A ti nem vale a pena perguntar. Que "bronze"! Menina estás maravilhosa. Não é verdade, amor?
- Claro que é. Não acredito que tenhas voltado sem namorado. Será que os homens em Lagos andam todos cegos?
- Então, parem com isso. Vou ficar envergonhada.
Risada geral. Amélia e Afonso faziam um belo par. Conheceram-se três anos antes e não tardou muito a perceberem que se amavam. Daí até irem viver juntos foi um piscar de olhos. Nem um nem outro fez questão do casamento.
“Não é por assinar papéis que me sinto mais casada ou mais feliz” costumava dizer Amélia. E acrescentava “Há quem tenha namorado, e quem tenha marido. Eu tenho um namorido que é muito mais original”
- Vais connosco, -  disse Amélia. Já conduziste que chegue hoje.
Afonso abriu a porta traseira e fazendo uma vénia exagerada disse:
- Queira vossa alteza entrar.
Riram de novo. Já no carro Amélia disse:
- De verdade que passaste as férias sozinha? Casa e praia? Nem uma ida a um bar, nem um jantar com amigos?
- Que amigos Amélia? Eu nunca tinha ido a Lagos. E não fui para férias à procura de diversão. Fui descansar. E tu sabes que não sou entusiasta de bares e discotecas. 
- Claro irmã; - riu Afonso. Enganou-se no itinerário. Não devia ir para a praia mas para um convento.
A chegada à casa de Paulo impediu Isabel de responder.
Paulo veio recebê-los mal tocaram a campainha. Era um homem de quase 50 anos estatura média. Era completamente calvo, mas isso não lhe trazia nenhuma espécie de complexo. Depois dos cumprimentos disse:
- Entrem, a Marta está a acabar de se arranjar e a Maria está na sala. Tomaremos uma bebida enquanto aguardamos.
Os três seguiram-no e entraram na sala. A jovem, que, estava sentada num dos dois sofás, levantou-se e veio até eles. Era muito bonita.
- Que bom que vieram – disse beijando-os. Agarrou nas flores e acrescentou saindo da sala:
-Vou ter saudades vossas. Volto já. Vou pô-las em água




14 comentários:

Isa Sá disse...

Cá estou a acompanhar a história. Bom domingo!

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Edumanes disse...

A vida continuou,
Isabel bronzeada
os amigos beijou
todos à chegada!

Amélia comentou,
será que os homens em Lagos
andam todos cegos, frisou
se calhar haviam segredos guardados?

No coraçãozinho de Isabel,
ainda não revelados
doces como favos de mel
seriam os beijos desejados!

Boa tarde de domingo e continuação de bom Ano Novo, para si e sua família, amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Laura Santos disse...

Será que vai acontecer algo durante o jantar...?...
xx

Anete disse...

O conto continua cheio de suspense... Vamos adiante com a Isabel... Passo a passo e novidades vêm por aí...
Beijos

Rogerio G. V. Pereira disse...

(te sigo)

Ana S. disse...

Um namorido é sempre uma boa solução. Em caso de separação, dá menos chatices. sim, porque o amor é lindo mas às vezes não dá certo a longo prazo!
Bom ano Elvira

Elisa Bernardo disse...

Continuando a acompanhar sempre :) adoro :)
Beijinhos
elisaumarapariganormal.blogspot.com

LopesCa Blog disse...

A seguir a história :)
Jinhos e abraços
Blog LopesCaFacebook 

Pedro Coimbra disse...

Continuando a acompanhar num novo ano.
Boa semana!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei e estou a acompanhar e aproveito para desejar um bom 2016.
Um abraço.

Blog da Gigi disse...

Ótima semana!!!!!!!!!! Beijos

Andre Mansim disse...

Esse capítulo é uma transição para algum acontecimento. Vamos ver...

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Hum! Estou gostando muito querida Elvira, vamos ver o que está para acontecer, não é?
Um abraço.

Portuguesinha disse...

O Paulo nao tinha 50 ou andava perto dos 50? Com 45 ainda falta metade para os 50, ainda está perto dos 40, rsss.