21.7.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE XI



-Porquê, doutora? Porque me trazes para tua casa, e me tratas como se fora alguém da tua família?
- Não sei, - disse sustentando-lhe o olhar. -Talvez porque me sinta responsável por ti, desde que te vi meio morto na estrada, ou porque a época é de fraternidade e me aflige, que não saibas quem és, nem para onde hás de ir. Ou porque sempre me senti, um pouco a Joana D'Arc, e nunca tive oportunidade de o demonstrar. Ou simplesmente,  porque gostaria que alguém me ajudasse se fosse comigo. Mas isso que importa? Tenho que ir lá acima ao quarto andar, buscar o meu filho, a festa do amigo já terá terminado. Depois acabo de preparar o jantar que na verdade já está feito, é só ligar o forno para o aquecer. Enquanto isso, podes ir para o teu quarto descansar, ou para a sala, tens lá vários livros, ou  se te apetecer, liga a Televisão.
Com os olhos brilhantes de emoção, ele beijou-lhes as mãos e disse:
-És uma mulher incrível, doutora. Oxalá a tua generosidade possa ser recompensada.
 Soltou-a e virou-se para a janela, para esconder dela o desespero que a sua situação lhe provocava.
- Não fiques assim. Tenta relaxar. Quanto mais te esforças, mais frustrado ficas. A tua RM não acusou nenhuma sequela que seja a causa da amnésia. Deves ter tido um choque grande e o teu subconsciente recusa-se a recordar. É como se ele receasse alguma coisa. Quando deixar de recear, recordarás tudo. Agora, vou buscar o Diogo. Deveríamos arranjar-te um nome. Não pudemos dizer-lhe que não te lembras dele, porque isso iria fazer uma grande confusão, na sua cabeça. Tens predileção por algum?
- Fernando – disse sem pensar, e acrescentou. Foi o primeiro que me ocorreu. Será que é o meu nome?
- Quem sabe? Pode ser. Até já – disse saindo e deixando-o a sós com os fantasmas  que o atormentavam.
Fernando, - vamos chamar-lhe assim- foi até à sala. Acendeu a luz, e dirigiu-se à estante que ocupava toda uma parede. Muitos livros relacionados com a medicina, diziam bem do interesse da dona da casa. Mas também havia muitos outros. Clássicos da literatura mundial, como Goethe, Balzac, Shakespeare, Dostoiévski, Homero, Dante, Camus, Victor Hugo, Sartre, Ionesco, Steinbeck, entre muitos outros. Mas também os de língua portuguesa, como Camões, Pessoa, Machado de Assis, Jorge Amado, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Virgílio Ferreira, entre um numeroso grupo de bons autores. Escolheu “O Náufrago” de Thomas Bernhard, porque no fundo era assim que ele se sentia. Um náufrago da própria vida.
Sentou-se no sofá e abriu o livro. Mas não teve tempo para iniciar a leitura, porque nesse momento, a porta abriu-se e Helena voltou com o filho.
  




10 comentários:

✿ chica disse...

Imagino a confusão em que se encontrava o agora Fernando! Vamos seguindo... bjs praianos,chica

Tintinaine disse...

Fernando?
Também esse nome não me ajuda a lembrar nada!
Estou á espera de ver qual a rasteira que a Elvira nos vai passar com a identidade do homem.

António Querido disse...

Vou continuar a acompanhar o Fernando, até virar Fernandel, fernandinho, ou Joãozinho! Esses acidentes são mesmo horrorosos.

O meu abraço

Anete disse...

Interessante história. Uma característica de suspense sempre presente nos seus escritos, Elvira...
Vamos adiante, lendo e concluindo. Tirando proveito das suas inúmeras criatividades...

BOAS FÉRIAS e até um dia desses...

Edumanes disse...

O Fernando não se lembra, se é esse o seu nome! Mas tem a preciosa e amorosa ajuda da doutora Helena, que o fará dele se lembrar. O que é preciso é dar tempo ao tempo, e com o tempo no tempo ter paciência e saber esperar!
Tenha uma boa tarde a caminho de Lagos, se é que ainda lá não chegou amiga Elvira, uma abraço,
Eduardo.

Jaime Portela disse...

Um enredo bem narrado.
E fica-se com água na boca à espera do próximo capítulo...
Elvira, um bom fim de semana.
Beijo.

Taty disse...

Aguardando o próximo capitulo ansiosamente!
Um ótimo final de semana!
Bjus
Taty
Na Casa dos Abrantes
Canal

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
está mesmo a pôr os leitores ansiosos !!!
Bom fim de semana
JAFR

redonda disse...

Será que ele se chama Fernando?
Parece que gosta de ler...

Rosemildo Sales Furtado disse...

Se foi o primeiro nome que lhe veio à cabeça, quem sabe, Fernando pode ser, realmente, o seu nome.

Abraços,

Furtado