28.1.17

UMA NOITE DE INVERNO - PARTE VI






No início do tratamento, Alzira passou mal. Tinha tonturas, náuseas e até vómitos. Mas o médico tinha avisado que seriam efeitos passageiros e assim foi, já que duraram apenas dez dias.
 O pior é que as melhoras não apareciam e a maldita doença parecia continuar a agravar-se. Ela, já não era a mesma mulher de antes. Os seus olhos tinham perdido o brilho, o corpo ganhou peso, a conversa cessou quase por completo, os movimentos perdiam coordenação. A compaixão que Luís sentia pela esposa, ia substituindo cada vez mais o amor de outrora.
Voltaram ao neurologista, que resolveu combinar com o inibidor de colinesterase a Memantina.
Explicou que a memantina tem como alvo o glutamato, que é um neurotransmissor. Os neurotransmissores ajudam a transmitir as mensagens de uma célula cerebral para a célula seguinte. Cada célula nervosa tem um conjunto específico de receptores, que são responsáveis por receberem o glutamato proveniente da célula vizinha. O glutamato está presente em concentrações mais elevadas nas pessoas que têm Doença de Alzheimer. Quando o glutamato está presente em concentrações elevadas liga-se aos receptores permitindo a entrada excessiva de cálcio nas células cerebrais, o que vai provocar danos nestas. A memantina liga-se aos mesmos receptores, bloqueando o glutamato, o que vai impedir a entrada em demasia de cálcio nas células cerebrais"
Mas também este medicamento era um paliativo, pois não havia qualquer certeza de que pudesse melhorar a situação de Alzira. E a verdade é que não melhorou. Ainda assim na consulta seguinte, o médico disse-lhe que tinha que continuar a fazer o tratamento. Não havia mais nada a fazer, para melhorar, mas o tratamento poderia evitar um sofrimento maior.
E tinham-se passado sete anos desde os primeiros sintomas. Agora ela está totalmente perdida num mundo onde o marido não consegue chegar. Não faz nada sozinha, desde a higiene à alimentação, é ele quem tudo lhe faz. 


Nota:
 Eu sei que esta história é dura. Que mexe convosco. Porque alguns conhecem alguém que é portador da doença, e outros tememos vir a tê-la.  Acredito que seja atualmente a doença mais temida pela humanidade. Esta história é totalmente fictícia. Foi inspirada numa notícia que ouvi onde se dava conta de que a doença aumentava em todo o mundo.
Peço-vos que não deixeis de ler o final. Talvez se surpreendam e descubram que as histórias de amor não deixam de o ser, mesmo quando a vida nos é madrasta.





16 comentários:

✿ chica disse...

Triste mesmo essa doença e tu nos leva, nessa leitura , com tua riqueza de detalhes, bem pertinho do casal. Curio0sa pelo final! beijos, tudo de bom,chica

Tintinaine disse...

Embora pareça que não, tenho passado por aqui todos os dias e vou acompanhando a história que me faz lembrar as mulheres da minha família. A minha bisavó deve ter dado boas dores de cabeça à sua mãe e minha avó. Não a cheguei a conhecer, pois morreu meia dúzia de anos antes de eu nascer.
No caso da minha mãe, como ela já estava acamada e completamente dependente, quando a doença atacou em força, eu até lhe achava uma certa graça. Ela não conhecia ninguém e só tinha memórias dos seus primeiros 15 anos de vida. Eu entretinha-me a puxar por ela e com os poucos dados que possuía conseguia guiá-la por conversas que faziam algum sentido. E isso agradava-lhe e ajudava a "matar" o tempo.
Acho que posso afirmar que ela não sofreu muito.

Rui disse...

Terrível, Elvira !
... e descrita como se por uma profissional da medicina !!!

Uma doença horrível e curiosamente muitas vezes confundida com a "demência da idade" !
Tenho na família alguém com sintomas do género, mas em que os médicos ainda estão duvidosos se será uma coisa ou princípios de outra !
Creio que têm rapidez de evolução distintas ! (?)

Abraço

António Querido disse...

Come a sopa, Alzira come a sopa! É uma chatice quando a idade começa a pesar e quando acompanhada por doenças graves, o melhor é encomendar o serviço ao cangalheiro.
Sem cangalheiro lá vai o meu abraço.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Muito triste querida Elvira, conheço uma senhora que está no começo e quando a vejo,geralmente não me reconhece, ma pergunta de mim quando estou longe. Tudo muito triste.
Um abraço querida amiga.

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a história..


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Taty disse...

Tive uma avó com a doença e sei que realmente é uma doença ingrata e que faz todos sofrerem juntos.
Aguardando o final
Um ótimo final de semana
Bjus
Taty
http://ansiosapracasar.blogspot.com.br

Socorro Melo disse...


Tens razão, Elvira, a doença nos assusta mesmo, mas, é bom conhecer o inimigo para saber lutar contra ele, se por desventura aparecer à nossa frente. É um mal terrível, mas, aprendemos uma grande lição de vida com os cuidadores.

Os olhares da Gracinha! disse...

Deve ser terrível!!! Bj

Edumanes disse...

Seria, pois, formidável,
se a gente evitar pudesse
toda a surpresa desagradável
que na vida nos acontece!

Tenha um bom fim de semana amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Odete Ferreira disse...

Mesmo que não escrevesses a nota, continuaria a acompanhar. A vida tem destas coisas.
Bjinho

aluap Al disse...

Infelizmente tenho um tio que sofre desta doença. Quem dele cuida, minha tia, procura que viva da melhor forma possível, mas é ela que mais sofre.

Bom fim de semana.

alegriadeviver.blogspot.com.br disse...

Olá Elvira, como profissional que fui, conheço muito bem o aredos portadores desse mal, bem como dos familiares, m muita além das dificuldade em conseguir cuidadores, pois eles rejeitam com muita frequência a presença de estranhos.Muito precisa sua narrativa...perfeita!
Bom domingo.
Abraços!

Berço do Mundo disse...

Tem razão, Elvira. As verdadeiras histórias de amor não terminam com uma cavalgada ao pôr do sol e um foram felizes para sempre. Por isso são mais belas que os contos de fada
Ruthia d'O Berço do Mundo

lua singular disse...

Oi Elvira
Não sei onde estou e nem se meu comentário foi, acho que não
Beijos
Lua Singular

São disse...

Como eu gostaria de saber o motivo de certas doenças estarem num crescendo alucinante!!!


Boa semana e beijinhos