Seguidores

16.11.17

ARMADILHAS DO DESTINO - PARTE XVII





 Enquanto esperava por ela depois de ter pago as suas compras, Nuno observava, o rosto delicado, os cabelos soltos, a figura esbelta. Não tinha dúvidas de que era uma mulher muito bonita. A jovem que ele amara, dera lugar a uma mulher em toda a sua plenitude. Era estranho que estivesse sozinha. Segundo o seu pai lhe dissera, ela estivera casada pouco mais de um ano. Seria que tinha amado tanto o marido, que não queria atraiçoar a sua memória? De qualquer modo isso não lhe interessava. Ele não a deixaria entrar na sua vida, não a deixaria saber do seu acidente, nem a deixaria saber que ele já não era um homem por inteiro.
Não, ele só queria vingar-se de toda a amargura que ela destilara na sua alma. Hoje era só o que lhe restava. Saborear a vingança.
Luísa acabou de meter as compras nos sacos, pagou e saiu.
- Não devias ter esperado. Estás a atrasar-te.
- Não tenho pressa. É sábado. Não tenho urgências este fim-de-semana. E não respondeste ao meu convite. Almoçamos juntos?
- Não posso mesmo.
- E jantar? Não me vais dizer que também não podes. Não estou a pedir nada de especial. Apenas um jantar de amigos.
-Está bem, - concedeu sem se atrever a olhá-lo.
- Há algum sítio da tua preferência?
- Não. Escolhe tu.
Tinham chegado junto do carro dela. Abriu o porta bagagens, e começou a arrumar os  sacos de compras.
- Às oito vou buscar-te. Mas tens que me dizer onde moras.
- Na mesma casa que vivia naquela época. A casa de meus pais.
- Está bem. Lá estarei às oito. Até logo.
Fez-lhe uma leve carícia no rosto, e afastou-se em direção do seu carro.
Luísa, ficou uns segundos a vê-lo afastar-se, depois entrou no carro e manobrou para sair do estacionamento e seguir para casa. Estava perturbada com o encontro. Nuno fora o único homem que amara, e era também o único,  desde a morte do marido, cuja aproximação não lhe provocava pavor.
Mesmo tendo passado catorze anos, e muitas horas de tratamento psicoterapêutico, ela ainda não se sentia muito confortável na presença do sexo oposto. Com Nuno as emoções que ela sentia, não tinham nada a ver com medo.  
Continuava a ser um homem bonito e com uma presença marcante.
Estranho, era não ter casado, pois adorava crianças, e ela lembrava bem dos  projetos que partilharam no passado. Uma casa com jardim, e espaço suficiente para criar três filhos.



Uma leitora reparou na alteração do titulo .  Os demais se repararam não comentaram.  O titulo anterior nunca me agradou, mas não queria repetir-me com um conto a ser publicado sem titulo.  Leram com atenção este capítulo? Que vos parece que se passa com o Nuno? 

20 comentários:

✿ chica disse...

Percebi a troca do título, achei que te tivesses enganado. Esperando pra ver por esse encontro dos dois. Tomara Nuno não queira vingança...bjs, chica

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Elvira!
Percebi sim mas não entendi.
Quantoao Nuno, deve ter ficado estéril?
Acompanhando para ver.
Seja feliz e abençoada!
Bjm de paz e bem

Lucia Silva disse...

Tomara mesmo que ele não queira vingança. pois os fará sofrerem mais ainda.
Abraços!

noname disse...

Não gosto de pessoas vingativas, especialmente as que ficam a ruminar a vingança pelo tempo fora, ficam amargas, duras, cínicas, que é o que o Nuno está a ser, para com ela. Acidente? O Nuno teve um acidente? falhei a leitura de algum capítulo, ou é novidade?

Boa noite Elvira :-)

Tintinaine disse...

Dei pela troca do título, mas não pensei duas vezes sobre isso.
O Nuno sofreu um acidente e ficou sem pila!

Diana Fonseca disse...

Estou curiosa para saber o que ele tem.
Será que teve algum problema e não pode ter filhos ou algo do género? Se calhar ando muito longe.
Só espero que esse desejo de vingança não o leve a arrepender-se.
Estou a gostar da história, D. Elvira.

Beijinhos, Diana.

Pedro Coimbra disse...

O Nuno está cheio de raiva.
Algo que se acumula quando não há diálogo.
Um abraço

Roaquim Rosa disse...

bom dia
realmente a vingança não é nem nunca será a melhor escolha seja para que fim for , mas como ele não sabe também o que se passou com ela , ainda está magoado da forma como foi dispensado . só o tempo e o dialogo entre os dois fara com que tudo se resolva .
embora o titulo com a armadilha tenha qualquer coisa que ainda nos está a escapar.
JAFR

Isa Sá disse...

A passar pro cá para acompanhar a história!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Cantinho da Gaiata disse...

Coisas de uma vida marcada pelo abandono, mas penso que o Nuno vai mudar, quando souber a historia dela.
Tinha reparado na mudança do titulo mas pensei que tinha sido um deslize...hehehehe.
Desejando saber mais adiante.
Beijinho grande amiga.

Larissa Santos disse...

Bom dia. Belo texto, insigante. Como diz uma leitora, se calhar ficou estéril.. espero para ver. Gostei.

Bjos
Uma boa Quinta-Feira

Anete disse...

Olá, querida Elvira...
A história tá muito boa. O casal precisa conversar e entender os ocorridos, sentimentos um do outro. O Nuno se sentiu rejeitado e não imagina os sofrimentos que a Luísa passou...
Bjs

Anete disse...

... Voltei! Que bom que vc e marido já estão bem de saúde!...
Com carinho

rendadebilros disse...

Sempre a prender-nos à história com um suspense gradual! É preciso saber! Muita perícia com as palavras! ( As crianças podiam estar em aulas, sim! mas, mesmo que estivessem em intervalo, não são autorizadas a sair e muitas outras ficam agarradas aos telemóveis. Os pais também não gostam que eles se sujem ou esfolem os joelhos. São outras épocas! Mas a garotada nos recreios era uma alegria e "prova de vida"! Mudam-se os tempos...) Beijinhos.

Bell disse...

oi querida

Sabe lendo me identifiquei, tanta gente pergunta pq to solteira rs...

bjokas=)

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Hum!
Será que ficou estéril?
Quanta mágoa no coração dos dois!
Beijinhos.

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Também dei pela alteração do título, mas não ia dizer nada;))!
A história está numa fase em que tudo pode acontecer.
O Nuno devido ao acidente talvez tivesse ficado com algum problema que o limite e até sinta inibição em falar do assunto.
Vamos aguardar o desenrolar dos acontecimentos.
Beijinhos,
Ailime

Edumanes disse...

Se Nuno já não é um homem inteiro. Que deixe Luísa viver em paz. As mágoas do passado, não as resolve com a vingança!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Odete Ferreira disse...

Ambos com histórias muito marcantes e a não quererem expô-las. Vamos ver como a narradora pega nelas.
Bjinho

Rosemildo Sales Furtado disse...

O melhor é aguardar os acontecimentos no jantar e no pós jantar.

Abraços,

Furtado