9.9.17

À MÉDIA LUZ - PARTE IV

Há seis meses que era a secretária de Gabriel Santana. Sabia da fama de predador sexual,  do patrão. Daí tivera a ideia de se apresentar o mais insignificante possível. Naqueles seis meses, já revistara aquelas gavetas dezenas de vezes, sem nunca ter encontrado nada que o pudesse incriminar. Sabia é claro, que qualquer prova estaria no cofre. Mas quem sabe, às vezes um esquecimento lhe deixasse ver qualquer coisa que a levasse a confirmar as suas suspeitas de homem sem escrúpulos, capaz de tudo nos negócios, mesmo que isso não tivesse nada a ver com o pai. Mas serviria pelo menos para saber que estava certa nas suas suspeitas. Mas não. Tudo certo, tudo legal. E ela sentia-se impotente, e tão cansada. Não sabia por quanto tempo mais aguentaria aquela pressão. E o pior, hoje é sexta-feira, há uma festa na academia de dança para angariação de fundos, todos vão ter que estar presentes, e ela sente-se devastada. No dia seguinte, irá visitar o pai, e é sempre muito doloroso, ver como ele se encontra. Olhou o relógio. Ele não voltou o resto do dia, por certo já não voltará, decerto encontrou algum rabo de saia. Não interessa, está na hora de saída, precisa ir.
Às vinte e duas horas tem que estar na academia, precisa tomar um banho relaxante e descansar um pouco.
Acabava de abrir a porta para sair, quando ele chegou:
- Onde é que vai? Venha ao meu gabinete!
Ficou furiosa.
- O meu horário de trabalho terminou há cinco minutos.
-Mas, preciso de si agora. Pegue o bloco e acompanhe-me.
Era arrogante e prepotente. Ela sentiu que o sangue lhe subia ao rosto.
-Desculpe senhor, mas terá que ficar para segunda-feira. Hoje não me posso atrasar.
Fitou-a furioso.
- Para quê tanta pressa? Decerto não é para nenhum encontro amoroso, - disse olhando-a depreciativo.
- O que faço nas minhas horas livres, só a mim me diz respeito. Boa -tarde.
Virou-lhe as costas.
- Se sair agora considere-se despedida! – Disse-lhe quando ela já atravessava a porta.
Voltou-se e pela primeira vez desde há seis meses, fitou-o bem nos olhos.
- Não creio que a lei me obrigue a trabalhar depois da hora de expediente, senhor. Mas podemos sempre recorrer ao tribunal de trabalho.
E saiu deixando-o perplexo e furioso.


18 comentários:

Tintinaine disse...

A gata a deitar as unhas de fora! Esperar para ver onde isto nos leva é a única coisa que posso fazer. Vamos a isso.

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a história.


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Os olhares da Gracinha! disse...

Enfrentar ... denota personalidade! Bj

✿ chica disse...

Ela não o suporta mesmo! Está irada! Vamos ver se assim continua...bjs, chica

António Querido disse...

Vamos ver se a corda desta vez rebenta pelo lado mais forte e ela sabe que quanto mais se baixar, mais ele lhe vê o rabo.

Segue o meu abraço.

Edumanes disse...

Ah! Sua valente mulher. Assim mesmo é que se responde aos arrogantes, que pensam tudo poderem controlar. Sem olharem a meios para os fins atingir!

Tenha um bom fim de semana amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Olá amiga!
Minha visita hoje é para lhe trazer um pouco de carinho, deixar meu abraço, me desculpando por não comentar sua maravilhosa postagem. Hoje o reumatismo atacou minha coluna, estou péssima para escrever. Vou seguindo a vida, um dia sorrindo outro dia mais tensa, o importante é estar viva.
Lhe desejo um fim de semana de muita paz, saúde e felicidade. Deixo esse pensamento do Padre Fábio de Melo,
“A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.
Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existência as mais diversas formas de sementes...”
Abraços, permanece com Deus.

Majo Dutra Rosado disse...

Valente!
Estou a gostar.
Bom domingo.
Abraço
~~~

dinapoetisadapaz disse...

Olá cara Elvira, um enfrentamento típico de uma mulher determinada que não teme ameaças, creio que o patrão ficou meio desapontado. Muito bom o texto.

Tenha um excelente fim de semana.
Abraço!

Silenciosamente ouvindo... disse...


Amiga vim apenas visitar o seu blogue,
ainda não estou com muito tempo disponível.
Também ando numa luta comigo mesmo se
devo continuar com os blogues ou não.
Motivos pessoais e de saúde me tiram
a disposição necessária.
Às vezes custa muito desistir, veremos
o que irei fazer.
Desejo muito que se encontre bem.
Beijinhos
Irene Alves

redonda disse...

Muito bem, gostei da força dela!

aluap Al disse...

Será que só segunda-feira é que ficamos a saber o que ele vai dizer/fazer?
Acho que o Gabriel furioso vai atrás dela...
Abraço e bom fim de semana.

maria disse...

Mais uma história que promete... será que a suspeitas de Sandra se confirmam?

O meu pensamento viaja disse...

A narrativa promete.
Beijo

Odete Ferreira disse...

A acompanhar mais uma história interessante.
Bjnho


Gaja Maria disse...

Ui!

Cantinho da Gaiata disse...

Uuuiiii, Elvira que medo.
Grande mulher, fazer frente ao patrão.
Agora vou ler o próximo a ver se ela sempre vai ser despedida.
Beijinho grande.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Talvez a atitude dela desperte nele algo diferente, pelo fato dele está acostumado com o comportamento receoso dos demais.

Abraços,

Furtado