Seguidores

12.1.19

ELISA

Reedição
Corria o ano de 1940. Elisa era nessa altura uma encantadora rapariga de dezoito anos. Pequena, bem proporcionada, cabelo escuro como noite sem lua, quase sempre preso numa farta trança.

Os olhos escuros e um rosto moreno, onde um rasgado sorriso fazia aparecerem duas graciosas covinhas. Era uma jovem alegre, com uma bonita voz, que encantava quem a ouvia ao domingo na igreja, ou nos campos enquanto trabalhava. Foi talvez a beleza da sua voz, que atraiu o patrão, naquele fatídico dia de Abril. Elisa mondava o milho numa leira, quando o patrão a surpreendeu e sem lhe dar tempo a defesa, ali mesmo a violou. Naqueles tempos nas remotas aldeias do interior, não raras vezes os patrões "desgraçavam" as jovens empregadas. Naquele dia Elisa foi para casa, com o corpo e a alma em ferida. Não disse aos pais nem aos irmãos o que tinha acontecido. De que teria servido? Só aumentaria a sua dor, e a sua vergonha.
Nunca mais foi a mesma. Não queria que ninguém soubesse o que tinha acontecido, e os pais estranhavam que não quisesse ir trabalhar para aquele patrão. Afinal era o que empregava mais gente, e pagava melhor.
 Uma noite sem que ninguém desse conta, Elisa fugiu de casa. Vagueou por montes e vales, evitando os caminhos principais, roubando frutas para enganar a fome, durante dias a que esqueceu a conta. Um dia, com os pés em ferida e as roupas sujas e rotas avistou uma cidade.
 Foi-se aproximando a medo. Teve sorte. Uma mulher idosa viu-a, e vendo o estado lastimoso em que se encontrava, levou-a até à sua casa. Deu-lhe um alguidar com água, um pedaço de sabão azul e branco, e uma toalha velha e esfarrapada, porém limpa, para ela se lavar. Em seguida trouxe-lhe umas roupas limpas que tinham sido da sua filha que Deus lhe levara havia dois anos.
 Josefa foi-lhe contando isto enquanto aquecia no velho tacho de barro um prato de caldo verde feito na véspera.
 Elisa sentiu-se como alguém que regressa a casa. Na verdade Josefa, embora não a conhecendo, estava a tratá-la como uma filha e Elisa deixou que as lágrimas rolassem pelo rosto emagrecido enquanto contava àquela desconhecida, o que não tivera coragem de contar à mãe.
 Josefa ouviu em silêncio o relato da jovem, e quando esta acabou, estendeu a sua velha mão sobre a cabeça da jovem, e murmurou entre dentes:
 "Um dia, um dia isto vai ter fim. E esses canalhas vão pagar por todos os seus crimes". E logo levantando a voz disse:
 - Ficas aqui enquanto não arranjares trabalho. Eu não tenho muito, mas há-de dar para as duas. Agora uma coisa tens que me prometer. Vais escrever aos teus pais. Diz-lhes que estás em Coimbra, e que arranjaste trabalho. Os teus pais têm que saber de ti. Eu também fui mãe e sei bem a aflição duma mãe quando não sabe dum filho.
 Elisa assim fez. Arranjou trabalho a dias para limpezas e tentava a custo apagar as recordações quando descobriu que isso era impossível porque estava grávida.
Foram tempos muito difíceis em que só no carinho de Josefa conseguiu forças para sobreviver. Aos pais não contou nada. Morria de vergonha. E foi inventando desculpas para não ir visitá-los

Quando o filho tinha três anos Josefa morreu. Morreu serenamente, sem se queixar, tal como tinha vivido.

+++++++++++++++++++++++++++++


O Sexta ontem esteve muito concorrido. Que terá acontecido para apresentar este número de visualizações?



Visualizações de página de hoje
203
Visualizações de página de ontem
666
Visualizações de página do mês passado
15.037
Histórico de todas as visualizações de página
575.523
Seguidores
Gerenciar o rastreamento das suas exibições de página



14 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Vejo que deu início a mais uma novela, Elvira, e espero que isso signifique que se encontra um pouco melhor :)

Cá estarei para a acompanhar.

Forte abraço.

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
A começar uma nova historia como sempre apaixonante !!
JAFR

Tintinaine disse...

E a Elisa, volta ou terminou?
Eu juraria que já li este conto, mas não me lembro do fim que levou.
Bom fim de semana!

Larissa Santos disse...

Bom dia.
O coto tem continuação? É que gostei tanto que fiquei comovida...Não tenho palavras.

O sistema é assim.. Mas o blogue merece as visitas. Parabéns.

Bjos
Votos de um óptimo Sábado.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Vou acompanhar e aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Cidália Ferreira disse...

Uma estória que tem tanto de fictícia como de real. isto porquê, porque antigamente era isto mesmo que acontecia! Hoje também acontece, mas porque as pessoas querem subir na vida, custe o que custar... AMEI e já estou ansiosa pelo próximo.
Mas se a Josefa morreu como ficaria a Elisa? Hummm


Beijo, e um excelente fim de semana!

noname disse...

De volta, aqui estou eu já a segui-la de novo.
Como vão os seus olhos? Já há melhoras?

Abraço

aluap Al disse...

Eu fui uma que vim ler postagens anteriores.
Quanto à de hoje continue, tal como vem fazendo, porque dessa forma proporciona aos mais jovens conhecerem o passado das nossas aldeias do interior.
Um abraço.

Cantinho da Gaiata disse...

Olá amiga Elvira, espero que esteja tudo bem com o jovem casal.
Passando para ler uma nova história e que belo início, gostei
Beijinhos carinhosos.

Meu Velho Baú disse...

Vou seguir atentamente....
Infelizmente este drama acontecia muito
Beijinhos

Os olhares da Gracinha! disse...

Vai ser mais um belo momento de leitura!!! Bj

Gaja Maria disse...

Oh. Que triste :)

Gaja Maria disse...

Oh. Que triste :)

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Uma história comovente, apesar de saber que infelizmente tantos e tantos casos se verificaram. Também com as criadas de servir, como se dizia no tempo de fascismo, assim aconteceu. Era revoltante!
Beijinhos,
Ailime