30.5.12

MANUEL OU A SOMBRA DE UM POVO - PARTE XXXV

Os filhos do Manuel nesse longinquo de 1956

A 10 de Julho, inicia-se em Estocolmo a primeira parte da 16ª edição  dos Jogos Olímpicos, que continuariam depois em Melbourne de 22 de Novembro a 8 de Dezembro. Nesse mesmo mês são aprovados os estatutos da Fundação Calouste Gulbenkian.  Por essa altura já o Manuel andava às voltas com os fatos de anjo para os filhos mais novos que nesse ano iriam na procissão de Nª Srª do Rosário no Barreiro, para cumprirem uma promessa feita pela mãe quando tiveram a tosse convulsa.  As sandálias já estavam prontas. Tinham sido feitas com um pedaço de cartão grosso e duas tiras de pano de lençol. Mas as asas estavam mais difíceis. Os vestiditos também já estavam que os padrinhos se tinham encarregado disso. Mas enfim quando o dia da festa chegou a promessa foi cumprida.
Ainda em Agosto, e numa tentativa de acalmar os ânimos em África, Craveiro Lopes visita as duas maiores colónias portuguesas. Angola e Moçambique. Tentativa gorada, já que no mês seguinte é Fundado o PAIGC, liderado por Amílcar Cabral e antes de Dezembro chegar a meio aparece o MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) chefiado por Agostinho Neto.
Em Setembro Manuel Guimarães consegue enfim estrear o filme “Vidas sem Rumo”, após 4 anos de luta com a censura que cortou grande parte do filme. Nessa altura regressaram os bacalhoeiros, e o movimento voltou à Seca. Por esses dias em Belém era inaugurado o Estádio do Restelo.
A 5 de Outubro estreia o filme “Os dez Mandamentos” e depois disso o cinema nunca mais foi visto da mesma maneira, tal a grandiosidade e efeitos especiais do filme.
Poucos dia depois, a 23 uma manifestação pacífica de estudantes em Budapeste acabou num banho de sangue quando a polícia abriu fogo sobre os manifestantes.
A 29 do mesmo mês, Israel invade a península do Sinai e força a tropa egípcia a
passar para o outro lado do Canal do Suez.
Dias depois o Exercito Vermelho invadiu a Hungria, e derrotou as forças nacionais. Mais de 20.000 morto foi o saldo dessa operação.
Em Dezembro em Lisboa, fazem-se grandes manifestações estudantis contra o decreto lei 40 900 sobre o regime de encerramento das associações de estudantes.

Esta história volta dia 3. Até lá boas leituras e bom fim de semana

17 comentários:

Paulo Cesar PC disse...

Querida Elvira, como continua tão rica e fabulosa, essa narrativa que você aqui tem publicado. É uma viagem que se faz a cada uma delas aqui, não tenho dúvidas. Um beijo no seu coração.

Pr Paulo Barreiros disse...

Olá Elvira!
Estou retribuindo sua visita. Gostei muito dos seu blog, foi muito bem elaborado e com um conteúdo riquíssimo.

Parabéns,

Paulo Barreiros.

Mariangela disse...

Fatos interessantes e uma bela descrição. E os filhos de Manuel, lindos, me fazem lembrar a minha infância quando vestíamos de anjo, para coroar Nossa Senhora.
Um abraço!
Mariangela

Zé do Cão disse...

Elvria
Cada pedaço desta escrita é um palpitar especial do teu coração, não é?

Uma manhã destas partiu de Lisboa para a Terra Nova, um bacalhoeiro português, sem aquele cerimonial costumeiro. Mas é verdade, foi.
Compraram a licença de pesqueiro a Cuba.
O meu afectuoso abraço

Fátima Pereira Stocker disse...

Cara Elvira

Os fatos estão primorosos e o material das sandálias só dá por ele quem sabe. Mas não foram os fatos que mais me encantaram: foi a boa criação patente no aspecto dos filhos do Manuel, resultante da labuta intensa do pai e da mãe das crianças. No fim, um gesto de grande carinho que se traduziu na despesa extra com a fotografia.

São pessoas grandes!

Beijos

António Querido disse...

Já li, gostei, boa continuação!
Deixo-lhe o meu abraço

Teté disse...

Bem me parecia que esta história tinha qualquer coisa de verídico ou de autobiográfico... :)

Beijocas!

Vitor Chuva disse...

Olá, Elvira!

A necessidade aguça o engenho, e os sandálias são uma obra de criatividade, ou de sentido de desenrascanço - de quem afinal parecia ter jeito para tudo...
É um prazer seguir a saga do Manuel, para além de tudo o resto que lhe serve de contexto.


E agora o pedido de desculpas em nome do meu Blogue.Quando tal me acontece,eu fico "danado", confesso; ultimamente, quando faço um comentário mais extenso prefiro não arriscar, e fazer cópia, para não ter que escrever tudo de novo - tantas são as vezes que isto já me sucedeu...E a tal história fica então para depois...

Abraço amigo.
Vitor

Andre Mansim disse...

Olá Elvira! Muito interessante esse capítulo.


Nossa teve mais de 20 mil mortos na batalha da Hungria???? Nunca imaginei que era um tanto de gente assim!

Beleza de texto!

Georgia disse...

Elvira, essa foi uma época muito difícil.

Sim, creme de leite, sao natas.

Bom fim de semana

Um grande beijo

Zé Povinho disse...

O manuel continua a sua luta pela sobrevivência em tempos difíceis.
Abraço do Zé

Lilá(s) disse...

Esta narrativa continua interessante e com um conteúdo riquíssimo! muitos parabéns amiga
Bjs

Olinda Melo disse...

Cara Elvira

Engenhosa e inventiva a confecção das sandálias... e estão lindíssimos os três.

Por cá e no resto do mundo uma excelente panorâmica das mudanças que se vão operando...mas espero pelo próximo post. :)

Bj

Olinda

Leninha disse...

Amiga Elvira,

Tua história agora vem se misturar à minha:também me vesti de anjo para cumprir uma promessa.
Ao Brasil também veio Craveiro Lopes,quando eu estava passeando no Rio de Janeiro.
Como vê,algumas coincidências unem tua história à minha vida.
Bjsssss,
Leninha

Evanir disse...

A saudade,
é um sentimento que
com o tempo traz tristeza,
que com a alma traz esperança,
e que se apoia na amizade.
*Verônica Januário Luz*.
Eu me apoio na sua amizade para
continuar seguindo minha história .
Sua visita e seu carinho me ajuda
a transpor barreiras nesse momemto .
Deus sempre é mais forte que a angústia.
E ele esta sempre presente na minha vida
continuarei levando minhas visitas
da forma que me for possivel
de estar sempre presente .
Não devo e nem posso me isolar das
minhas amizades por ñ estar conseguindo teclar.
Pode haver muitos Amigos em nossas vidas, mais amizades verdadeiras
para mim é para sempre.
Por isso falar sobre problemas , meus sentimentos,
não da soluções para todos os problemas da minha vida, dúvidas ou medos,
mas me ajuda a viver mais feliz.
Agradeço de todo coração pela sua amizade
e seu carinho.
Estou triste por não ser compriendida
por levar cola nas minhas visitas.
Na próxima semana vou fazer uma postagem.
Não tenho duvidas ,que a pessoa que me aborrece tanto
vai sentir vergonha de si mesmo.
Gracias pelo apoio.
Foi esse o motivo do meu afastamento por uma semana
receber mais insultos por email.
Desesejo um abençoado Final de Semana
paz e luz.
Beijos com saudades.
Evanir..





.

as-nunes disse...

Vai sair daqui um livro, não, Elvira?

É uma pena se assim não for. Focarem aqui estes fantásticos apontamentos dum tempo e do Homem que o viveu, descritos desta maneira, seria uma pena!

Bj
António

Luma Rosa disse...

Os filhos mais novos ficaram muito elegantes! Elvira estaria na fotografia? Um acontecimento documentado e com a riqueza da história que conta, me transporto para aqueles dias e saber que a família estava muito orgulhosa em cumprir a promessa.

Sobre o comentário perdido, fico bem chateada quando o blogger faz isso. Às vezes me esqueço, mas costumo antes de apertar para enviar o comentário, copiar. Assim, basta atualizar a página e colar o comentário novamente!

Por falar em comentário... não se adaptou ao integrado? :)

Beijus,