Seguidores

22.7.19

LONGA TRAVESSIA - PARTE IV




O rapazinho, encolheu-se mais na cama ao ouvir os gritos do pai.
-Outra vez, não,- gemeu tapando os ouvidos com as mãos.
Era sempre assim, quando o pai vinha bêbado para casa. O pai gritava com a mãe, e batia-lhe. E o pior é que ultimamente o pai vinha todos os dias bebado. Nessas alturas, Rui ficava cheio de raiva contra o pai. Queria crescer para poder enfrentá-lo. Às vezes pensava que se pudesse o mataria.
Até ele chegou um baque surdo e ouviu nitidamente o choro da mãe. Ele estava a bater-lhe de novo. Sem poder conter-se saltou da cama e dirigiu-se à cozinha, local donde vinham os gritos.
Sabia que o pai lhe iria bater mal chegasse lá, mas não se importou.
Naquele momento o pai tinha a mão fechada e preparava-se para a deixar cair de novo no rosto da mãe.
O menino arrancou, com o ímpeto dos seus onze anos e arremeteu com toda a força contra o pai. Este cambaleou, desequilibrou-se e caiu para trás, bateu com a nuca na esquina da mesa e finalmente imobilizou-se no chão.
Por momentos mãe e filho ficaram imóveis esperando que ele se levantasse.
Como isso não aconteceu, a mãe com o rosto ferido, e um olho violáceo, resultado dos maus tratos do marido, baixou-se tentando ajudá-lo, mas ao ver os seus olhos, e a poça de sangue que se ia formando à volta da sua cabeça,  teve a certeza de que ele nunca mais lhe faria mal.
Levantou-se e encarou o menino.
-Está morto, filho, -disse quase sem voz
O menino estava a tremer.
-Matei-o? - Perguntou assustado.  
- Não, filho, não. Fui eu quem o empurrou. Estava cansada de apanhar pancada. Mas não queria matá-lo.
- Mas mãe…
-Nem mas, nem meio mas. Ficas proibido de dizer o contrário, - disse erguendo a voz autoritária. - Agora vai bater à porta da vizinha e pede-lhe que chame a polícia. Mas vê lá o que fazes. Aconteça o que acontecer, fui eu quem empurrou o pai. Ouviste?
- Sim mãe. 
A tremer, de frio e de medo, abriu a porta para ir chamar a vizinha.


Ó p'ra vocês a franzirem a testa e a perguntarem: " Donde saiu este episódio? Quem é este Rui? Será que a autora exagerou no alentejano do jantar de ontem?" 
Gente estou a brincar para aliviar um pouco a violência do texto.


18 comentários:

noname disse...

Um novo elemento na história, o que a enriquece, para lá de ter a sua razão de ser, penso eu.

Boa noite, Elvira

redonda disse...

Estava a achar muito estranho este episódio e também bem terrível, e o brincar no final ajudou
um abraço e uma boa noite

Pedro Coimbra disse...

Agora sim já começa a ser familiar.
Boa semana

Joaquim Rosario disse...

Bom dia
Violência domestica ! infelizmente o pão nosso de cada dia .
E agora ?
JAFR

Maria João Brito de Sousa disse...

Creio que nos fez saltar um passo atrás no tempo - uma espécie de "flash-back" - para nos dar a conhecer um pouco da infância de Mário, o protagonista deste conto. Estou errada?

Um forte abraço, esperando que tudo continue a correr bem com o seu marido e que a sua tendinite
já a não incomode tanto, amiga.

Cantinho da Gaiata disse...

Cá estou eu para rever mais uma história.
Fico contente que esteja tudo andando melhor de saúde, muitas felicidades.
Bjs e até breve.

chica disse...

Cenas e acontecimentos fortes..vamos seguindo...bjs praianos,chica

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Continuo a acompanhar com interesse e aproveito para desejar uma boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Os olhares da Gracinha! disse...

Já reli até aqui e estava a não entender! 🤔
Bj

Larissa Santos disse...

Ou seja, ele está a relembrar a sua triste e pesada infância:(
Hoje:- Faço do champanhe o sorriso, a felicidade [Poetizando e Encantando].

Bjos
Votos de uma óptima Segunda - Feira.

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a historia!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Anete disse...

Olá, Elvira! De cá, sempre torcendo pela saúde de vocês!

Ah!, agora lembrei da reedição, com o capítulo que terminei de ler...
Um bj e boa semana... Mais e Mais melhoras...

Edumanes disse...

Bem, eu, ainda me lembro,
de já ter lido este capítulo
a atitude da vítima entendo
para defender o seu filho!

Tenha uma boa noite amiga Elvira. Um abraço. Como vai a recuperação de seu marido?

Cidália Ferreira disse...

Coitada...tanto sofreu que correu mal

Beijo. Boa noite

Kique disse...

Episódio duro e triste
Bjs

Kique

Hoje em Caminhos Percorridos - A minha Vizinha..

Ailime disse...

Boa noite Elvira,
Uma cena de violência, como infelizmente tanto acontece.
A criança revoltada, a queda...
Seguindo com muito interesse.
Beijinhos,
Ailime
(Elvira espero que o seu marido esteja melhor. Quanto aos comentários não se preocupe. Eu desejo é que fique bem dos seus olhos e que o seu marido recupere bem).

Lúcia Silva Poetisa do Sertão disse...

Lembrança de uma violência familiar que machuca, teima em sempre vir à tona e deixa marcas profundas.
Abraços afetuosos!

lis disse...

Nossa Elvira,Pegastes pesado rs
Agora vem a história e os percalços desse acontecimento .
Desculpe nunca acompanhar em tempo certo.
Tempo tempo tempo rs