3.12.16

A TI'ESPERANÇA DOS OLHOS VERDES - PARTE IX


-E é tudo o que sei.
Tanto que a pobrezinha sofreu por amor do Chico. Quando percebeu quão falsas tinham sido as suas promessas desinteressou-se da vida. Era costureira. Deixou a costura. E olhe que tinha muita freguesia. E foi para o Terreiro do Paço vender cartas. Penso que junto ao mar, tinha a ilusão de estar mais perto dele. E de tanto olhar o mar,  os seus olhos foram perdendo a cor, e ficando assim. É como se o próprio mar se instalasse dentro dela, e lhe assomasse aos olhos. Ou como se eles quisessem manter viva a esperança, que o seu coração já sepultara.
Escutava a voz de Rita,  enquanto velávamos o cadáver da infeliz Esperança. Desde aquele dia em que a vira doente, e aproveitando as minhas férias, tinha ido todos os dias visitá-la, e fizera amizade com a Rita, a vizinha , que era talvez a sua única amiga.
Mas só hoje, depois da sua morte, e ali na presença do seu corpo, Rita me contara a história da pobre mulher.
Não pude evitar as lágrimas. E pensei que se há amores que são a nossa razão de viver, outros pelo contrário tiram-nos a vida….

           **************************************************

Depois de muito procurar o Chico conseguira finalmente saber onde vivia agora a Esperança, e ansioso seguiu num táxi a caminho de sua casa. Estava nervoso, e emocionado. Ia finalmente rever a “sua” Esperança, depois de quase trinta anos. Dava-se conta que apesar do seu casamento, do abandono a que a votara, ele sempre sentira a doce rapariga como algo seu. Durante todos os anos em que remoeu o seu remorso, sempre o fez convicto de que ela estava à sua espera. Se passava pela sua cabeça, que a jovem podia ter casado, ter filhos, uma família enfim, logo afastava esse pensamento, como quem tira um obstáculo do seu caminho.
O carro acabara de parar junto a uma modesta habitação. Pagou a corrida, e bateu à porta. Depois reparou que estava só encostada, e como ninguém vinha abrir, empurrou-a e entrou. Quedou-se na ombreira, paralisado pela surpresa, o rosto lívido.

13 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Pronto!

E eu agora vou dizer o quê?

AC disse...

A esperança anda pelas horas da morte, Elvira.
Belo relato!

Abraço

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a história e desejar um bom domingo!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

maria disse...

Um retrato de época...adorei relembrar o ambiente no Terreiro do Paço...achei muito interessante, o facto da Esperança, vender cartas, era sem dúvida, na altura, um bem, quase precioso, porque era praticamente o único meio de comunicação à distância... histórias, como a do Chico e da Esperança, infelizmente,também não devem faltar exemplos reais ...o final...lamento muito que a Esperança tenha morrido.. talvez preferisse que passadas três décadas o Chico tivesse reencontrado uma Esperança, feliz,e com uma condição de vida superior à dele ... mas não tenho dúvidas que o final escolhido pela Autora é bem mais, realista!
Gostei muito, parabéns, querida Amiga e um enorme obrigado pelo tempo e carinho que nos dedica... Venha o Próximo, abraço e Feliz Domingo!

Anete disse...

Já de volta das férias e lendo alguns capítulos por aqui...
Com dizem, "a esperança é a última que morre"... Vamos adiante, seguindo os acontecimentos seguintes...

Bom domingo! Obrigada pelos comentários na minha viagem, maravilhosa viagem...

Edumanes disse...

Triste ficará arrependido,
de antes a não ter ido ver
o que será feito do Chico
quando a Esperança morrer?

Tenha um bom dia de domingo amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

O meu pensamento viaja disse...

Bom domingo, Elvira!
Escreva, produza, mais.
Beijo

aluap Al disse...

O Chico encontrou em Lisboa muitas mudanças, fruto duma evolução, só é pena que chegue após o falecimento da Esperança (confesso, a sua morte, deixou-me os olhos cheios d´água) e não veja a cor dos seus olhos (quando as pessoas morrem cerram-lhe as pálpebras).
Bom domingo.

Rui Espírito Santo disse...

Assim se perdeu a possibilidade de uma vida feliz a dois ! :((
Quem sabe, se apenas algumas semanas ou alguns meses o poderiam ter evitado ? ... ... mas chegou tarde, o Chico e certamente cheio de remorsos pelo seu passado relativamente à Esperança !

Foi um fim possível e natural, Elvira.
Nem tudo pode acabar bem ! :(

Esteve muito bem o conto pela sua realidade e ao fim e ao cabo, também naturalidade ! Quantos casos destes acontecem !?...

Abraço

Janita disse...

Um grande amor de perdição, foi o que foi! Amar demais pode trazer muita infelicidade. Lamento a vida triste da Esperança, e só lhe posso dizer, Elvira: Ninguém deve amar mais alguém do que amar-se a si própria.
Veremos o que o Chico fará face ao cadáver da Esmeralda. Quem sabe ela esteja apenas desmaiada e possa voltar a si, quando sentir a presença amada? Nada nesta vida é impossível...

Um abraço, boa semana

Dorli Ramos disse...

Para a morte não existe sorriso
Talvez uma lágrima de dor
Beijos
Minicontista2

Prata da casa disse...

Ele prosseguiu com a sua vida,mas esperava que a moça ficasse eternamente à sua espera?
Bjn
Márcia

Rosemildo Sales Furtado disse...

Adoto o silêncio. Prefiro aguardar os acontecimentos.

Abraços,

Furtado