20.7.07

MINHA ALMOFADA

Olha
esta pedra
dura
fria.

Nela
com alegria
descanso
minha carcaça
cansada.

Nela
rasgo
as minhas carnes
quando
em noites de inverno
não tenho outra cama.

Vê-la?

Será
minha almofada
quando
disser
o adeus á vida.

4 comentários:

ateneanike disse...

Me gustó mucho. Escribes muy lindo.

Anónimo disse...

Ah,...outras almofadas são precisas..por exemplo esse poema que escreveu...almofada dos seus sentimentos...gosto de pensar que é o espelho de um estado de alma do momento...espero que nada mais...mas sempre que sentir um nó por dentro pois aceite o convite dp papel branco, lençois, e das letras para almofada e deite-se...pois é um prazer Lêla...
Um beijo
Vicente

lula disse...

Lindo poema mas um bocado melancólico.
Sim, sim, eu sei que as coisas muito felizes raramente dão poesia.
As coisas tristes, pelo contrário, dão sempre belos poemas (se se souber escrever, claro)!

elvira disse...

ateaneanike: obrigada pela sua visita. Ainda bem que gostou. Volte sempre.

Vicente: ainda bem que gostou.
Grata pelo seu conselho.

Lula: Pois Maria tens razão, mas as coisas felizes não dão boa poesia, porque a felicidade não tem estória. A felicidade é a estória, é o poema, é a vida.