7.6.18

CASAMENTO DE CONVENIÊNCIA. -PARTE XXII






Terminado que foi, aquele arremedo de lua-de-mel, o casal instalou-se provisoriamente no moderno apartamento do empresário no Parque das Nações. Pedro tinha decidido vendê-lo e comprar uma casa num local mais afastado da cidade. Uma casa com espaço suficiente para juntar a família sem que a sua privacidade saísse prejudicada. E que tivesse um jardim, onde o menino pudesse brincar em segurança.
Já tinha conversado sobre isso com Joana, e por isso naquela manhã ao regressar ao escritório, a primeira ordem que deu à sua secretária, foi a de pesquisar casas à venda nas zonas que previamente escolhera.
Entretanto no escritório, depois de ler a correspondência e tratar dos assuntos mais urgentes, Pedro dedicou-se a uma pesquisa que pareceria estranha a quem dela tivesse conhecimento. Pesquisou, artigos sobre violação, os traumas, as reações e os medos das vítimas. Depois procurou maneiras de agir, em páginas de psicólogos e sexólogos.
Depois de horas em que pesquisou e leu tudo o que encontrou sobre o assunto, levantou-se e foi até à janela. Pensou na volta que a sua vida dera em tão pouco tempo. Onde quer que o primo estivesse, deveria estar a divertir-se imenso com a última partida que lhe pregara.
Não que ele estivesse arrependido. Não estava. Pelo menos por enquanto. Joana era uma mulher de fibra e muito orgulhosa. Mantinha que só aceitava o seu dinheiro para a mãe e o sobrinho.
Ainda na véspera, reiterara a sua posição de manter a firma recém-criada e de continuar com a confeção de doces e salgados para festas várias. De momento continuaria a trabalhar na casa onde habitara, e onde vivia a mãe com o neto e a ama que ele contratara para o menino. Tinham decidido não separar o menino da avó naquela fase em que a mãe se encontrava tão fragilizada.  Continuando a trabalhar lá, não só fazia companhia à mãe, como vigiava o menino, o comportamento da ama, e continuava a contar com a ajuda de Antónia, sua vizinha, amiga, e agora também madrinha de casamento.   Ele gostaria mais, que ela encerrasse a firma e se dedicasse apenas à família e à vida no lar. Não precisava trabalhar, podia ter quantas empregadas necessitasse. Outra qualquer daria pulos de alegria de poder gastar o que quisesse. Ela não. Era muito independente, e essa independência poderia ser um sinal de que não iria prolongar o casamento para além dos dois anos, negociados no acordo.
Sentiu um aperto no peito, ao pensar nisso. Mas porque havia de temer? Afinal dentro de alguns meses, sairia a adoção do menino. E não era só isso  que lhe interessava?

20 comentários:

Larissa Santos disse...

Não, não lhe interessa apenas a adopção, pelo menos é o que me parece. Existe amor... Hummm :))

Hoje:- Sou uma gota de água no teu oceano .

Bjos
Votos de uma óptima Quinta-Feira

Edumanes disse...

Porquanto pairarem as incertezas. Não haverá instabilidade. Enquanto as não esquecerem. Continuarão a perturbar a sua felicidade!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira.
Um abraço.

noname disse...

É possível que a vida puxe o tapete ao Pedro. É possível que quando ela descobrir que ele fez tudo de sofisma, para lhe tirar o sobrinho, ela não perdoe - e ele descubra que se apaixonou por ela.

Muito expectante :-)

Cidália Ferreira disse...

Está a ficar muito interessante! Receio uma reviravolta!

Siga! :))

Beijinhos

Jaime Portela disse...

Tudo pode acontecer daqui para a frente.
Não consigo adivinhar em que estás a pensar...
Bom fim de semana, amiga Elvira.
Beijo.

Rejane Tazza disse...

Estou atenta a todos os detalhes e gostando muito de mirabolar... Adorando! bjs, chica

Ontem é só Memória disse...

Acho que adopção já não é único motivo de interesse... mas nunca se sabe!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

Os olhares da Gracinha! disse...

Há um desejo de SER FELIZ!!! Bj

aluap Al disse...

Não podemos fazer com que o tempo volte atrás, mas estão a tempo de anular o "negócio".
Um abraço.

Ailime disse...

Boa noite Elvira,
Estou a gostar imenso do desenrolar da história
Vou seguir com atenção os próximos capítulos.
Beijinhos,
Ailime

Kique disse...

Os meandros desta história vão evoluindo...mas o amor está no ar??
Bjs

Hoje em Caminhos Percorridos - VIVE A VIDA

Lucia Silva disse...

O interesse dele há muito que deixou de ser apenas a adoção, o coração já foi incendiado pelo amor.
Beijos carinhosos!

Pedro Coimbra disse...

Pelos vistos ele pensou que sim.
Mas estava redondamente enganado.
Abraço, bfds

Cantinho da Gaiata disse...

Penso que ele não deve temer pelo acordo, Joana vai abrir seu coração.
Beijinhos

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
Duvidas , muitas duvidas pairam ainda na cabeça de ambos !!
JAFR

Tintinaine disse...

O segredo é ir deitando lenha para a fogueira até não haver bombeiro que a consiga apagar!

Isa Sá disse...

a passar por cá para acompanhar a história.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Meu Velho Baú disse...

Acompanhando esta história que promete,,,,,
Beijinhos

Zilani Célia disse...

AQUI.
https://zilanicelia.blogspot.com/

Rosemildo Sales Furtado disse...

Pelo que li até o momento, deduzi que eles se amam, e que a adoção do menino será apenas mais um complemento à felicidade. Continuo gostando e aguardando.

Abraços,

Furtado