22.1.16

AMANHECER TARDIO - PARTE XXXVII



Perturbada, Isabel levou alguns segundos para reagir. Algo dentro dela lhe dizia que não podia, nem devia fugir.
- Boa tarde Luís. Não esperava encontrá-lo aqui.
“Caramba não te ocorre nada mais original?”- pensou sem saber se devia ou não estender-lhe a mão.
Ele sorriu. Um sorriso que iluminava o seu rosto dando-lhe um ar mais jovial.
- Com os encontros que a vida nos tem proporcionado, eu já não me admiro se a encontrar à mesa do pequeno-almoço.
A alusão era inconveniente,  pensou Isabel corando.
- Desculpe Luís, preciso comprar umas coisas para o jantar. Outro dia falamos, -disse tentando sair dali o mais depressa possível.
- Não precisa, - disse rápido. Vai jantar comigo. E não me diga que não, será um jantar de amigos, aqui mesmo num destes restaurantes.
- Não pode ser. Mal nos conhecemos…
- Então? Mais uma razão. Vamos conhecer-nos agora.
 Baixou a cabeça e murmurou quase ao seu ouvido.
- Não tenha medo. Não sou nenhum lobo mau. E depois estamos num lugar público, cheio de gente.
Hesitou. No fundo Isabel desejava aceitar. Mas por outro lado aquele homem mexia demasiado com ela, e isso dava-lhe medo.
Luís era um homem experiente. Por isso não lhe passou ao lado, a  hesitação de Isabel. Suavemente pousou a sua mão no ombro dela.
- Venha. Prometo que a deixo seguir em paz, mal termine o jantar.
Sentir o calor da mão masculina na sua pele quase fazia Isabel perder o controlo. Afastou-se rapidamente.
- Sendo assim vamos lá jantar.
Ele colocou-se a seu lado mas não voltou a tocar-lhe. Percebera perfeitamente a reacção dela e de novo se mostrava perplexo.
Porque é que aquela mulher era tão diferente de todas as que conhecera até ali? Lembrou-se de uma conversa que tivera com a mãe, nos tempos em que ela tentava a todo o custo, convencê-lo de que devia casar. A mãe dizia-lhe, que ele não podia tratar todas as mulheres da mesma maneira. 
Havia milhares de mulheres abnegadas e amorosas, incapazes de qualquer espécie de traição. Claro que ele soltara uma gargalhada de incredulidade. 

13 comentários:

António Querido disse...

É claro que com a nossa experiência de vida, sabemos que todas as mulheres são diferentes, na mente, no coração, nas atitudes! Embora haja jovens masculinos que medem o carácter da mulher pela aparência e é aí que por vezes escorregam e dói!
Da Figueira com o meu abraço.

Crocheteando...momentos! disse...

O romance paira no ar e wuanto aos queques de camarão... Experimente colocando um ingrediente que seja do seu agrado...bj

Crocheteando...momentos! disse...

O romance paira no ar e wuanto aos queques de camarão... Experimente colocando um ingrediente que seja do seu agrado...bj

Crocheteando...momentos! disse...

O romance paira no ar e quanto aos queques de camarão... Experimente colocando um ingrediente que seja do seu agrado...bj

Anete disse...

O romance está no ar, começando naturalmente...
Um bom fim de semana.,,
Bjs

Edumanes disse...

Já estão no mesmo caminho, agora é só acertarem o passo. Vontade não lhes falta penso eu. Portanto, do que estarão eles à espera? O tempo passa a correr
e o que no presente não se aproveita. No futuro não se recupera!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Ana S. disse...

Não há duas mulheres iguais como não há dois homens. É difícil achar a pessoa certa mas não é impossível. O medo do que poderá acontecer é normal. Afinal, entrar no território das emoções requer muita perícia.
Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Aso sentidos de quem ama
é sempre diferente das outras
a mulher amada

se não fosse assim
nenhum homem casava

Bea Simpson disse...

Custoume un pouco voltar a dar coa súa historia pero, esta vez, lina dende o comezo e fico embelesada das suas dotes de escritora e agardo con impacencia o seu prossimo post. Parabéms, Elvira!!!!

lourdes disse...

Costuma dizer o povo que "guardado está o bocado para quem o há-de comer" e pelos vistos a Isabel estava guardada para o Luis e vice versa.
Agora é só "acertarem as agulhas" os dois.
Bjs

Odete Ferreira disse...

Muito aconteceu na minha breve ausência!
Parabéns pela condução da narrativa.
Bjo :)

Elisa Bernardo disse...

Sempre por aqui...sabe que adoro ler as suas palavras, a sua história. É o meu momento relax sem pensar em mais nada a não ser na história que nos vai narrando.
Muitos beijinhos para si querida Elvira.
elisaumarapariganormal.blogspot.com

José Carlos disse...

Romance no ar.
Estou gostando muito cara amiga, beijos.