15.10.07

ADRIANO CORREIA DE OLIVEIRA

Adriano Maria Correia Gomes de Oliveira, nasceu em Avintes em 1942, no seio de uma família tradicionalista católica. Tirou o curso do liceu no Porto. Em Avintes iniciou-se no teatro amador, e foi co-fundador da União Académica de Avintes. Foi para Coimbra em 1959, onde estudou Direito. Foi solista no Orfeon Académico de Coimbra, e fez parte do Grupo Universitário de Danças e Cantares e do Círculo de Iniciação Teatral da Académica de Coimbra. Tocou guitarra no Conjunto ligeiro da Tuna Académica. No ano seguinte editou o 1º EP acompanhado por António Portugal e Rui Pato. Em 1963 saíu o 1º disco de vinil, "Fados de Coimbra" que incluía a Trova do Vento que Passa, essa balada fundamental da sua carreira, com poema de Manuel Alegre, em consequência da sua resistência ao Regime Salazarista, e que as suas movimentações levaram a gravar, foi o hino do Movimento Estudantil.

Além disso Adriano Correia de Oliveira, tornou-se militante do PCP no início da década de 60. Em 1962 participou nas greves académicas e concorreu ás eleições da Associação Académica, através da lista do Movimento de Unidade Democrática.

Em 1967 gravou o vinil "Adriano Correia de Oliveira" que inclui entre outras a Canção com lágrimas.

Quando lhe faltava uma cadeira para terminar o curso de Direito, muda-se para Lisboa, onde trabalhou no Gabinete de Imprensa da Feira Internacional de Lisboa, e foi produtor da editora Orfeu. Em 1969 editou o "Canto e as Armas" tendo todas as canções poesias de Manuel Alegre. Nesse mesmo ano ganhou o prémio Pozal Domingues. No ano seguinte sai o disco de vinil "Cantaremos" e em 1971 "Gente d'Aqui e de Agora", que marca o primeiro arranjo, como maestro, de José Calvário, então com vinte anos. José Niza foi o principal compositor deste disco.

Fez-se um interregno de quatro anos, porque Adriano se negou a enviar os textos á Censura.

Em 1975 lançou "Que Nunca Mais" com direcção musical de Fausto e textos de Manuel da Fonseca. Este disco levou a revista inglesa Music Week a elegê-lo como o "Artista do Ano".

Fundou a Cooperativa Cantabril e gravou o seu último álbum, "Cantigas Portuguesas" em 1980. No ano seguinte numa altura em que já se encontrava doente, deixou a Cantabril e ingressou na Cooperativa Era Nova. Em 1982, com quarenta anos, num sábado, a 16 de Outubro, morreu em Avintes, nos braços da mãe, vitimado por uma hemorregia esofágica.

(Texto retirado da Wikipédia)

Hoje 25 anos após a sua morte, penso que cada dia mais faz falta a sua voz, para denunciar... a revolta que nos vai rasgando o peito.

12 comentários:

Sophiamar disse...

A homenagem a que tem direito.25 anos de dor e saudade. Uma voz que jamais nos deixará.

Beijinhossss

Pena disse...

Amiga Simpática Elvira:
Adriano Correia de Oliveira foi um marco de uma geração. Foi um marco de um povo lutador pelo simbolismo da luta trabalhadora e estudantil contra a ditadura fascista.
Quando era jovem ouvia-o fascinado, mas sem grande informação política ou ideológica.
Foi uma voz marcante do povo Português. Falou bem alto nas nossas fronteiras e fora delas, onde suportou a dor da distância anti-regime salazarista.
Acredito vivamente que a sua voz permanecerá bem viva em todos os portugueses de coração generoso e num gesto profundo de agradecimento pelo que a sua obra artística e talentosa a todos cativou e encantou.
Bela escolha, amiga doce Elvira.
beijinhos de amizade, respeito e muita estima.

pena

Maria disse...

O Adriano continuará sempre ao nosso lado, enquanto nos lembrarmos dele e a sua voz cantar em nossas casas....
Obrigada por este momento.
Beijinho

APÁTRIDA disse...

Teño que recoñecer que non coñecia a existencia de Adriano Correia de oliveira (unha eiva máis froito de vivir de espaldas os pobos ibéricos)pero a través da súa biografía, na que honras a súa memoria, vese que foi un home loitador, coherente. Un home dos que que loitan todo-los días. "Un home imprescindible"
Grazas a intercomunicaión entre os pobos coñece un a personaxes tan importantes na historia dos paises.
Un abraço

elvira carvalho disse...

Sophiamar:
Tem razão. Adriano merece a homenagem.Engraçado como tivemos a mesma ideia.
Um abraço

elvira carvalho disse...

Pena:
Nunca Manuel Alegre teve outro cantor que o interpretasse com o sentimento que Adriano, punha na voz.
Uma pena que aquela voz se fosse tão cedo. Mas a sua memória continua viva em mim como em milhares de portugueses.
Um abraço

elvira carvalho disse...

Maria:
De nada Maria. Adriano merece.
Um abraço

elvira carvalho disse...

Apátrida:
Aconselho-o a procurar no You Tube, alguns dos vídeos das suas canções. E depois se puder compre os cd. Nunca ninguém cantou os problemas dos nossos povos com tal sentimento.
Um abraço

franky.sequeira@gmail.com disse...

Esta VOZ que a nossa memória não esquece!
Bjs

Eskisito disse...

Sim, era uma voz que faz falta. Cada vez mais se cala Abril e a liberdade.
Beijos

Azul disse...

Pois faz,Amiga, pois faz..

E o EsKisito é que tem razão.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,