23.1.16

AMANHECER TARDIO XXXVIII




foto do google

O jantar decorreu animado. O coração foi-se aquietando, e aos poucos Isabel foi-se soltando e a conversa decorreu com  naturalidade. Descobriram que tinham muitos gostos em comum. Nos filmes, na literatura, nos pratos. A certa altura ele propôs:
- Vamos tratar-nos por tu? Parece estranho continuar com o você…
- Que até já nem se usa, - disse ela rindo.
- Agora tenho que ir, - disse Isabel algum tempo depois do jantar.
- Não me ofereço para te levar, porque não tenho carro. Como já te disse estou na cidade há pouco tempo e ainda não comprei.
- Eu estou com carro. Queres que te deixe nalgum lado?
- Não. Vou caminhar um pouco. Dás o teu número de telefone?
Ela abriu a mala e tirou um cartão, da firma.
- Fax e  telefone são da firma, mas o telemóvel é o meu número.
-Não tenho comigo nenhum cartão, - disse ele. Tens onde escrever?
Ela retirou uma pequena agenda da mala, e anotou o número que ele lhe ditou.
- Agora tenho mesmo de ir, - disse estendendo-lhe a mão.
Ele segurou-a, e olhos nos olhos, puxou-a para si. Abraçou-a.
Isabel sentiu as pernas a tremer. Tanto que receou não se segurar de pé. 
Sentindo o beijo eminente,baixou a cabeça, fazendo com que os lábios masculinos apenas roçassem a sua testa, enquanto o seu intimo se revoltava, amaldiçoando-a pela falta de coragem.
O homem sentiu-lhe o corpo tremente. Percebeu-lhe a emoção. Se fosse mais jovem, teria -lhe-ia levantado o queixo e forçado o beijo. Mas Luís tinha quarenta e cinco anos, e nessa idade, um homem já não se preocupa tanto com a satisfação imediata dos seus desejos. Preocupa-se mais com as emoções da alma. Ele sabe que o resto vem por acréscimo. Soltou-a.
Ela entrou rápida no carro e arrancou. Ele ficou ali largos minutos fazendo dançar o cartão entre os dedos. Depois iniciou o caminho de regresso à sua nova casa pensando completamente desconcertado.
"Que raio de sentimento é este que me inibe, e ao mesmo tempo me deixa ansioso como um adolescente?"
Em casa Isabel revivia os acontecimentos dessa noite e chegava à conclusão que tinha falado imenso de si, da sua vida pessoal e profissional, enquanto Luís se limitara a ouvir e pouco falara sobre ele.
De uma coisa ela tinha a certeza. Estava irremediavelmente apaixonada por aquele homem. Como nunca estivera em toda a sua vida. Já não era uma menina. A vida é como brisa de verão em fim de tarde. Passa rápida e poucos dão por ela. Um dia destes acordava e a brisa tinha virado vento de inverno, derrubando-a como folha morta. Estava decidida. Se houvesse uma hipótese de ganhar o amor de Luís, ela lutaria por ele.

                                               


13 comentários:

Tintinaine disse...

Hoje fui o primeiro a chegar!
Vai de vento em popa a história da Isabel!
Bom fim de semana!

São disse...

Temos de lutar por aquilo que queremos.

Amiga, o domingo de que deixou recado é amanhã?

Agradeço que me dê os pormenores, sim?

Beijinho e bom sábado

Isa Sá disse...

Acompanhando a história!

Isabel Sá!
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Edumanes disse...

Antes da folha caída,
seca, da árvore no chão
Isabel, parece estar decidida
para ser feliz com amor na vida
fazer a vontade ao coração!

Tenha um bom fim de semana amiga Elvira, um abraço.
Eduardo.

Magia da Inês disse...

✿゚ه° ·.
Olá, amiga!
Cada vez gosto mais desse enredo!
Como você escreve bem!

Muita paz e tudo de bom!
Bom fim de semana!
Beijinhos.
❀✿゚ه

Portugalredecouvertes disse...

Olá Elvira,
tenho visto o seu nome nalguns blogues amigos, hoje passei por cá:)
escreve muito bem!

desejo um bom fim de semana
Angela

Elisa Bernardo disse...

Hoje também apareci mais cedo para me pôr a par e acompanhar..:)
Um grande beijinho
elisaumarapariganormal.blogspot.com

Rogerio G. V. Pereira disse...

Brisa que vira vento?

Gosto!
Gosto de tudo o que não seja morno...

Crocheteando...momentos! disse...

E lutar por um amor é sempre emocionante! Gostei...bj

Crocheteando...momentos! disse...

E lutar por um amor é sempre emocionante! Gostei...bj

Blog da Gigi disse...

Abençoado domingo!!!!!!!!!! Beijos

José Carlos disse...

Uau!
Até que enfim a Isabel, se entregou aos sentimentos.
curiosa.
Um abraço.

Portuguesinha disse...

Continua bem escrito, credível e interessante.