7.12.16

O NATAL E A FONTE DA PEDRA



A propósito da fuga para o Egito, existem milhares de lendas. Uma delas, trás a Sagrada Família até à Serra da Estrela, mais concretamente à zona de Alvoco da Serra. E conta-se assim:



A lenda da Fonte da Pedra


Quando Herodes perseguiu São José, Nossa Senhora e o Menino Jesus, eles fugiram para o Egito. No seu percurso, passaram pela Serra da Avoaça e N. Senhora quis descansar porque estava muito cansada. Todos tinham sede  mas não se via nenhuma nascente por perto. S. José, vendo uma pedra ao pé deles, virou-se para o burro e ordenou:
     - Dá um coice na pedra!
     O burro obedeceu  mas a pedra não tugiu!
     S. José ordenou novamente:
     - Dá um coice na pedra!
     O burro obedeceu e desta vez a pedra gemeu!
     S. José ordenou pela terceira vez:
     - Dá um coice na pedra!
O burro obedeceu e a pedra chorou!
     E desta forma puderam os três matar a sede. A partir daí, a nascente passou a chamar-se Fonte da Pedra e possui propriedades terapêuticas; nomeadamente, a água cura os cravos, isto é, as verrugas das mãos.
Ainda lá estão as três marcas na pedra:
A primeira está seca (não tugiu).
A segunda deita um fio de água (gemeu).
A terceira é a nascente (chorou).
      Enquanto descansavam, Nossa Senhora resolveu estender a toalha sobre uma pedra para comerem algo, que a fome apertava. Pois desde então nunca mais o musgo cresceu nessa pedra, como ainda hoje se pode comprovar!
       Porém , chegou a hora de continuarem a viagem e arrumaram tudo. Quando começaram a andar, Nossa Senhora prendeu o manto no mato que crescia na zona e rasgou-o. Como castigo de tal atitude, decidiu que nunca o mato cresceria, seria sempre pequeno. E assim é, visto que ainda hoje se diz que o mato é como o da Fonte da Pedra, quando se pretende explicar que é de pequena estatura.
      Tinha a Sagrada Família retomado a sua marcha, quando chegaram a um terreno onde várias pessoas semeavam a terra. E pergunta S. José:
     - Então que semeais aqui?
     - Semeamos pão (leia-se centeio)!
     - Pois voltai amanhã, que pão colhereis!!
     E assim aconteceu: no dia seguinte, as pessoas voltaram e encontraram o terreno repleto de centeio maduro, pronto para a ceifa.
     Mais à frente, Nossa Senhora e S. José encontraram outro grupo de pessoas que semeavam igualmente um terreno. E, de igual forma, pergunta S. José:
     -Então, que semeais vós aqui?
     Sendo estas pessoas de má índole, responderam:
     - Semeamos pedras!
     - Pois voltai amanhã, que pedras colhereis!
      E no dia seguinte, quando as pessoas tornaram ao terreno, encontraram-no cheio de pedregulhos. Diz-se que foi na Pedriça de Unhais, onde ainda se podem ver as pedras.
      Entretanto, o rei Herodes não se conformou com a fuga da Sagrada Família e mandou soldados no seu encalço. Estes seguiram o mesmo percurso da Fonte da Pedra e chegaram ao local onde o primeiro grupo de homens ceifava o terreno de centeio. Os soldados resolveram informar-se e perguntaram às pessoas:
     - Viram passar um homem a conduzir um burro, onde ia uma mulher com um menino ao colo?
     - Vimos, sim senhor! - responderam os ceifeiros. - Passaram aqui quando estávamos a semear este terreno!
     Ao ouvir tal, exclamaram os soldados:
     - Oh! Estavam a semear?! Então já passaram há muito tempo! Já não os vamos conseguir apanhar!
E voltaram para trás, desistindo da perseguição.

Fonte: Aqui

20 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Não conhecia.
Sempre a aprender.
Um abraço

Tintinaine disse...

História muito interessante para mim que conheço os quatro cantos da Serra da Estrela. Alvoco na encosta de sudoeste, Unhais na encosta sul e por aí fora.
Estas historietas eram passadas de pais para filhos, à volta da lareira, nas noites frias de inverno, antes do advento da televisão. Agora temos a internet para as transpor do passado para o futuro.
Graças a Deus!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Desconhecia por completo estas bela história.
Um abraço e boa semana.
Andarilhar

Isa Sá disse...

Não conhecia...já fiquei mais informada por aqui!



Isabel Sá
Brilhos da Moda

Os olhares da Gracinha! disse...

Não conhecia a lenda e adoro a Serra da Estrela!
gosto de lendas...bj

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Muito linda esta história!
Meu avô me contava quando eu era pequena, pareceu que vovô me contou de novo.
Grande beijo em seu coração e grata por esse momento maravilhoso.

baili disse...

what an interesting post .never heard it before .
thank you for sharing dear

António Querido disse...

Só conheço a serra de Seia até à torre e talvez por isso desconhecia esta bonita lenda da pedra!
Por coincidência partilho no "Figueira Minha", a lenda do Mondego.

Edumanes disse...

Três coices o burro deu na pedra,
e a pedra de tantas dores chorou
puderam eles mataram a sede pudera
porque daquela pedra água jorrou!

Gostei dessa lenda,
contada por amiga Elvira
aqui antes da merenda!

Tenha uma boa tarde, um abraço,
Eduardo.

Fê blue bird disse...

Muito interessante esta lenda amiga Elvira.

Um beijinho grato por esta partilha.

Rui Espírito Santo disse...

Não fazia a menor ideia dessas lendas, Elvira !
Interessante ,se bem que nunca tenha ouvido falar em milagres por parte de José e Maria e mesmo as de Jesus só depois dos 30 anos ! :))

Abraço !

Donetzka Cercck Lavrak Alvarez disse...

Bela lenda,querida amiga Elvira.

E,para mim,todas devem ter um fundo de verdade,concorda?

Obrigada pela visita.

Dei uma pausa para as festas,mas retorno em janeiro.

Um Natal e Novo Ano de bênçãos para você e seus entes queridos.

Beijos sabor carinho e até breve

Donetzka

Blog Magia de Donetzka

Mona Lisa disse...

Adorei!Adorei! Adorei!
Quando leccionava fazia pesquisa de lendas com os meus alunos.
Não conhecia esta lenda.

Vou copiá-la.Posso?

Obrigada pela partilha.

Beijinhos.

maria disse...

Uma lenda curiosa.. .não conhecia... muito bem contada... gostei muito, Obrigado!

Jack Lins disse...

Linda e interessante história que eu desconhecia totalmente.
Grande beijo

lourdes disse...

Uma lenda muito engraçada, mas quanto ao burro dar 3 coices na pedra para ela chorar, eu acho que ao fim de 3 coices numa pedra quem já devia estar a chorar e muito era o burro. Desgraçadinho!

rendadebilros disse...

Não conhecia, que interessante! Beijos.

aluap Al disse...

Conhecia +ou a história, mas aquela parte do manto de Nossa Senhora conheço um bocadinho diferente, que é assim:
Quando Maria fugiu para o Egipto, levando ao colo o Menino Jesus, as flores do caminho iam-se abrindo à menida que a Sagrada Família passava por elas. O lilás ergueu os seus galhos orgulhosos e emplumados, o lírio abriu o seu cálice. O alecrim sem pétalas e sem beleza, entristeceu não podendo agradar o Menino.
Cansada, Maria parou à beira do rio e, enquanto a criança dormia, lavou suas roupinhas. Em seguida olhou ao seu redor, procurando um sítio para estendê-las.
"O lírio qquebrará sobre o seu peso e o lilás é alto demais. Colocou-as então sobre o alecrim e ele suspirou de alegria, agradecendo a oportunidade e as sustentou ao sol durante toda a manhã.
- Obrigada gentil alecrim - disse Maria.
Daqui por diante ostentarás flores azuis para recordarem o manto que estou usando. E não apenas flores te dou em agradecimento, mas todos os galhos que sustentaram as roupas do pequeno Jesus, serão aromáticos.
E, assim, abençoou a folha caule e flôr, que a partir daquele instante, terão aroma de santidade e emanarão alegria!

aluap Al disse...

Esqueci-me de dizer que sempre gostei desta história porque relacionada com as nossas terras, muitas destas lendas estão relacionadas com terras que não são de Portugal!
E eu como gosto de pedras, ao ler esta história lembrei-me de outras histórias que as minhas avós contavam sobre as marcas de algumas pedras. Se um penedo tinha pocinhas eram as marcas das ferraduras da burrinha em que a Nossa Senhora fugiu, com o Menino, do rei Herodes. Numa pequena pedra as marcas já eram da forma de pé pequeno do Menino Jesus ao subir para a burrita. Havia ainda as que pertenciam à vaquinha que tinha aquecido com o seu bafo o Menino Jesus na manjedoura que lhe serviu de berço. Havia também umas pedras ovaladas que eram o próprio berço do Menino Jesus. Ainda hoje, na nossa serra, por lá uma que chamam a pedra do berço.

Beijinhos.

Gaja Maria disse...

Mais uma lenda que não conhecia. Obrigada pela partilha :)