10.2.16

MANEI DA LENHA- PARTE V

foto do google
O garoto era atrevido, e na feira de gado que se realizava na aldeia em Fevereiro, dirigiu-se ao pai, e na frente de quem se encontrava presente, disse:
- “Deite-me a sua bênção, meu pai”.
Alberto ficou incomodado e ameaçou o garoto que lhe batia se ele não desandasse dali. Manuel, percebeu a raiva do pai, e desde aí sempre que o via, dirigia-se a ele e pedia-lhe a bênção, chamando-lhe pai. Era assim como que a voz da consciência, que perseguiu Alberto durante os anos que Manuel viveu na aldeia.
Em Agosto de 1932, Laurinda, apareceu na terra com o namorado, para receber a bênção da mãe, e casar na igrejinha onde tinha sido baptizada. Na verdade, havia dois anos que não ia à terra, pois entretanto tinha trocado o trabalho na Seca do Bacalhau, pelo de “criada de servir” na casa do gerente da Seca. Mais tarde conhecera um rapaz que trabalhava nas fábricas da C.U.F, e enamoraram-se. Piedade abençoou o casal, e acompanhou-os à Igreja para combinarem com o Sr. Abade o “casório”.
Laurinda ficou uma semana na terra para tratar de tudo, mas o casamento, viria a ser na Igreja de Santa Cruz no Barreiro, porque os “proclames” ainda iam demorar uns quinze dias, e os noivos não podiam estar lá todo esse tempo. Quando a jovem regressou, trouxe consigo o irmão, João, que entretanto deixara de ter as crises asmáticas, na “mudança da idade” mas continuava de saúde frágil, e não queria trabalhar no campo, até porque não sentia forças para isso.
 Desejava estudar. Havia de arranjar trabalho nalguma fábrica, e poderia estudar à noite. Desde menino que sonhava com os livros. Na aldeia ficava a Piedade, e o filho mais novo que continuava na casa do Sr. Américo, o maior lavrador das redondezas.
 Anos depois, Manuel, troca o seu primeiro beijo numa roda de desfolhada. Como diz a cantiga...
Não há desfolhada, 
animada
Sem milho-rei 
Vem uma espiga, 
rapariga
Cumpre-se a lei
 Um abraço,
tens que dar 
Não te podes recusar. 
Manuel tinha 16 anos, a cabeça cheia de sonhos e a aldeia começava  a parecer-lhe, pequena demais.

19 comentários:

Elisa Bernardo disse...

Acompanhado :)
Beijinho grande
elisaumarapariganormal.blogspot.com

✿ chica disse...

Muito bom...Manuel enfrentando a vida! Vamos seguindo contigo e com ele...bjs, chica

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei do João que sonha em estudar e ler livros.
Um abraço e continuação de uma boa semana.

AC disse...

Por entre tanta adversidade, as pequenas conquistas iam dando alguma luz à família.
A narrativa, tirada das memórias e do coração, está muito bem conseguida, Elvira.

Uma boa semana :)

Edumanes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edumanes disse...

Manuel pediu a bênção,
na feira, a seu pai Alberto
Alberto, pai sem coração
armado em chico esperto,
com o filho ficou incomodado
penso que um pai assim
se calhar por ser tão ruim
não vale meio tostão furado!

A vida de Piedade, e dos filhos estava ficando melhor, ainda bem que assim era!

Tenha um bom dia de quarta-feira, amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Isa Sá disse...

A acompanhar a história...um ótimo dia!

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Elvira bom dia!!
Estava atrasada no acompanhamento da linda história, mas já estou por aqui.
E que lindo desfecho, vejo que a família está ir em frente, que bom!!
Um grande abraço amiga!
Mariangela

Bell disse...

To atrasada na historia, mas todo adolescente tem a cabeça cheia de sonhos.

bjokas =)

António Querido disse...

Melhorei e passei por aqui, para fazer uma visita ao Manel da lenha, esse malandro que cedo começou a roubar beijos à namorada!
Com o habitual abraço.

aluap Al disse...

A espiga preta aparecia sempre, mas aparecia muitas vezes aos rapazes. Quantas vezes essa espiga ia bem escondida no bolso?! Dizem!
Beijos.

Emília Pinto disse...

Penso que depois de tanto sofrimento, esta mãe vai ter uma velhice tranquila, vendo os seus filhos criados e bem na vida. Vamos ver...o conto ainda não acabou, Cá fico à espera do final. Beijinhos, Elvira e os meus votos de que todos aí estejam de saúde. Até. ...
Emilia

Anete disse...

A vida seguindo e a narração prosseguindo animadamente...
Novos rumos surgindo na jornada da Piedade e família...

Boa noite, Elvira. Boa 5a feira.

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Manuel, trabalhando, Laurinda se casando e João interessado em livros, que bonito.
Estou gostando muito cara amiga Elvira, um abraço.

Fê blue bird disse...

Aos poucos a família de Piedade vai-se compondo , sigo com interesse o desenvolvimento do Manuel.
Um beijinho

LopesCa Blog disse...

Manuel atrevido LOL


Blog LopesCa/Facebook 

lua singular disse...

Oi Elvira,
Eu se fosse o filho faria a mesma coisa.kkk
Gostei.
Seguindo
Beijos
Lua Singular

Zilani Célia disse...

CONTINUO, ELVIRA!
http://. zilanicelia.blogspotcom.br/

Rosemildo Sales Furtado disse...

A situação da família começa a melhorar e o Manuel agindo de forma correta para com o safado do pai.

Abraços,

Furtado.