19.4.16

MANEL DA LENHA - PARTE LVI


As duas fotos que a filha do Manuel lhe enviou de Moçambique, para provar o casamento religioso realizado em Nampula. Na segunda foto é notória a diferença do vestido da noiva em relação ao casamento realizado no Barreiro


Em Janeiro de 71, chega uma carta da filha a viver em Nampula. Diz que esteve muito mal, por causa de uns camarões que comeu e os médicos dizem que é alérgica e não mais pode comer. Está bem, acabou de falar com o padre da Catedral de Nampula para casarem pela igreja, e que era necessário que eles agilizassem os documentos no registo do Barreiro a fim de que o casamento pudesse ser realizado em Abril nos anos do marido. O que ela não contou, foi que estando em coma no hospital, antes mesmo de recuperar a consciência, ouvia alguém ao lado que repetia insistente. "Chamem um padre que eu vou morrer" Aquilo foi-se-lhe entranhando na cabeça, e ao voltar a ficar consciente, a primeira coisa em que pensou, foi que não poderia levar a extrema-unção porque não era casada pela igreja. A educação ultra religiosa da família materna, fazia-se impor. Enquanto Manuel, tratava dos documentos que a filha lhe pedia, o filho que entretanto tinha ido às sortes e ficara apurado, ingressava na Marinha de Guerra Portuguesa. E os documentos ficaram prontos, mesmo a tempo para que o casamento se realizasse no dia 5 de Abril desse ano de 1971.
Enquanto isso, Marcelo Caetano continuava com as suas televisivas conversas em família, e anunciava reformas administrativas, constitucionais e de ensino.
Poucos dias depois do aniversário do Manuel, chegou carta da filha. Conta como foi a cerimónia do seu casamento, manda fotografias e dá notícias do tio que a visitara recentemente.  Nesse mesmo dia será descoberto o desaparecido navio "Angoche". É encontrado deserto, com sinais evidentes de ter sofrido uma explosão, e vazio da sua preciosa carga, armas para os militares portugueses e combustível para a Força Aérea.
 A Frelimo, logo apontada como responsável, fará o desmentido público.
Mas poucos dias depois, no Casino Estoril, Riquita,  a Miss Angola, é eleita Miss Portugal. O facto serviu para abafar  de certa forma o mistério do "Angoche".


15 comentários:

Gaja Maria disse...

Beijinho Elvira :)

Anete disse...

Voltando p ver a continuação...
Agora a família fica contente pelo casamento religioso...
Tem a questão do navio e da miss, hum... Veremos como segue a história ...

Boa tarde... Bjs

Edumanes disse...

Muito interessante essa história. Referindo acontecimentos do passado, quem de perto os não viveu, deles ouviu falar. O casamento realizou-se na data programada. A vida continuou e continua. Continuando a ser esse dia pelos no recordado!

Tenha uma boa tarde de boas recordações amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Edumanes disse...

Corrijo: Pelos noivos!

Mariangela do lago vieira disse...

Lindas fotos e bom desfecho Elvira!
Abraços,
Mariangela

Odete Ferreira disse...

A minha curiosidade não esmoreceu com o tempo.
Gostei muito de ver as fotos. Parecias/am atores de cinema!
Bjinhos, Elvira :)

aluap Al disse...

A Elvira tem fotos a preto e branco muito bonitas. Dizem que a fotografia a preto e branco tem mais "alma" e estou em crer que sim.

Beijo amigo.

Tintinaine disse...

Essa de ter que deixar os camarões para os outros é que é uma pena!

✿ chica disse...

Adorei as fotos e enfim a família pode relaxar com o casamento... Tudo tão bem contado, Elvira! Muito bom! bjs, chica

Rogerio G. V. Pereira disse...

...algumas dessas memórias tinham já ficado pelo caminho...
regressaram, ao ter lido

Pedro Coimbra disse...

Uma mão lava a outra, não é?

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Aquela dos camarões era para fazer inveja ao "pessoal" do Barreiro.
Gostei das fotografias era mesmo assim.
Um abraço e boa Quarta-Feira.

Renata Maria disse...

Uma pausa para um relax com o casamento. Amei*
Beijo*

Portuguesinha disse...

Ousada a filha! Criativa também, um vestido lindíssimo, uma apresentação ao melhor estilo de Audrey Hepburn;)

PS: Há algum motivo para não incluir os nomes das filhas e genros? Confesso ter-me perdido em quem é qual.

Dorli Ramos disse...

Oi Elvira,
Adorei o vestido de casamento.
Beijos
Minicontista2