2.1.17

UMA HISTÓRIA DE AMOR - PARTE II







Foi direta à sala, onde sabia que encontraria a mãe a ler. Era o seu lugar favorito. Sentou-se a seu lado. Francisca fechou o livro e olhou para ela na expectativa. Não fez perguntas, e Ana teve a certeza de que a mãe sabia o que lhe ia dizer. A mãe sempre sabia o que se passava com ela:
- Mãe, já não vai haver noivado, muito menos casamento. Acabei tudo com o Paulo.
Se esperava que a mãe dissesse alguma coisa, enganou-se. Francisca levantou a mão, acariciou o rosto da filha, e esperou.
-Eu queria, mãe. Começo a desejar estabilizar a minha vida emocional. Ter a minha casa, marido, filhos. Pensei que com o Paulo, isso ia acontecer. Mas não é assim. Na intimidade, a chama não se acendeu, senti-me estranha nos seus braços. E não quero um casamento assim. Não me basta ter um homem apaixonado ao meu lado. Eu quero alguém a quem eu ame com intensidade.
A mãe abraçou-a como fazia quando ela era criança. Ana deitou  a cabeça no seu regaço, e deu largas à sua desilusão, deixando correr as lágrimas. Francisca sentiu um nó na garganta. Apesar dos anos, tinha bem presente o que fora o seu casamento com Jorge. Sabia bem o que era rolar na cama, depois de ter feito amor, pensando que devia estar feliz, mas sentindo apenas que cumprira uma obrigação, que a envergonhava e lhe deixava um aperto no peito que não a deixava adormecer. De forma nenhuma queria isso para a sua menina. Dos seus filhos, Ana era aquela que mais se identificava com ela. A mais sensível. Sentindo que se acalmara, afastou-a um pouco e olhou-a com ternura.
- Se assim é, fizeste bem, Ana. Um casamento é uma coisa muito séria. Bem sei que na atualidade, o divórcio está na ordem do dia. Mas acarreta sofrimento. Deixa cicatrizes. Já contaste ao pai?
- Eu sabia que me ias entender. No fundo, o que eu queria, era um casamento como o vosso. Essa felicidade que transportam no olhar, esse amor visível em cada gesto. Foi sempre assim, ou isso aprende-se com o tempo?
Francisca sorriu: Continuava a ser uma linda mulher apesar de já ter ultrapassado os cinquenta anos.
-No amor, nada se aprende Ana. Ele é espontâneo e avassalador. O tempo não lhe acrescenta, nem tira nada. Somos nós, com as nossas atitudes que o engrandecemos ou o matamos. Compara-o a uma fogueira. Quando começa, as labaredas são altas, o calor intenso. Mas se não fazes nada, à medida que a lenha vai ardendo, as labaredas vão diminuindo de tamanho, o calor vai enfraquecendo até que da fogueira inicial só restam cinzas.
- E é impossível uma fogueira arder só de um lado, - murmurou a jovem desalentada. Para depois acrescentar.
-Contei ao pai, e ficou furioso. Tenho a sensação de que sentia vontade de me bater.
- Está preocupado contigo. É natural. Não te preocupes. No fundo o que nós queremos é que sejas feliz. Estás com muito trabalho? Devias pedir-lhe que te desse umas férias. Precisas espairecer. Porque não fazes uma viagem?
- Agora? E a vossa festa de aniversário?
- Faltam cinco dias. Podias, aproveitar para pôr em ordem algum assunto que tenhas pendente e partir depois da festa.
-Não tinha pensado nisso, Obrigado mãe, fazes com que os meus grandes problemas se tornem menores e menos dolorosos.
Francisca sorriu quando a jovem se inclinou para a beijar murmurando:
-És um anjo.



18 comentários:

Tintinaine disse...

Sentimentos profundos e partilhados entre mãe e filha. Como eu gosto. A história promete.

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar as histórias e desejar um excelente 2017!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Rui Espírito Santo disse...

Quase sempre, há mais compreensão e abertura entre mãe e filha do que entre pai e filha ! ... Isso parece-me absolutamente natural ! :)
Aguardemos pelo desenrolar dos acontecimentos ! :))

© Piedade Araújo Sol disse...

a mãe...um porto seguro

gosto....

aguardemos ...

beijo

:)

São disse...

Se todas as mães apoiassem as filhas, que bom seria!


Beijinhos, amiga, bom 2017

Prata da casa disse...

Bonita cumplicidade entre mãe e filha.
Bjn
Márcia

O meu pensamento viaja disse...

Dá gosto ver essa cumplicidade entre mãe e filha!
Beijo

aluap Al disse...

A impressão com que fiquei é que podia haver por parte dos pais uma certa pressão para o casamento. Ainda bem que a mãe é compreensiva e pensa diferente do marido.
É sempre um prazer ler os seus contos.
Boa noite*

Elisa Bernardo disse...

Gosto mesmo muito de a ler. Um grande beijinho e um Bom Ano querida Elvira.

Pedro Coimbra disse...

Começo a acompanhar agora.
Bom Ano de 2017!

Socorro Melo disse...


É muito bom quando a mãe é também uma amiga e confidente. Sorte pra Ana!


:)

Socorro Melo

Os olhares da Gracinha! disse...

O apoio de mãe é essencial em muitos momentos...bj

Edumanes disse...

Na intimidade a chama não se acendeu,
por isso na escuridão não há claridade
quando chegou a noite o sol adormeceu
sem saúde e sem amor não há felicidade!

Um abraço amiga Elvira.

Leonor disse...

É bom Ana poder contarcom o apoio da mãe!

lua singular disse...

Oi Elvira,
Casamento sem amor e paixão vira amizade, se ela fosse velha, mas nova é inadmissível ficar juntos por causa do pai...
Amanhã volto, não quero m e atrasar muito.
Beijos
Lua Singular

Emília Pinto disse...

Mais um lindo conto que estou a acompanhar com interesse como sempre. Sempre houve uma abertura entre mim e a minha mãe e com a minha filha é igual . Acho muito importante isso. Beijinhos, Elvira e um bom fim de semana
Emilia

Jack Hazut disse...

hi my name is jack hazut my web sit is wwwisraelimage.net you have been using my photo without my permission please contact me jackhazut@yahoo.com

Jack Hazut
Photos from Israel and the world


www.israelimage.net
www.facebook.com/jack.hazut

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida Elvira!
Mãe é mãe e, no conto, vc faz isso ficar bem claro!
Bjm muito fraterno