6.6.16

MANEL DA LENHA - PARTE LXXXIII



Nesse ano o país está a braços com uma grave crise financeira. Diz-se que há mais de cem mil trabalhadores com salários em atraso. 
A filha mais velha do Manuel, para ajudar a economia doméstica, tomava conta de bebés desde há três anos. Uma menina e um menino, que iam crescendo com o agora seu filho. Cuidar de crianças era algo de que gostava, ajudava na economia, e acreditava que era também melhor para o seu bebé, crescer com outras crianças.
Em Junho desse ano, alguns acontecimentos agitaram o país. A prisão de Otelo Saraiva de Carvalho, que o povo se habituara a ver como um herói, e foi-o sem dúvida na revolução de Abril, mas que posteriormente se envolveu num movimento denominado FP25, que  comete várias atrocidades, entre elas o rebentamento de uma bomba em Évora que mata uma idosa e um bebé. É também em Junho que se dá o rebentamento do escândalo D. Branca.
"A banqueira do povo", D. Branca, ou melhor, Maria Branca dos Santos, era uma mulher que oferecia juros  bem mais altos que na banca o que levou a que milhares de portugueses, recorrerem a ela para depositar as suas poupanças. De tal modo que impossibilitada de tratar de tudo sozinha se foi rodeando de colaboradores, que a foram roubando, e um esquema que já de si, não tinha "pernas para andar" muito tempo, acabou rebentando num enorme escândalo financeiro, a que o cunhado mais novo do Manuel escapou, porque três meses antes tinha levantado as suas poupanças, que anteriormente lá aplicara para comprar a casa onde morava, já que o senhorio lhe tinha feito essa proposta.
Nesse mesmo mês, com os jogos olímpicos a decorrerem em Los Angeles, e o Europeu de Futebol a disputar-se em França, Portugal foi impedido de chegar à final com um golo de Platini, nos instantes finais dum prolongamento, a que Portugal obrigara a França, com um empate as dois golos, ficando-se assim pelo terceiro lugar.
E na véspera de S. Pedro, nos Jogos Olímpicos, Carlos Lopes ganha a medalha de ouro na maratona de Los Angeles, e Rosa Mota consegue a medalha de bronze
Um mês de referência para o desporto nacional que no mês anterior tinha visto desaparecer a maior das suas referências em ciclismo. Joaquim Agostinho.
Já aqui foi dito que Manuel era um apaixonado por futebol, pelo "seu" Porto e por Portugal. Mas não só. De uma forma geral, ele não perdia um espectáculo desportivo que fosse transmitido na TV. Daí que esse foi um mês de grandes alegrias para ele. E no mês seguinte passa a ser mais um reformado. Tem 67 anos, e parte com a mulher, para as Termas de S. Pedro do Sul, onde ela vai fazer tratamentos.

13 comentários:

aluap Al disse...

Este post traz muitas informações sobre acontecimentos passados. Gostei muito.
Boa semana/Um abraço.

Edumanes disse...

Manel da Lenha, e Portugal dos acontecimentos, uns bons outros menos bons. Nem só de pão vive o homem. Com o desaparecimento de Joaquim Agostinho, o ciclismo português ficou mais pobre. Joaquim Agostinho, chegou a Vila Cabral, nos primeiros meses do ano de 1965, na Companhia de Cavalaria 754 (SETE DE ESPADAS), a qual acantonou em Nova Coimbra, entre Metangula e o Rio Lunho. No dia 31 de Maio desse mesmo ano, estava eu em Nova Coimbra, morreu um camarada meu, ao meu lado e numa emboscada próximo do Rio Lunho, não me lembro ao certo se foram cinco ou foram seis militares da companhia de Joaquim Agostinho, perderam a vida. Foi um dia sangrento naquela zona, cujo o sangue desses portugueses derramado, manchou aquela terra que não era a deles, mas foi nela que perderam a vida!

Tenha uma boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Gaja Maria disse...

Destes acontecimentos já me lembro muito bem. O Carlos Lopes e a Rosa Mota eram os meus heróis :)

Majo Dutra disse...

~~~
Muito interessante, Elvira.

Que bom ter conseguido um bebé...

Abraço.
~~~~

Pedro Coimbra disse...

O tipo tinha que ser especial - Bibó Puorto, carago!!

Tintinaine disse...

Só pergunto porque se terá ele encantado com os morcões do FCP!!!

✿ chica disse...

Acompanhando e gostando sempre! bjs, lindo dia! chica

rendadebilros disse...

Retrato do início dos anos 80 que nos faz recordar momentos fantásticos e momentos negativos do país. Mas as medalhas são assim: têm sempre o seu reverso. Ao mesmo tempo , a crise também é cíclica e há sempre alguém que se aproveita da aflição das pessoas ou a ganância também as leva a expor-se! Em 1980 também nasceu a minha filha e tenho uma recordação sempre muito especial para os alunos que nasceram nesse ano, foi uma boa safra. ( A Feira do Jarmelo, Elvira, não é uma Feira medieval, é uma feira anual que é, ao mesmo tempo, exposição e concurso de gado, em particular, de uma raça de vacas autóctones daquele lugar, as vacas jarmelistas.)Boa semana! Bom trabalho!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Muitos destes factos históricos vivi-os intensamente como foi bom recordar.
Houve uma altura que até parecia moda os salários em atraso uma verdadeira vergonha nacional.
Um abraço e continuação de uma boa semana.

Blog da Gigi disse...

Lindo dia!!!!!!!!!!!!! Beijos

O meu pensamento viaja disse...

Recordar é mesmo viver, não é?
Beijo

Rui Espirito Santo disse...

Muito interessante, como sempre e este, mais diversificado !
Curioso, assim à distância temporal, irmos recordando estes factos e curiosamente relacionarmos uns com os outros no tempo !

Tempos difíceis e algo complicados estes, nesta altura !
Valham-nos alguns êxitos desportivos ! :))

Beijinho, Elvira ! :)

Elisa Bernardo disse...

Ainda estou por aqui ;) muitos beijinhos
elisaumarapariganormal.blogspot.pt