3.2.18

A VIDA É ... UM COMBOIO - PARTE XXVII







Regressaram a casa.
- Por favor Paulo, preciso de falar com o Martim, e só o farei logo à noite em casa. Depois telefono-te. Até lá, por favor, não faças nem digas nada.
- Tens medo da reação dele? Pensas que pode não aceitar-me.
- Ó não! Esse risco não corres, fica descansado. Está encantado contigo, nunca o vi assim com ninguém. Nem com o próprio tio, ele se mostra assim.
- E não preferes que seja eu a falar com ele?
- De modo algum. Sou a sua mãe, é a mim que me compete contar-lhe e responder às suas dúvidas. Amanhã  falarei com o Carlos sobre a doação, procura os documentos da propriedade para nos levar a fim de tratarmos disso. Temos que marcar o registo, e às vezes isso leva uns dias. Provavelmente terás que pagar a urgência, ou não conseguirás ter isso pronto até ao dia dois de Maio. Faltam poucos dias e ainda temos um fim-de-semana e o feriado do primeiro de Maio. Não temes que depois disso o Alfredo deixe para trás a tua parte na propriedade?
- Não. Conheço-o como a mim mesmo. E de resto eu vou continuar a vir para aqui aos fins-de-semana. Tomara que eu tivesse outro Alfredo para gerir a empresa, poder retirar-me para aqui e dedicar- me à pintura. Mas tal não acontece, e sei que se me descuidar, a concorrência engole-me, quem sabe se até com a conivência de algum funcionário. Num negócio daquela envergadura, é preciso pulso forte e olhos bem abertos.
-Não tens ninguém lá dentro em quem confies?
- Em princípio,- isto eu já verifiquei- não há ninguém novo em postos chave. O mais recente está lá há seis anos, pelo que o meu tio confiava neles. De qualquer modo, eu sempre ouvi o meu tio dizer que o que engorda o porco é o olho do dono. A pintura terá que ficar apenas como um “hobby”.
Tinham chegado junto dos demais. E Amélia aproveitou para agradecer o convite e despedir-se, pois estava na hora do regresso, e ainda iam deixar a avó em casa e pegar as suas coisas para a volta à cidade. Paulo, pediu então ao amigo se as levava a casa, ele segui-los-ia na mota. Poderia assim seguir depois com eles para a cidade, enquanto Alfredo regressaria a casa com o carro.
Sem que os dois voltassem a estar sozinhos, uma hora mais tarde, estavam na estrada, a caminho da cidade. O carro na frente, a mota seguindo-os.


Anete , mais tarde mando o presentinho.  O seu comentário foi o 30. 000

9 comentários:

noname disse...

Como vão os trabalhos para o aniversário da netinha? Parabéns a ela, beijo para as duas.

Boa noite

paideleo disse...

A historia complícase.

✿ chica disse...

Vamos acompanhando e gostando! beijos tudo de bom,chica

Os olhares da Gracinha! disse...

Mulher prudente!!!
Bom domingo e bj

Cidália Ferreira disse...

Bom dia!
Mais um maravilhoso episódio! :)


Convido-vos a lerem a minha participação. Espero que gostem.

"Esvoaços em fina candura" ...[Poetizando...]

Excelente Domingo para todos.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Está a ficar interessante, estou a gostar.
Um abraço e bom Domingo.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Janita disse...

Ao ritmo que estas histórias avançam não nos podemos descuidar, de um momento para outro a coisa evolui substancialmente, embora a Amélia esteja de pé atrás!
Com as personagens de volta à cidade cá fico aguardando o desenrolar das suas vidas.

Parabéns à netinha e que a festa e os presentes sejam do gosto da menina.

Um abraço, boa semana.

Edumanes disse...

De ontem para hoje. Poucas alterações sofreu. Aguardamos para depois, o desenvolvimento de um romance amoroso entre Carlos e Amélia. O qual para ambos será maravilhoso?

Tenha uma boa tarde de domingo amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Lucia Silva disse...

Acompanhando com ansiedade as próximas emoções!
Abraços afetuosos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...