1.7.12

MANUEL OU A SOMBRA DE UM POVO - PARTE XL



O primeiro dia de 1958 ficou marcado pela entrada em vigor do Tratado de Roma, instalação em Bruxelas da comissão da CEE, presidida por Walter Hallstein, e da comissão da CEEA, presidida por Louis Armand
Em Portugal, um grupo de antigos candidatos a deputados do Porto encarrega o arquiteto Artur Andrade de falar com Humberto Delgado e começar a preparar a campanha para as eleições. Porém a oposição não estava unida, na escolha do candidato, e assim enquanto uma parte apoiava Humberto Delgado, a outra realizava um comício de apoio a Cunha Leal. 
 A meio desse mês um ciclone varreu toda a Seca. O barracão ficou sem telhado e a chuva encharcou tudo o que lá estava dentro. Felizmente que as crianças estavam na escola e o Manuel e a mulher no trabalho, o que fez com que pelo menos não houvesse danos físicos.
 Com pena do Manuel, que não tinha como comprar telhas para cobrir o barracão, o gerente da Seca deu-lhe umas placas de lusalite, iguais às que cobriam os diversos armazéns, e o Manuel lá pôs o “telhado” com a ajuda do cunhado e de um vizinho. Foi uma trabalheira, mas à noite o barracão estava coberto. Apesar disso, nessa noite dormiram no chão, enrolados em sacos de sarapilheira, daqueles onde se ensacava o bacalhau, já que toda a roupa ficara encharcada, e até os colchões de palha de centeio teriam que ser esvaziados e a palha posta ao sol para secar.
 A 30 de Janeiro, num jantar republicano no Porto, foi decidido que o candidato que fosse às urnas, teria que ir até ao fim, não poderia desistir na última hora, e no dia seguinte, três mil pessoas participam numa sessão comemorativa do aniversário do movimento 31 de Janeiro.
Nesse mesmo dia, é lançado o primeiro satélite artificial norte-americano, Explorer.
A 21 de Fevereiro, o Egito e a Síria instituem a República Árabe Unida e no dia seguinte são entregues ao Reino Unido 60 mísseis norte americanos com ogiva nuclear.
Dois dias antes do aniversário do Manuel, Francisco Cunha Leal anuncia a sua decisão de não se candidatar à Presidência da República, alegando motivo de doença, e no dia seguinte a candidatura de Humberto Delgado é oficialmente registada no Supremo Tribunal de Justiça.
Precisamente no dia do seu aniversário é anunciada a candidatura de Arlindo Vicente à Presidência da República. Dias depois a União Nacional assinala a passagem dos 30 anos de governo de Salazar, organizando manifestações de apoio. 

Boas Férias para quem está de férias e bom trabalho para quem trabalha.

22 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Noitinha de domingo,aqui, e me deparo, do outro lado do oceano, com mais uma excelente "fornada" produzida pela Elvira,a parte XL.

Vou estar em férias, mas não vou viajar, "caso" o filho único, no dia 21 próximo e não devo me descuidar dos preparativos para a cerimônia religiosa. Virei, para apreciar a parte XLI, não posso nem devo perder...

Um abraço,
da Lúcia

Severa Cabral(escritora) disse...

OLÁ MINHA QUERIDA !!!!!
SENTINDO SUA FALTA,FICO FELIZ PELAS NOTICIAS MENSAGEIRAS DE QUE VC TÁ BEM E QUE ESTÁS SEMPRE EM BUSCA DOS AMIGOS.E EU ME SINTO ASSIM TÃO QUERIDA POR VC ,QUE TIVE QUE ATRAVESSAR ESSE IMENSO MAR PARA TE ABRAÇAR.
SEMPRE FELIZ NAS POSTAGENS NESTA PARTE DO XL.
BJS MINHA FLOR AMADA!

Mariangela disse...

Bom dia Elvira!
Gostei muito dessa edição da história do Manuel.
Achei muito triste esse episódio que aconteceu à ele e sua família!
Abraços e uma boa semana!
Mariangela

Luís Coelho disse...

A figura do Manuel simboliza a luta de um povo entregue à sua própria sorte. Poderão chover as maiores desgraças e ninguém se apresenta com um gesto de solidariedade para ajudar e minimizar a dor.
São os pobres que se entre-ajudam com o que tem - a sua força de trabalho e de partilha.

A linha política de Salazar na sua maior dureza e a ousadia Humberto Delgado e de todo o movimento de apoio.

São disse...

E entramos no excitante período Delgado.

Um abraço, amiga

Mar Arável disse...

Sempre boas viagens
pela inevitável memória

Teté disse...

A vida nos finais dos anos 50 e em Portugal era dura e difícil, para quem trabalhava para sustentar a família. E para os que lutavam pela liberdade, com um Salazar já colado à cadeira durante 30 anos...

Beijocas, Elvira!

ps - relativamente ao post anterior, todos temos de vez em quando uns quiproquós com o blogger, os computadores e tal; felizmente, costumam passar... :)

Luma Rosa disse...

Manuel e sua família sempre passando por aprovações e mostrando a sua força!
Elvira, fiquei curiosa com o "conserto remoto" do seu computador. São amigos aqueles que nos salvam nas piores horas. Vê Manuel, sempre tem um anjo em seu caminho. Boa semana!! Aqui férias para uns e trabalhos para outros! Beijus,

paideleo disse...

Sigo marabillándome da vida de Manuel máis que dos políticos e Sputnoks e demáis zarandainas.
Hai tempo dicías no meu blogo que eu estaba de aniversario pero non é así. Eu estou de anos en marzo pero nunca o puxen no blogo.
Un saúdo.

lis disse...

Oi Elvira
Imprevistos acontecendo na vida do Manuel, a vida correndo lá fora e a solidariedades se fazendo presente , felizmente.
Salazar reinou todo esse tempo? precisava ler mais a respeito do que foram os 30 anos de Salazar para os portugueses.
abraços Elvira ,uma noite feliz

vendedor de ilusão disse...

Cara Elvira,
Admiro-me com suas postagens, são por demais instrutivas!
Tenhas um excelente final de semana.
Um abraço e até mais ver!...

vendedor de ilusão disse...

Cara Elvira,
Admiro-me com suas postagens, são por demais instrutivas!
Tenhas um excelente final de semana.
Um abraço e até mais ver!...

vendedor de ilusão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vendedor de ilusão disse...

Cara Elvira,
Admiro-me com suas postagens, são por demais instrutivas!
Tenhas um excelente final de semana.
Um abraço e até mais ver!...

vendedor de ilusão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vendedor de ilusão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vendedor de ilusão disse...

Elvira, saiba que não fiz de propósito, houve um erro que não compreendi e repetiu diversas vezes o meu comentário. Por favor, perdoe-me!

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

E lá continua o nosso Manuel na sua luta, sempre corajosos e tendo por perto verdadeiros anjos que na altura dos problemas acodem todos àqueles que precisam. Sou do tempo desses colchões de palha, Elvira e na aldeia onde nasci vi pessoas corajosas que nunca desistiam perante as misérias dos salários e o trablhao semelhante ao do tempo dos escravos. Hoje muitas dessas pessoas estão bem na vida, mas alturas houve em que nem um pão tinham na mesa. Tempos difíceis, amiga, mas o nosso Manuel vai vencer, de certeza. Um beijinho e boas férias se já nelas estiveres; se não... um bom trabalho. Fica bem e obrigada por esta verdadeira aula de história.
Emília

BlueShell disse...

Ainda trabalhando "no duro" mas me deleitando com a leitura dos teus textos...Admiro o moo como entrelaças a história de Manuel com os factos históricos...uma delícia e ´instrutivo. Obrigada.
Ainda be que o computador já está "melhorzinho"...LOL...

BEIJOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Isamar disse...

Mais um episódio muito interessante, Elvira. Curtinho, como deve ser, mas cheio de factos que nos prendem à leitura.Merece-me especial realce a luta incansável do Manuel para levar a vida a bom termo.Uma casa sem telhado, os haveres todos molhados, as suas três crianças sem abrigo e a coragem, de um homem inabalável e incansável, para dar à sua família o conforto, embora mínimo, que mereciam e necessitavam. Era assim a vida do povo! Tempos difíceis em que o pão era regado com sangue, suor e lágrimas. Um excelente relato.

Bem-hajas!

Beijinho

MARILENE disse...

Em meio a tantas ocorrências históricas, ele ainda passa por mais uma calamidade. Um batalhador, que você faz caminhar, com grandeza, entre os acontecimentos pessoais e mundias. Bjs.

Olinda Melo disse...

Ah, cá está o ano de 1958! é que comentei o seu último post em primeiro lugar.

E cá temos o 'General sem Medo' a tomar parte numas eleições que estariam à partida comprometidas.

Edificante a luta de Manuel, um homem que não esmorece. Tempos difíceis...

Bjs

Olinda