Seguidores

19.8.19

LONGA TRAVESSIA - PARTE XXVII






-Muitos anos mais tarde, vi estes numa sapataria, e comprei-os. São semelhantes embora de muito melhor qualidade. Acompanharam-me desde aí como um estímulo, para cumprir a jura que fizera a minha mãe naquele fatídico dia. Mas deixa que te conte tudo.
Os anos foram passando, eu ia crescendo e o ódio que sentia pelo meu pai ia crescendo comigo. Por volta dos dez anos, comecei a tentar enfrentá-lo sempre que ele batia na minha mãe. Consequência direta, foi que passamos a apanhar os dois. 
 Uma noite, tinha feito onze anos há poucos dias,  acordei com os seus gritos, e o choro da minha mãe. Saltei da cama e dirigi-me à cozinha. A mãe tentava proteger o rosto já ferido, de nova pancada. Tentando evitar que continuasse a bater-lhe arremeti contra ele. Como estava bêbado, desequilibrou-se, caiu para trás e bateu com a cabeça na esquina da mesa. Teve morte imediata. A minha mãe assumiu a culpa. Disse a toda a gente que foi ela e proibiu-me de dizer o contrário.
Foi presa, e eu só não fui parar a uma instituição estatal porque os meus tios me foram buscar.
Calou-se, a voz embargada pela emoção, o rosto pálido, todo o corpo terrivelmente tenso. Teresa sentia a dor dele, no seu próprio coração. 
 -Tivéssemos nós dinheiro para um bom advogado, e a minha mãe não teria sido presa. Teria aguardado julgamento em liberdade.  Afinal como o tribunal provou mais tarde, tratou-se de um acidente e em legítima defesa. Mas nós não tínhamos dinheiro para pagar um advogado e assim a mãe esteve em prisão preventiva até ao julgamento. 
Os meus tios coitados fizeram o melhor que podiam enquanto lá estive, mas tinham três filhos, que viam em mim,  uma boca mais a roubar o pouco que tinham. Percebes agora a minha ambição desmedida?
Com catorze anos comecei a trabalhar. E a estudar à noite. Foi uma época muito difícil, a mãe já estava doente. Nunca mais foi a mesma, depois que foi presa. Quase a terminar o secundário, tive que contratar uma pessoa para cuidar dela, e o dinheiro que ganhava não dava para tudo. Durante um ano, tive que interromper os estudos. Depois ela morreu, e voltei a estudar.
Quando nos conhecemos, já eu estava com a vida organizada. Compreendes porque nunca te falei de mim, nem deles?  Queria esquecer o passado e cumprir a jura que lhe fizera em menino, de ser um homem muito rico. Tinha já umas boas economias, além do trabalho no banco, fazia traduções para uma editora,como te deves lembrar. O que tu não sabias, é tinha feito algumas aplicações que me renderam um bom dinheiro, mas na minha louca corrida para a fortuna, o que tinha não me bastava. Queria mais, muito mais.
Quando me convidaste para ir conhecer os teus pais, e passar com eles o Natal, comecei a pensar que me estava a afastar do meu objetivo, e que se fosse contigo estava a assumir um compromisso que me impediria de cumprir o que me propunha. Queria libertar-me, mas não tinha coragem de te deixar. Então disse-te que fosses tu, e aproveitei a tua partida para te abandonar.  Hoje sei que foi uma cobardia, um ato digno do filho do meu pai.
Mas na altura estava cego de ambição. E decidi partir para a Inglaterra.




Notícias.
Hoje o marido vai recomeçar a fisioterapia. Graças a Deus ele está melhor, mas não tanto quanto gostaríamos, embora saibamos que estas recuperações nunca são tão rápidas como desejamos. O meu olho está aparentemente na mesma mas o braço está melhor. Já consigo fazer várias coisas sem aquela dor que me punha maluca.

12 comentários:

noname disse...

A história está emociomante.


Fico feliz, por vós. Que as coisas entrem nos eixos, as dores passem, e o marido recupere.

Beijinhos aos dois

Ailime disse...

Boa noite Elvira,
Que vida! Infelizmente na vida real, tantos casos semelhantes!
Continuação de boas melhoras do seu marido.
Com a fisio a recuperação será mais rápida.
Não descure os seus olhos.
Um beijinho e uma boa segunda feira.
Ailime

Pedro Coimbra disse...

Esses processos de recuperação são morosos.
E não devem ser apressados.
Com calma, com tempo.
Boa semana

chica disse...

Capítulo muito bom e notícias boas também...Com calma as coisas vão para os eixos! Bjs,chica

Joaquim Rosario disse...

Bom dia
Quanto á historia , penso que depois desta confissão os três vao se entender .
Em relação á saúde ficamos felizes pelas melhoras !!|
JAFR

Larissa Santos disse...

Bom dia. tenho que me ir inteirar do resto da história. Gostei:))

Hoje, de uma forma mais rápida, de maneira a chegar a todos. Espero a compreensão de todos. Cheguei com:- Entregas-me uma rosa num ávido beijo. {Poetizando e Encantando}

Bjos
Votos de uma óptima Segunda-Feira

Maria João Brito de Sousa disse...

Fico contente por saber que a sua nevrite já entrou em processo de remissão.
Devagar, devagarinho, tudo acabará por retornar à normalidade.

Abraço, Elvira.

Isabel disse...

Fico contente com as novidades e saber que a vossa saude se está a recompor!
A ficção está a tornar se cada dia mais interesante....

Tintinaine disse...

Com os ténis do Capitão América tudo vai melhorar. Até a saúde aí em casa.
Boa semana!

rosa-branca disse...

Amiga Elvira, fiquei feliz por saber que se estão a recompor e se Deus quiser vai dar tudo certo. Quanto á história bastante dolorida estou a adorar. Beijinhos com muito carinho

Cidália Ferreira disse...

Amei esta confissão, que tinha de acontecer! Obrigada!:)

Fico feliz por estar tudo a correr mais ou menos bem.
Eu estou bem melhor. Faz hoje 2 meses.!

Dia da fotografia. E um fim de semana diferente.
Beijos e uma excelente semana!

Anete disse...


Olá, Elvira... Lendo por aqui o capítulo e “pegando o fio da meada”... Relembrando a reedição!
Fico alegre em saber que o seu marido está melhorando... Também, sempre lembrando de vc e torcendo pelos seus olhos...
Um bj... Boa noite!