Seguidores

8.7.20

CILADAS DA VIDA - PARTE III





Quando Teresa terminou o Ensino Secundário no liceu da vila mais próxima, a mãe decidiu que ela devia ir para a Universidade em Lisboa, já que era o único sítio onde tinha um familiar, a tia Julieta, irmã da sua mãe, viúva de um oficial da Marinha, a quem escreveu pedindo-lhe guarida para a filha, a fim de que esta pudesse frequentar a Universidade. A tia mostrou-se encantada em receber a sobrinha-neta e foi assim que ela viajou num carro de aluguer, desde a aldeia até à Avenida Estados Unidos da América onde a tia vivia. Um mês depois da chegada, a avó morreu de ataque cardíaco e Teresa voltou à aldeia, desta vez com a tia, para acompanharem Ermelinda à sua última morada.
Nessa altura, Teresa quis desistir da Universidade e ficar na aldeia com a mãe, mas esta  não o permitiu, e, assim tia e sobrinha voltaram para Lisboa. A jovem tinha chegado ao último ano do Curso de Economia, quando a mãe sofreu um AVC que a deixou incapaz de sobreviver sozinha. Teresa abandonou os estudos, despediu-se da tia-avó, e regressou à aldeia. Durante oito meses foi uma filha amorosa e uma cuidadora dedicada, mas isso não impediu que a mãe sofresse uma recidiva a que não resistiu.  Depois do funeral, Teresa fechou as portas da casa, pediu ao casal que vivia na moradia ao lado, para dar uma olhada pela sua habitação e lhe telefonar se houvesse alguma emergência e voltou com a tia-avó, agora a única pessoa de família que lhe restava, para Lisboa.  Enquanto esperava pelo novo ano escolar para voltar à Universidade, empregou-se numa pastelaria, mais para sair de casa do que por necessidade financeira, já que a mãe lhe tinha deixado algum dinheiro, e a tia fazia questão de suprir todas as suas necessidades. Embora nunca tivesse pensado em semelhante trabalho para o futuro, apaixonou-se por ele, fez amizade com os colegas, especialmente com o pasteleiro, para junto de quem fugia nas horas de menos movimento, para aprender como se faziam as mais diversas massas e cremes. De tal modo, se entusiasmou que decidiu não voltar à Universidade. E quando soube que o dono da pastelaria se pretendia retirar e queria vender o negócio, comentou com a tia que se tivesse dinheiro suficiente, o compraria.
E então, Julieta disse-lhe:
-Bom, como sabes tenho oitenta e três anos, já não me restarão muitos mais de vida. Além desta casa, tenho uma boa quantia em dinheiro. O meu falecido marido era filho único e vinha de uma família com algumas posses. Também ganhava bem e quando morreu, fiquei com uma boa pensão. Como tens visto durante estes anos, desde que estás comigo, não sou pessoa de gastar mais do que preciso. E como não tenho mais família, tudo será teu quando eu morrer, já o estipulei em testamento. Por isso nada me impede de te comprar essa pastelaria se é esse o teu sonho de vida. Vou telefonar ao meu  advogado, para que trate disso.
Chorando de alegria e gratidão abraçou a tia, emocionada e sem palavras para dizer o que lhe ia na alma.
E foi assim, que cinco anos antes, ela se tornara dona da pastelaria “Flor da Avenida”, e iniciara a sua vida de empresária.
Naqueles cinco anos, muita coisa acontecera na vida de Teresa. Desde logo a mais dolorosa, a perda da tia-avó Julieta, que, desde o primeiro momento em que chegara a Lisboa, fora como uma segunda mãe.
A sua vida ter-se-ia tornado ainda mais solitária, não fora a relação de amizade que tinha com as suas empregadas, e especialmente com Mário, o pasteleiro, que naqueles dias de tristeza a tratou com o mesmo carinho com que um pai trataria uma filha, levando-a até sua casa, onde a mulher e a filha completaram o seu trabalho, dispensando-lhe uma amizade e um carinho, que ela nunca esqueceria.
Com uma mãe e uma avó profundamente religiosas, Teresa aprendeu cedo que devia confiar em Deus, que Ele nunca lhe faltaria, e de facto, até agora não se podia queixar. Perdera a família biológica, mas ganhara uma do coração.
Ganhara até, na pessoa de Inês, a filha de Mário, uma irmã, coisa que toda a vida desejara.

14 comentários:

noname disse...

Promete :-)
Aguardo já o próximo capítulo.

Beijinho e até amanhã

Pedro Coimbra disse...

Irmãos e irmãs sem serem de sangue.
Acredite que tenho a sorte de saber bem o que é isso.
Abraço

Joaquim Rosario disse...

Bom dia
Vamos ter com certeza mais uma historia emocionante e sempre a deixar-nos com ansiedade do novo capitulo.

J R

Maria João Brito de Sousa disse...

Estou a gostar, estou a gostar desta jovem Teresa.

Abraço, amiga!

Tintinaine disse...

Cá vou acompanhando a novela também.
Há gente com sorte, como a nossa heroína, tudo lhe corre de feição. Outros há a quem acontece, exactamente, o contrário, cada passo que dão mais os aproxima do abismo.

chica disse...

Gostando muito de te acompanhar. Belo capítulo! beijos, chica

Ailime disse...

Bom dia Elvira,
Estou a gostar do rumo que a história está a levar.
Vamos ver o que se segue.
Um beijinho,
Ailime

Edum@nes disse...

Na vida acontecem muitas coisas. Umas boas outras menos boas. Todavia, nós é que temos que fazer pela vida e não a vida é que fazer por nós. Tendo sido isso, mesmo, que Teresa terá feito?

Tenha uma boa tarde amiga Elvira. Um abraço.

Janita disse...

Acho que uma coisa não invalidava a outra. A jovem, bem que poderia ter adquirido o negócio da pastelaria e terminado o seu Curso.
Mas são opções!

Estou a seguir, com interesse, a nova história, onde o Amor ainda não se fez ver ... :)

Continuação de boa semana, com saúde.

Cidália Ferreira disse...

Ora muito bem. Gostei!! :)

Beijos e um excelente dia

Os olhares da Gracinha! disse...

Também estou a gostar... 👏👏👏👏👏

aluap disse...

Nos anos 90 vivi na Estados Unidos da América.
Belos tempos!

Lúcia Silva Poetisa do Sertão disse...

Um capítulo esclarecedor da vida de Tereza, das perdas que sofrera e tanto a machucara, mas de vitória por ter conseguido um meio de sobrevivência seu, com a ajuda da tia.
Beijos!

teresa dias disse...

Que trama bem urdida e cativante!
Vou ler mais um capítulo.
Beijo.