30.7.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE XX







- Diogo adormeceu antes da hora da missa, e foi preciso levá-lo ao colo, tarefa dividida entre a mãe e os avós. Embora Fernando fizesse questão de o levar, Helena disse que não era prudente, havia apenas três semanas que tinha feito a cirurgia. Durante a missa, o homem suplicou ao Jesus Menino que lhe concedesse a graça de recuperar a memória. Helena também suplicou ao Deus Menino pela sua recuperação. No regresso foram distribuídos os presentes. Uma vez mais Fernando se emocionou ao ver que Helena embrulhara alguns presentes em seu nome para ele distribuir. Aquela mulher era um anjo que Deus lhe mandara num momento de provação. Por fim todos se foram deitar. 
O dia de Natal amanheceu coberto de neve, o que provocou a alegria do menino, que na sua curta vida nunca a tinha visto a não ser na televisão. Ele e Fernando, fizeram um belo boneco em frente à casa, antes da ida à missa.
Depois da homilia, toda a família cumpriu o ritual de beijar o Menino Jesus.
Como estava bastante frio, e continuava a nevar, a família ficou em casa, Diogo adormeceu, e os adultos entretiveram-se com um animado jogo de cartas até à hora do lanche, altura em que a criança acordou. As horas decorriam lentamente. Helena pensava que nunca um dia de Natal lhe parecera tão longo. Esperava que no dia seguinte o inspetor visse a mensagem. E que dissesse alguma coisa. Mas como tudo que começa, acaba, também aquele interminável dia chegou ao fim.
No dia seguinte, encontravam-se à mesa, a tomar o pequeno-almoço, quando o telemóvel tocou. O inspetor informava que tinha lido a mensagem, mas precisava da presença urgente do jovem na esquadra. Precisavam tirar-lhe as impressões digitais, e verificar se correspondiam às de Fernando Monte Real, pois a foto só por si, não queria dizer que se tratasse dele, há pessoas que são cópias exatas de outras. E como ele continuava sem memória, só assim poderiam ter a certeza, para aprofundarem a investigação.
Helena desligou o telemóvel, e voltando-se para os pais,  disse:
-Era do hospital. Pedem-me para interromper as férias, há um grande afluxo de doentes com gripe, estão a chamar os médicos que estão de férias. Vamos acabar de comer e arrumar as nossas coisas para a viagem. Lamento ter ficado pouco tempo convosco, mas prometo voltar logo que possa.


14 comentários:

Tintinaine disse...

Admira-me não o terem posto a tocar piano, só para ver se a sua memória musical também foi à vida.

Isa Sá disse...

a passar acompanha a história e desejar um bom domingo!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

✿ chica disse...

Gostando e tomara as digitais coincidam e que ele possa realmente saber quem é pra retomar a vida pouco a pouco...Muito ainda a acontecer!!! bjs, chica

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
esta historia está mesmo feita para nos agarrarmos a ela .
continuação de um bom domingo.
JAFR

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia amiga!
Desculpe minha ausência é que fiz uma cirurgia e logo em seguida meu marido teve que fazer duas de emergência e tive que ficar afastada do PC.
estamos bem graças a Deus.
Aos poucos estarei voltando, beijinhos no coração.

Edumanes disse...

Isto é que vai aqui uma, bela, açorda,
Helena, aos seus pais não disse a verdade
a sinfonia navega com o vento pela proa
rumo ao cais, onde os espera a felicidade!

Bom domingo, e continuação de boas férias amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Maria do Mundo disse...

Bom Domingo!!! Só para avisar que o meu antivirus me avisa sempre que tenti entrar aqui que é arriscado.

Os olhares da Gracinha! disse...

A falta de memória vira mistério!!!
Bj

Gaja Maria disse...

Que imbróglio :))

Cantinho da Gaiata disse...

Impressões digitais, uuui é desta que vamos saber mais sobre o mistério.
Estou adorando.
Beijinho e continuação de boas férias.

redonda disse...

Hum, e será que ele não tem também familiares preocupados com ele?

redonda disse...

um beijinho e continuação de boas férias

Pedro Coimbra disse...

O sentido do dever.
Boa semana

Rosemildo Sales Furtado disse...

Realmente! Com as impressões digitais não haverá engano.

Abraços,

Furtado