20.6.13

FESTAS POPULARES - SANTO ANDRÉ



 Este é o programa das festas da Vila de S. André, aqui à beirinha do Barreiro.  Para os que não são daqui mas se interessam por história, vou contar o que sei sobre o Padroeiro da Vila e também sobre a localidade em si. 
Esta é a imagem de Santo Andre, o apóstolo um dos pescadores de homens que Cristo chamou.



Pescador em Cafarnaum, foi o primeiro a receber de Cristo o título de Pescador de Homens e tornou-se o primeiro a recrutar novos discípulos para o Mestre. Filho de Jonas tornou-se discípulo do João Batista, cujo testemunho o levou juntamente com João Evangelista a seguirem Jesus e convencer seu irmão mais velho, Simão Pedro a seguí-los. Desde aquele momento os dois irmãos tornaram-se discípulos de Cristo e deixaram tudo para seguir a Jesus.

Segundo as Escrituras esteve sempre próximo ao Cristo durante sua vida pública. Estava presente na Última Ceia, viu o Senhor Ressuscitado, testemunhou a Ascensão, recebeu graças e dons no primeiro Pentecostes e ajudou, entre grandes ameaças e perseguições, a estabelecer a Fé na Palestina, passando provavelmente por Cítia, Épiro, Acaia e Hélade. Para Nicéforo ele pregou na Capadócia, Galácia e Bitínia, e esteve em Bizâncio, onde determinou a fundação da Igreja local e apontou São Eustáquio como primeiro bispo.
Finalmente esteve na Trácia, Macedônia, Tessália e Acaia. Na Grécia, segundo a tradição foi crucificado em Patros da Acaia, cidade na qual havia sido eleito bispo, durante o reinado de Trajano, por ordem do procônsul romano Egéias. Atado, não pregado, a uma cruz em forma de X, que ficou conhecida como a cruz de Santo André, ainda que a evidência disso não seja anterior ao século catorze. Suas relíquias foram transferidas de Patros para Constantinopla (356) e depositadas na igreja dos Apóstolos (357), tornando-se padroeiro desta cidade.
Quando Constantinopla foi tomada pelos franceses no início do século treze, o Cardeal Pedro de Cápua trouxe as relíquias à Itália e as colocou na catedral de Amalfi. Anos mais tarde, seus restos mortais foram levados para Escócia, mas o navio que os transportava naufragou em uma baía que assim foi denominado a Baía de Santo André. É honrado como padroeiro da Rússia e Escócia e no calendário católico é comemorado no dia 30 de novembro, data de seu martírio.

 A HISTÓRIA DA VILA DE SANTO ANDRÉ



Brasão
brasao1
 Escudo de prata, nave de vermelho de quatro estacas do mesmo; em chefe, cruz de Santo André, ancorada, de azul, à dextra e cruz e cruz de Ordem de Santiago, de vermelho, à sinistra; campanha ondeada de azul e prata. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro, em maiúsculas: "SANTO ANDRÉ" - BARREIRO.
Esquartelada de vermelho e branco. Cordão e borlas de prata e vermelho. Hasta e Lança de ouro.
 Bandeira
bandeira


 A actual Freguesia de Santo André, no Concelho do Barreiro, tem origens históricas que remontam ao lugar da Telha, referenciado em documentos do séc. XVI do mosteiro de São Vicente de Fora.
No séc. XIV e XV, o lugar da Telha constituía uma zona predominantemente rural, tendotelha sido objecto de emprazamentos feitos pelo convento da Graça de Lisboa a diversos foreiros.

Nos finais do séc. XV começa a surgir um agregado populacional, que se desenvolve no século seguinte, acompanhado do seu respectivo aumento demográfico.

O pólo de desenvolvimento emergente do Estaleiro Naval alastra a toda a zona ribeirinha do actual Concelho do Barreiro dando origem à fixação de profissionais ligados à construção Naval nas suas diversas artes.

Aqui se constituíram as Naus que demandaram até às Canárias na descoberta do caminho marítimo para a Índia, que foram baptizadas na Igreja de santo André, na Telha.

No séc. XIX o estaleiro é desactivado, o que leva a um decréscimo da população. Nesta época, a Igreja de Santo André é referenciada como importante ponto de deslocação de peregrinos, o que não pode ser desligado da construção de um Hospital, por iniciativa de um dos párocos, mantendo a zona da actual Freguesia as suas características rurais predominantemente ligadas à produção vinícola.

Ainda à poucos anos se produzia na Quinta das Canas “Telha” os bons vinhos desta conceituada marca.

A instalação de uma fábrica de pólvora na Quinta do “Himalaia” Caldeira,  no séc. XIX veio constituir novo factor de desenvolvimento populacional da Telha. A acessibilidade fluvial da zona foi determinante para a instalação desta unidade industrial.

No mesmo séc. Foi instalada na Azinheira Velha  uma importante indústria de seca do bacalhau, integrada na Parceria Geral de Pescarias, de Bensaude & Cª. Com sede em Lisboa.

No início do séc. XX o fluxo da população nomeadamente oriundas do Alentejo e do Norte, procurando trabalho nas unidades industriais que se começam a implantar no Concelho do Barreiro, faz surgir novos agregados populacionais ao redor das antigas Quintas, cujas denominações ainda hoje estão sedimentadas na consciência colectiva (Quinta da Lomba, Quinta das Canas, Quinta dos Arcos).

O desenvolvimento demográfico da zona da Telha atinge a partir dos finais da década de 50, características próprias de um núcleo populacional com características autónomas que vieram determinar em 25 de Outubro de 1973 a recriação da Freguesia de Santo André cujos limites vieram a ser alterados em 1985, com a criação de novas Freguesias.


  Agregado populacional de fortes tradições democráticas, a Freguesia de Santo André tem nas suas colectividades de Cultura, Recreio e Desporto um importante factor de participação colectiva e de espaço de discussão e vivência própria, que se inseriu activamente no processo de transformação democrático vivido pela sociedade Portuguesa nas última décadas.  

- A Freguesia de Santo André foi elevada a Vila em 21 de Junho de 1995. 
 
Fontes: portal da Junta de freguesia, e Igreja Católica

17 comentários:

São disse...

Boa lição de História e bem ilustrada.

Amiga, que tenha uma boa diversão.

Abraço grande

Luis Eme disse...

bela lição de história local.

abraço Elvira

✿ chica disse...

Bom saber dessas histórias e quantas festas! beijos,chica

Duarte disse...

A cruz de Santo André está no Brasão destas terras de Valência, Benimàmet, na que vivo há uns anos.
Interessante a informação que aportas, como sempre.
Aquele abraço amigo

LUZ disse...

Olá, estimada Elvira!

É sempre bom aprender, e noutros casos, relembrar.

Eu sabia que Sto. André era padroeiro da Rússia, e muito venerado, também, em alguns países da Europa de Leste. Aliás, o nome André e Violeta, são muito usados, nestes países.

Saber um pouco da história local, tem bastante interesse, porque afinal, é onde vivemos.

De facto, muitos alentejanos, sobretudo do Baixo Alentejo, para aí se deslocaram, à procura de melhores condições de vida, e conseguiram-no.

Embora estas festas tenham origem pagã, e a nossa igreja sabe desse facto, elas desde há muito que são verdadeiras demonstrações de fé e de união entre os católicos.


Bom fim semana.

Beijos, com estima, para todos.

. intemporal . disse...

.

.

. é pela história que se vê a grandiosidade de um povo . e em cada pequena história há sempre uma enorme história para recontar .

.

. festas felizes . de santo André .

.

. um beijo meu .

.

.

Paulo Cesar PC disse...

Querida Elvira, que maravilhosa aula de história local que você acaba de nos dar. Maravilhoso isso! Um beijo no seu coração.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Cheguei a tempo, no último dia da Festa de Santo André. Histórias lindas, do santo e a da freguesia.
Bem detalhada, com todos os pormenores. Parabéns, Elvira, muito bonito tudo que você expôs. Imagino, com será hoje!
Bom domingo, com festas do padroeiro.
Um abraço,
da Lúcia

Silenciosamente ouvindo... disse...

Belíssimo trabalho da amiga em
relação à freguesia de Stº.André
que felizmente conheço.

É sempre muito bom divulgar a
história das n/cidades ou vilas.

Bom trabalho.

Bom domingo.

Bj.

Irene Alves

Nilson Barcelli disse...

Há festas e romarias por todo o país... Mas fizeste um magnífico post acerca do S. André.
Elvira, querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo.

Zé Povinho disse...

Gostei de ler um pouco da história e das festa só posso dizer que as sardinhas não estavam a pingar no pão, mas deu para inaugurar a tradição da quadra.
Abraço do Zé

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Traços de história dessa povoação que são comuns em quase todas as localidades portuguesas.
Momentos bons de progresso e outros menos bons de despovoamento e de características económicas difíceis.

A religião faz uma ligação perfeita entre a cultura e a história e mantém as tradições vivas.

António Querido disse...

Obrigado amiga Elvira!
Por nos falar de S.to André e da sua Vila, possivelmente já lá passei mas em passo de corrida como fuzileiro, no meu início de casado, vivi na Quinta da Lomba, portanto já fomos vizinhos, desejo-lhe boas festas e que S.to André não se esqueça de nós.
O meu abraço

Idanhense sonhadora disse...

Olá Elvira , pronto parece que aquele problema de acesso aos comentários desapareceu . Estive a ler atentamente a sua aula de História .Eu não faria melhor .Por acaso nunca fiz nenhum trabalho sobre Sto André .Fiz sobre a CUF , o Movimento operário ,a criação da Escola Alfredo da Silva e o Vale do Zebro--- a construção naval e o fabrico do biscoito ( O pão que os barcos que fizeram a expansão levavam ) nos descobrimentos .Ainda fiz um muito giro que provava que as princesas que vinham para casar com reis de Portugal eram recebidas a meio do Tejo por barcos que as saudavam e pelo rei no Barreiro .Mas ficou tudo pela Escola , pelos alunos e na Biblioteca da Escola .Também gosto da foto que é capa do seu blogue !!Vi muita vez essa paisagem das janelas da Escola ;É uma paisagem linda
Beijinhos

esteban lob disse...

Hola Elvira:

Tal como Kennedy expresó una vez de visita en la actual capital alemana
"soy un berlinés" (lo dijo en idioma alemán), yo tras leer tu post me siento apto para decir "soy un sanandreano".

Abrazo.

Luma Rosa disse...

Oi, Elvira!!
Você sabe tudo de história! Fico admirada!
O patriarca da minha família veio de Portugal e tinha o nome André em homenagem ao Santo.
Tudo que sabia sobre o santo era bastante superficial e o mesmo com Freguesia de Santo André, obrigada!!
Boa semana!!
Beijus,

Mariazita Azevedo disse...

Boa tarde, Elvira
Estive a pôr em dia "Vidas Cruzadas", culminando com o seu final, e a seguir li este óptimo post sobre Santo André.
Desconhecia completamente a sua história, que achei muito, muito interessante, bem detalhada em seus pormenores.
Gostei imenso.
Espero que tenha aproveitado as festas :)

Um abraço