29.10.16

ESTRANHO CONTRATO - PARTE VI





Francisca estava a precisar desabafar, e Graça fora noutros tempos sua confidente. E apesar da vida que as separara nos últimos anos, mostrava que continuava a ser sua amiga. Assim abriu o coração e contou tudo desde que abandonara a escola, como se vira envolvida num casamento que não a entusiasmava, como de repente deixara tudo para seguir o marido para a cidade, falou dele, do nascimento dos filhos que adorava, da falência e suicídio de Jorge, e finalmente de como teve que voltar para a casa dos pais, com dois filhos e sem quaisquer meios de sobrevivência, por causa das dívidas da firma.
- E assim está a minha vida, amiga. Preciso urgentemente de arranjar um emprego, mas não é fácil com duas crianças pequenas.
- O que tu precisas é de um novo marido. És muito jovem para ficares a remoer a viuvez, e ajudava-te a criar os filhos.
Francisca olhou para a amiga espantada. Que se passava com ela? Estava doida? Donde tirara uma ideia tão estapafúrdica?
Como se não tivesse dito nada de mais Graça perguntou:
- Não chegaste a conhecer o meu irmão Afonso, pois não? Não. Claro que não. É mais velho que nós, já estava na Universidade, quando nos conhecemos. E depois que se formou, ficou a viver sozinho em Lisboa. É advogado. Começou a trabalhar num escritório de advogados, até que montou o seu próprio escritório. Um dia conheceu uma jovem do interior, apaixonaram-se e casaram. Como ela não gostava de Lisboa, compraram uma casa na terra e mudaram-se para lá. Tem duas filhas, a mais pequena com apenas um ano. Quando a bebé tinha dois meses, a mulher teve um acidente de carro e morreu. Ele amava-a, foi-se muito abaixo e eu deixei a minha casa para vir acompanhá-lo e cuidar das meninas, pois embora ele tenha uma empregada duas crianças de tenra idade dão muito que fazer. Decididamente precisa de uma mulher que lhe ajude a criar as filhas, porque eu não posso anular a minha vida por causa dele, e o meu marido já me está a pressionar para eu regressar. Era uma boa solução para ti e para ele se vocês casassem.
Francisca estava cada vez mais espantada com a amiga. Como era possível pensar que ela se iria casar com um homem que nunca tinha visto? Estava doida. Só podia.
- Não faças essa cara, não estou doida. Nos últimos meses, tenho massacrado o meu irmão com esta ideia. Ele precisa de uma mulher em casa. Uma empregada mais jovem, pode dar azo a falatórios que não lhe convém, até porque os ex-sogros lhe querem tirar a guarda das meninas. Casando resolve o assunto. É claro que tem de ser uma pessoa de confiança, que trate as crianças com carinho. E isso, tu és. Lembro-me bem como tratavas a irmã da Luísa. Melhor do que ela que era irmã. E depois era uma solução para os teus filhos. Conheço o meu irmão. Tenho a certeza que os trataria da mesma maneira que trata as filhas. E então, não dizes nada?




À margem.

Regressei hoje no comboio da tarde. Como alguns sabem, meu cunhado adoeceu repentinamente. Descobriu-se um tumor no cérebro e em quarenta dias partiu. A todos os que me acompanharam nesta fase, um grande obrigado.


19 comentários:

✿ chica disse...

O conto está lindo e as coisas se encaminhando?

Pena do teu cunhado.Não sabia que tinha partido! Meus sentimentos, fiquem todos bem! chica

AC disse...

A vida, por vezes, parece mesmo madrasta.
Lamento pelo seu cunhado, Elvira.

Um beijinho :)

Tintinaine disse...

Vai interessante a história que eu acompanho com agrado!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Abraço, solidário

Quanto ao conto...
depois comento

Elisa Bernardo disse...

Ohh Elvira..que aperto no coração chegar ao fim do conto e ler a triste notícia..:( Que tenham todos muita força neste momento tão difícil..:(
Um beijinho grande :(

Luis Coelho disse...

Um abraço de condolências.
A vida faz-nos algumas partidas inesperadas.
Desejo que tenha muita coragem e capacidade de superar esta perda.

Isa Sá disse...

Acompanhando a história. Aproveito para desejar um ótimo domingo!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Rui Espírito Santo disse...

:)) ... Lá está ! Tenho um dedinho que adivinha ! rsrs
Ainda vai dar um casal muito feliz, ...vamos a ver !?...

Vai ser curioso um "namoro dentro do próprio casamento" ! ... É muito posível que resulte, sim !!! :))

Abraço, Elvira ! :)

lua singular disse...

É Elvira
Cada um tem sua hora, eu também tirei um rim inteiro, agora tenho que ter cuidado.
Essa maldita doença não da aviso prévio, mata sem dó.
Eu não sabia. Desculpa.
Beijos
Lua Singular

Os olhares da Gracinha! disse...

Elvira imagino que foram momentos complicados e que por certo seu coração precisa de tempo para sossegar!!!
Quanto ao conto...quem sabe se dará certo!!!
Bj

Edumanes disse...

Os amigos são para as ocasiões,
um dia, duas amigas se encontraram
falaram dos amores e suas paixões
num contrato dois corações se juntaram.

Francisca disse que precisava de emprego,
a sua amiga Graça, para recuperar o tempo ido
responde que ela o que precisa é dum marido
para manter o seu coraçãozinho em sossego!

Tenha amiga Elvira, uma boa tarde de domingo, um abraço,
Eduardo.

PS:- Pelo falecimento do seu cunhado, envio os meus sinceros pêsames à família enlutada e amigos. Para que o seu corpo descanse eternamente. Paz à sua Alma!

Anete disse...

O conto tá seguindo c muitas surpresas...
O consolo de Deus pela despedida brusca do cunhado, Elvira! Sinto muito e o meu abraço mais uma vez de conforto...

aluap Al disse...

Li as postagens que perdi e espero que o casamento resulte e que a palavra "contrato" seja banida no dicionário deles.

Beijinhos e boa semana.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Lamento muito a morte do seu cunhado.
Os meus sentidos pêsames.
Continuo a seguir a sua história.
Bjs.
Irene Alves

© Piedade Araújo Sol disse...

Elvira

o conta está a ir muito bem.

lamento a morte do seu cunhado.

:(

Graça Sampaio disse...

Em 40 dias?! Não sabia... Triste de mais. :(

Smareis disse...

Elvira lamento a morte do seu cunhado. Que Deus a tenha em um bom lugar.
Eu estava ausente da net e só atualizando. estarei voltando pra ler os capitulos que perdi da história.
Abraços e boa semana!

Blog da Smareis

Rosemildo Sales Furtado disse...

O conto está interessante, estou gostando muito.

Abraços,

Furtado

maria disse...

Graça, parece muito convincente!Esperemos que conheça bem o irmão!