25.8.11

ISABEL - PARTE VI


foto da net


Continua
Mais um pouco da história na Segunda-feira.

A TODOS OS QUE POR AQUI PASSAREM  DESEJO UM BOM FIM DE SEMANA.

15 comentários:

São disse...

As recordações não são assim tão fáceis de afastar, infelizmente

Um abraço

Isamar disse...

Não é fácil esquecer o passado. Não há esponja que o apague e quando é traumático como o da Isabel, tanto mais difícil se torna.
O conto continua muito interessante. Se uma personagem teve um fim trágico, outras vão aparecendo e parece-me que começo a ver algumas pinceladas de cor na história que nos contas. Só tu sabes a conclusão da tua narrativa mas uma coisa é certa, há aqui um fiozinho que nos atrai e não conseguimos desligá-lo.Força, amiga! Não largues a "pena" e continua a deliciar-nos com os teus escritos.

Beijinhos

Bem-hajas!

Fernanda disse...

Amiga Elvira!

Creio que esta é a minha primeira vez aqui, neste Blog.

Gostei muitíssimo da sua prosa.
Voltarei para ler o fim do conto ou mais uma parte.

Ainda bem que conhecemos o doce sabor de abraçar alguém que só conhecemos virtualmente.
Há pouca coisa melhor do que essa maravilhosa sensação.

Sei que não foi esta a primeira vez que publiquei o poema da Maria José.
Vão sair muitos originais brevemente.

Beijinhos

Dualidades disse...

Muito obrigado pelos seus desejos. Um agradecimento sincero.

Deixe-me dizer-lhe que esta fotografia do seu blog é linda.
Foi tirada por si? E onde fica essa paisagem?

Dualidades JP

paideleo disse...

As historias onde saen nenos son sempre máxicas.
Continúa.
Boa fin de semana.

Ângela Coelho disse...

Li as seis partes hoje! Que conto triste e lindo.
Não existe uma borracha para apagar lembranças felizes e nem tristes.
Beijos.

HENRY disse...

LINDOS! LINDOS E LINDOS!!! Seus blog.

Obrigado pel sua visita, já estou te seguindo tambem. Eu vou com mais tempo ler cada texto seu, cada letrinha de todas as cores, escritas pelo sua mão. Voce no que escreve deixa pransparecer uma Mulher com uma alma Nobre. Eu vou saborear tudo aqui e nos outros seus blog.


Abraços, deste que já esta te seguindo.

Zé Povinho disse...

Pois bem, vamos ver se o banho faz esquecer algumas coisas que ainda a perturbam.
Abraço do Zé

Ana Martins disse...

Boa noite Elvira,
Vejo que tenho perdido uma história bem interessante. Voltarei para ler do inicio.

Beijinho,
Ana Martins

Lilá(s) disse...

Claro que o banho vai ajudar...mas volto amanhã para ter a certeza.
Beijinhos

Pena disse...

Estimada e Preciosa Amiga:
"...O telemóvel tocou e Isabel esboçou um gesto de aborrecimento mas não atendeu. Quando acabou guardou o frasco, voltou a colocar os olhos escuros e fitou o mar. A maré tinha subido um bom bocado desde que ela chegara, o sol aparecia a espaços entre as nuvens, e logo desaparecia como se estivesse jogando às escondidas com aqueles que estavam cá em baixo esperando por ele..."

Uma delícia de Conto. Parece entrar no âmbito do fabuloso. Literariamente perfeito com a sua assinatura de ouro.
Bem-Haja, pela amizade que guardo em mim de VOCÊ.
Abraço amigo de respeito ao seu talento enorme.
Adorei tudo o que vi. Fascina e maravilha.
Com imensa consideração pelo que, brilhantemente, faz.
Sempre a admirá-la

pena

MUITO OBRIGADO pelo carinho expresso no meu blogue.
Bem-Haja, valiosa amiga. O que escreve encanta.

Luís Coelho disse...

Um texto bem conseguido.
Entramos e seguimos a história.
Nada de mais num dia de praia, mas uma história que nos prende e nos leva a seguir o Sol que se esconde de quando em quando.

BRANCAMAR disse...

Não sei porquê, pressinto que o novo director comercial é o homem dos olhos cinzentos, será?

Vou ver... :))

Beijinhos

Filoxera disse...

Pode até ser que a Isabel estivesse muito sensível, mas eu acho que o encontrão e o beijo do menino da bola são situações que, naturalmente, mexem com quem as vive.
Voltarei, mais tarde.
Um abraço.

Ana Martins disse...

Espero que não venha mais nada por aí, Isabel já sofreu o suficiente.

Beijinho,
Ana Martins