15.1.16

AMANHECER TARDIO - PARTE XXX

foto do google


Luís era um jovem de dezoito anos, e estava loucamente apaixonado por Odete. Eram vizinhos de bairro e conheciam-se desde meninos. Quando  tinha treze anos, tomara coragem e pedira-lhe namoro. Odete, dois anos mais velha, e já uma mulherzinha aceitou. Ele ficara todo orgulhoso. E contara aos pais. O pai esboçara um sorriso e não dissera nada. O pior foi a mãe. Primeiro não gostava da gaiata, que achava pretensiosa. Depois, ele era ainda um menino tinha que se dedicar aos estudos. Claro que ele tinha ficado irritado com a opinião da mãe. Na verdade aos treze anos, Luís nada tinha de bonito. Era demasiado alto, e muito magro. A única coisa interessante nele, eram os seus olhos cinzentos que às vezes mais pareciam de prata e que se destacavam no rosto muito moreno. E Odete era a jovem mais bonita do bairro. Mais do que amor, Luís sentia um grande orgulho por ela ter aceitado namorar consigo. Tinha a certeza que era o rapaz mais invejado de todo o bairro.
Aborrecido pelo implicância da mãe, decidiu mostrar-lhe que o namoro não o impediria de ser bom aluno e sempre passou com excelentes notas.
Acabado o liceu era necessário escolher a carreira, mas na altura ele não se sentia vocacionado para nada, e escolheu Direito como podia ter escolhido qualquer outra coisa. Tinha dezoito anos, e continuava demasiado alto e magro. E cada dia mais apaixonado. Com vinte anos, Odete era agora uma linda mulher, que gostava demais dos galanteios de outros homens que não o namorado. Toda a gente no bairro via isso excepto Luís. Abandonara a escola há muito, antes mesmo de completar o nono ano, e sem emprego, passeava-se na rua sem outro motivo que não fosse exibir a sua beleza e provocar a libido masculina.  A mãe de Luís, bem que tentava abrir os olhos do filho, dizendo-lhe que Odete não era mulher para ele, mas Luís, qual D. Quixote, sempre defendia a namorada, dizendo que a mãe não precisava ter ciúmes, o amor que sentia por Odete, em nada beliscava o que sentia por ela. Se a jovem não queria estudar, que mal havia nisso?  Afinal a vontade que ele tinha de estudar também não era grande, mas a mãe voltava à carga, pois o namoro já se prolongava demais. Intuições de mãe, - respondia quando o filho lhe perguntava, o que ela tinha contra a sua namorada. Estavam as coisas neste pé quando um dia ao chegar a casa da namorada não a encontrou, e a mãe dela, lhe contou a chorar, que a filha tinha fugido com o sobrinho do Henrique do talho, ela nem sabia para onde, pois não o dizia na carta de despedida que lhe deixara .
Sentiu que o seu mundo ruía e teve vontade de morrer. 
Luís havia  completado dezanove anos, na semana anterior. Aos dezanove anos, um homem ainda tem uma visão muito romântica da vida. E afinal ele crescera a amar Odete e namoravam há mais de cinco anos. Fechou-se no quarto e chorou de frustração e raiva. E jurou a si mesmo que nunca mais ia confiar em mulher alguma. Nesse dia morreu Luís  e nasceu o Nuno. Estava no primeiro ano e como continuava sem grande interesse pelo curso, resolveu mudar. Optou por Literatura e Línguas. Aos 25 anos ingressou na Marinha já com o Curso terminado.


15 comentários:

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Interessante, está ficando cada vez melhor, um abraço.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Interessante, está ficando cada vez melhor, um abraço.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde a vida é assim mesmo, mesmo no que mais confiamos o inesperado acontece, todos vivemos sujeitos ao inesperado e nada se pode dar como certo.
AG

Edumanes disse...

Afinal ele tinha motivos para não confiar nas mulheres! Por a mulher, por quem ele estava apaixonado o ter traído com outro homem. Mulheres há muitas mas era aquela que ele amava. A mãe dele tinha razão!

Tenha um bom fim de semana amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Anete disse...

Olá Elvira, capítulos muito bons do conto que se torna mais e mais empolgante.
Um romance muito bonito começará a qualquer momento... Aliás, já iniciou! Isabel e Luís formarão um bonito par! O passado dos dois dará uma linda guinada! (?)
Bom final de semana. Abraço

Crocheteando...momentos! disse...

Um belo conto real e interessante!
Quanto aos moinhos dr Palmela...ainda não conheço!
Bj

Crocheteando...momentos! disse...

Um belo conto real e interessante!
Quanto aos moinhos dr Palmela...ainda não conheço!
Bj

Elisa Bernardo disse...

Bom fim de semana Elvira . Ca espero a continuação da história :) beijinhos
elisaumarapariganormal.blogspot.com

Jaime Portela disse...

Nem sempre, mas muitas vezes vale a pena ouvir e ter em conta as opiniões das mães...
Uma narrativa excelente, como há muito estou habituado a ler por aqui.
Elvira, minha amiga, tenha um bom fim de semana.
Abraço.

Mariangela do Lago Vieira disse...

As mães sempre enxergam lá na frente.
Homens e mulheres de má índole existem...
Basta-nos o discernimento.
Não se deve perder a fé!
Ótimo Elvira.
Abraços!
Mariangela

aluap Al disse...

Nunca se deve dizer nunca!
Mas desde sempre foi assim, lembro-me que nas aldeias quando sobressaía uma moça mais prendada com a beleza, logo era disputada pelos homens e invejada pelas outras, inclusive pela "sogra". Com o tempo o Luís aprendeu que beleza exterior não é tudo e agora talvez preferida encontrar numa mulher outras qualidades, modéstia, carácter, bondade...
Beijinhos/Bom fs.

paideleo disse...

A esa altura da vida os amores son mui sentidos e poden rematar mal.
A ver como segue a historia.
En canto ao blogomillo é o grupo de blogues que teñen en común seren escritos todos en galego anque varíe a temática. Polo 2006- 2007 estaban no millor momento pero agora co iso das redes sociais e a expansión dos móbiles foron a menos e por iso queren ter unha listaxe actualizada deses blogues.

Janita disse...

Após trinta episódios passados a história continua sem fim à vista mas sempre com novos acontecimentos a despertar a curiosidade do leitor e aguçar o interesse pelos próximos.
Desgostos de amor acontecem em qualquer idade, mas os da juventude, quando se acredita no amor eterno, doem muito mais.
Voltarei, com prazer!!
Um abraço e tudo de bom, Elvira!
Janita

Gaja Maria disse...

Agora compreendo a atitude de Luis/Nuno para com as mulheres :)

Ana Freire disse...

Cada vez mais interessante, esta história, que nos dá a conhecer profundamente esta nova personagem... e prosseguindo a leitura...
bj