8.11.16

ESTRANHO CONTRATO - PARTE XVIII




 Não vai ser uma surpresa agradável para eles, mas desde que manifestaram a intenção de lutarem pela  guarda das meninas, com o argumento de que um homem só, não pode cuidar delas, fiquei sem vontade nenhuma de ser agradável com eles. Amanhã tenho um julgamento não poderei ficar em casa. Logo que eles cheguem apresento-te e deixo-vos. Espero que não sejam desagradáveis contigo, mas se o forem, quero que procedas como dona e senhora da casa e os obrigues a respeitar-te como tal.
Não podemos, nem seria justo impedi-los de privarem com as netas. Afinal são o seu consolo, depois da morte da filha. Mas eles têm que nos respeitar.  Eu virei para casa, logo que o julgamento acabe. Vou pedir à Graça que fique por perto se precisares de ajuda.
- Não será preciso. Vai correr tudo bem, não te preocupes. Agora e antes de arrumar as minhas coisas, gostava de te pedir uma coisa. Acabo de descobrir que há um pequeno quarto que comunica com aquele que devemos partilhar. Gostaria de o utilizar  para mim. Percebo o teu argumento sobre as crianças, mas não consigo pensar naquele quarto como meu. Peço-te que te ponhas no meu lugar. Não é fácil partilhar a nossa intimidade com outra pessoa. Especialmente se a essa pessoa não nos liga mais que um contrato, ou mesmo um sentimento de gratidão. Desculpa a minha sinceridade, mas sinto-me como se fosse partilhar o quarto com o patrão. 
Estava nervosa, as suas mãos não paravam de gesticular, a sua face estava vermelha.
- Mas aquele quarto é muito pequeno. Era o quartinho das bebés, E nem sequer tem uma cama.
- Tem um sofá. E agora que não há nenhum bebé podemos arrumar o berço noutro lado E pôr ali um armário para as minhas roupas.
- Não confias em mim?
- Claro que confio. Mas tenta perceber a minha posição. Nós tínhamos acordado em quartos separados.
- Bom, se ficas mais descansada, o quarto é teu. Mas hoje não temos tempo para tratar disso e amanhã com a visita dos meus ex-sogros, e o julgamento também não. Prometo que no sábado  trataremos de deixar aquele quarto minimamente confortável. Entretanto fica no principal. Eu fico aqui no escritório. De qualquer modo vou precisar preparar o julgamento de amanhã. E depois este sofá é bastante confortável.


                                                     

16 comentários:

Tintinaine disse...

Não poderiam os capítulos ser um bocadinho maiores?
É que custa ficar à espera do resto da história!

✿ chica disse...

Lindo enredo consegues sempre nos trazer! Adorando! bjs, chica

Isa Sá disse...

A passar para acompanhar a história e desejar um ótimo dia!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Rui Espírito Santo disse...

Está quase, quase ! rsrsrs ... Parece haver total sinceridade e confiança entre os dois ! ela já tem o seu quarto, o quarto principal da casa. Ele, não tardará a "cair-lhe nos braços" ! :))

Abraço !

Prata da casa disse...

Fico sempre com vontade de ler mais.
Amiga: em relação à sua pergunta lá no meu blogue, o spray que uso para untar as formas de bolo compra-se em qualquer super/hipermercado. Há da marca Espiga e cá, temos umas americanas. São muito práticas.
Bjn
Márcia

Anete disse...

Vamos adiante, sempre com boas novidades, detalhes de um "Estranho Contrato"!

Muita paz, alegrias e o meu abraço...

Odete Ferreira disse...

Seguindo com muito interesse. Parabéns! Lendo logo alguns capítulos, fico com a curiosidade mais "alimentada".
Bjinho, Elvira :)

Janita disse...

Um homem às direitas este Dr. Afonso! Gosto dele!

Devagar, devagarinho, para podermos saborear bem os acontecimentos, as coisas lá vão evoluindo. Gosto destes capítulos assim mais pequenos...

Um abraço.

Edumanes disse...

Quartos para aqui, quartos para acolá. Sem pressa devagar se chega longe. O que não se consegue fazer hoje, faz-se amanhã, o que é preciso é ter paciência e saber esperar!
Até amanhã se Deus quiser, boa noite amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Emília Pinto disse...

Elvira, estive a ler o conto desde o começo e, apesar de não ser muito habitual, acho que eles fizeram muito bem; as crianças de um lado e do outro precisam de ajuda e para elas vai ser muito bom; vão aprender a gostar uns dos outros e llgo, logo serão verdadeiros irmãos. Eles, os adultos, vão respeitar-se, como combinado e, creio, aos pouquinhos vão descobrir o amor. Teremos que esperar pelos próximos capitulos, mas, penso que se houver problemas serao por parte dos ex sogros já que queriam a guarda das netas. Amiga, parabéns por mais um conto muito interessante que, espero, tenha um final feliz. Beijinhos
Emilia

Pedro Coimbra disse...

Esperemos pelo choque dos visitantes

Dorli Ramos disse...

Oi Elvira ,
Dormir em quartos separados, até quando.
O problema vai ser a visita dos sogros. Ai!
Beijos
Minicontita2

Smareis disse...

Acho que as coisas vai esquentar, não vai demora muito... Falta pouco e só pular do sofá pra cama. Estou amando Elvira esta história. Que construção maravilhosa esta ficando essa novela.
Bjs !

Gaja Maria disse...

Só situações complicadas, mas cá para mim vão apaixonar-se um pelo outro ;)

maria disse...

Pois em teoria tudo parece fácil...mas acredito que a ideia de Francisca vai funcionar!!!

Rosemildo Sales Furtado disse...

A história está bastante atraente e eu, como sempre, gostando e aguardando os acontecimentos.

Abraços,

Furtado