6.5.14

COM AS MINHAS PALAVRAS




 COM AS MINHAS PALAVRAS


Com as minhas palavras invento o Sonho
terá alma o Sonho?
Saberá dos milhares de crianças chorando
a fome
revoltados
pelo vento que arranca impiedoso
os frutos ainda verdes?

Com as minhas palavras invento a Vida
terá alma a Vida?
Saberá do silêncio dos que nascem
vivem
e morrem
no desespero da solidão?

Com as minhas palavras invento a Liberdade
terá alma a liberdade?
Saberá dos milhares de homens vivendo
dia após dia
hora após hora
a esmagar a raiva que martelam na memória?

Com as minhas palavras invento o Amor
Terá alma o amor?
saberá da indiferença dos que dormem
lado a lado
frustrados
na rotina agonizante do dia-a-dia.

Elvira Carvalho

19 comentários:

Graça Sampaio disse...

Muito bonito, Elvira! Muito atual. muito acertado, infelizmente.

Beijinhos.

Dorli disse...

Oi Elvira!
Quanta verdade tem o seu poema, agora ficar lado a lado na rotina do dia a dia agonizando deve ser cruel.
O ser humano não vive, vegeta.
Amei, pura verdade.
Obrigada pelo carinho
Beijos Lua
Singular

Bruxa disse...

Bom dia, querida Elvira!
Belíssimo poema, faz viajar, refletir...
Fiquei nostálgica ao ler seu comentário do fogão de lenha. Engraçado como uma "mera" postagem, faz tantos abrirem o coração ao recordarem de épocas vividas, de saudade... Viajei nas tuas palavras, visualizando uma menina agachada em frente ao fogão de tijolos, esperando o pãozinho assar... Época difícil, mas acredito que uma época de muito amor e companheirismo.

Abração esmagador e lindo dia.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito bonito e sempre valerá a pena fazer e ler um poema como este.
Beijos,
Renata

MARIA MACHADO disse...

Boa tarde querida Elvira!

Que maravilhoso poema falando de uma verdadeira agonia entre casais que não vivem, simplesmente vegetam como diz nossa querida Dorli.
Oi amada adorei sua visita obrigada!

Seu blog é muito lindo viu!

Um abraço!

Maria Machado

José Carlos Sant Anna disse...

Este é o condão da poesia: dialogar com o outro, abrindo-lhe, neste caso, o coração para a realidade que o circunda. Noutras palavras, fazê-lo abrir os olhos.
Belíssimo poema, Elvira! Belíssimo!
Beijos,

Zé Povinho disse...

Eu faço tudo o que posso para viver a vida, mantendo os sonhos e "regando" o amor...
Não vale a pena viver doutro modo.
Abraço do Zé

Anne Lieri disse...

Elvira,que belas palavras em seu poema! Gostei demais e peço licença pra levar pro meu Recanto tb.bjs,

Zilani Célia disse...

OI ELVIRA!
COM PALAVRAS, SIMPLESMENTE, DESTE ALMA E BELEZA A TEU POEMA.
LINDO DEMAIS.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Vitor Chuva disse...

Olá, Elvira!

Tantas interrogações pertinentes - comuns a tanta gente. E tantas vidas por viver, e destinos por cumprir...

Lindo texto!

Um abraço
Vitor

✿ chica disse...

Lindíssimo e profundo,Elvira! bjs,tudo de bom,chica

Lilá(s) disse...

Um lindo poema,com interrogações bem pertinentes e comuns a muita gente.
Bjs

Luma Rosa disse...

Oi, Elvira!
Há alma em tudo o que existe, pois se assim não fosse, nada existiria! Pena que o pesadelo também existe!
Beijus,

Fátima Pereira Stocker disse...

Cara Elvira

A palavra dita realiza o dito. Foi isso que escreveu em cada um dos primeiros versos deste seu muito lindo poema. Sobra-me responder à pergunta: se a palavra dita foi sentida, a realização que dela emanar possuirá a alma de quem falou.

Um beijo

Maria Teresa Fheliz Benedito disse...

Maravilhoso, verdadeiro, atual, instigante e inspirador.
Parabéns Elvira, amei!
Um abraço amiga linda.

Anne Lieri disse...

Oi Elvira! Vim agradecer seu carinho e tb por me permitir postar sua poesia em meu blog. Assim que sair te aviso,ok? bjs,

Celina disse...

Obrigada Elvira pela visita e o comentário, desejo a vc tudo de bom , paz e felicidade, um abraço fraterno , Celina

Duarte disse...

A alma, esse sentido ético da vida, está em tudo aquilo que empreendes, rige os teus ímpetos: sempre que te entregues com ALMA. Tu, mulher de nobres sentimentos...
Um grande abraço

Maria disse...

Quanto talento...e sim creio que o amor tem alma :))!
Beijinhos
Maria