9.3.16

MANUEL DA LENHA - PARTE XXVIII



                                                               foto do google

Com água em abundância, a vida melhorou um pouco para o casal. Manuel, ia roçando o terreno e cavando courelas, onde semeava, os mais diversos legumes, e alguns frutos, como melão e melancia.  Nesse trabalho, sempre feito antes ou depois do seu horário normal de trabalho no armazém, era ajudado pelos dois cunhados que continuavam a viver lá em casa. 
Nas noites quentes de Verão, ele sentava nas escadas de madeira, ao lado dos filhos, olhando as estrelas.
-Paizinho, quantas estrelas há no céu ? - Perguntava a filha mais velha
-Ninguém sabe. Não se podem contar.
- Porquê? - Interrogava a miúda.
- Porque nascem verrugas em quem as conta. 
Num outro dia:
- Paizinho, tenho uma afta
- Anda cá. Vamos tratar disso. Vês aquela estrela. Aquela ali mais brilhante? Diz comigo:
"Estrelinha a minha afta diz que seques tu e medre ela, e eu digo que medres tu e seque ela."
E repetíamos por nove vezes.
Em Junho vinham os Santos populares. Pelo S. João,  ele construía enormes e coloridos balões de ar quente. E faziam-se fogueiras, que os mais novos saltavam cheios de alegria.
A vida melhorava lentamente no barracão. Já havia galinhas. De vez em quando uma galinha ficava choca. Manuel escolhia os ovos um a um colocando-os contra a luz, para verificar se eram ou não galados. Aos filhos fazia confusão, porque não serviam todos os ovos, e ele explicava, que dos ovos que não eram galados, não nasciam pintos. Os ovos simplesmente apodreciam se fossem postos debaixo da galinha choca. Então os não galados só serviam para comer.  Mas às vezes ele dizia:
- Este tem duas galaduras. E punha de parte.
Então porque é que esse não serve? Com duas galaduras devia ser melhor, dizia a miúda mais velha.
E ele paciente explicava:
-Não serve porque a segunda galadura, vai fazer com que o pinto nasça deformado. 
.Às crianças fazia uma certa confusão, mas iam guardando na memória os ensinamentos do pai. 
Porém o sonho do bacorito no chiqueiro estava mais difícil de conseguir.

19 comentários:

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Elvira.

A inocência da infância sem presente. A paciência de pai firme e forte =)
bj amg

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

E assim vai correndo a vida de uma maneira pacata, mas interessante.
Um abraço e continuação de uma boa semana.

Blog da Gigi disse...

Lindo dia!!!!!!!!! Beijos

Anete disse...

Boas novas do Manuel e família... Poço, plantações e crianças brincando com as estrelas...

Estou gostando mais e mais, Elvira...
Lá vêm outras emoções!
Abraço nesta 4ª feira.

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanha a história!


Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Anete disse...

Elvira, voltei p falar que o seu post não está atualizado na "lateral" do meu blog, talvez esteja c problema.
Antes vim p ler o que ainda não tinha lido e encontrei mais um capítulo novo e comentei...
C carinho

Laura Santos disse...

Muito giro a relação das verrugas com a contagem das estrelas, e a forma de tentar acabar com uma afta. E gostei de saber acerca das "galaduras", porque não sabia que duas galaduras o pinto nasceria deformado.
xx

✿ chica disse...

Que lindo,Elvira e essas coisas ficam sempre na memória , os ensinamentos, as crendices. Valem a pena! Fazem parte! beijos,chica

São disse...

As verrugas e as estrelas nessa relação também são minha conhecidas, só gostaria de saber onde foram buscar tal tontice :)

Espero que tudo tenha corrido bem ontem, pois infelizmente não pude ter o gosto de estar presente

Beijos

Renata Maria disse...

A infância sempre pedindo ao tempo a sutileza de esperar. Gostei muito.
Beijo*

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sou um pai tipo Manuel
só que mais ignorante que ele

nunca conseguiria curar assim uma afta

Pedro Coimbra disse...

Às vezes sonha-se com tão pouco...

LopesCa Blog disse...

Nunca tinha ouvido falar em duas galaduras :)


Blog LopesCa | Facebook 

Mariangela do lago vieira disse...

E assim em meio aos ensinamentos do pai, e o privilégio de gozar da sua companhia, ia se passando o tempo vendo ali a melhora visível da vida em família.Riquíssimo Elvira!
Um grande abraço com carinho!
Mariangela

Jaime Portela disse...

Mais um capítulo e mais um delicioso texto.
Excelente, como sempre.
Bom resto de semana, querida amiga Elvira.
Beijo.

Edumanes disse...

Vivendo e aprendendo! Ninguém nasce ensinado. Das duas galaduras já sabia, bem como de colocar os ovos contra a luz para ver se os que estavam ou não galados. Todavia, desconhecia a relação das verrugas com a contagem das estrelas. Nunca tinha ouvido falar em tal coisa!

Tenha uma boa tarde, amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

paideleo disse...

O saber popular é inmenso !.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Aos poucos ele vai conseguindo melhorar a situaçao. Continuo lendo e gostando.

Abraços,

Furtado.

Zilani Célia disse...

OI ELVIRA!
CONTINUANDO.
http://zilanicelia.blogspot.com.br/