20.7.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE X






Na rua o homem parou, piscou os olhos por causa da luz daquele bonito dia de sol, e respirou fundo. Depois retomou a marcha, seguindo Helena em direção ao carro. Quando o veiculo começou a rodar, ela comentou:
-Amanhã, vamos ao centro comercial. Precisa de comprar algumas roupas.
- Mas como? Não tenho dinheiro!
- Eu sei. Mas posso emprestar-lhe o suficiente para que compre o necessário. Pagar-me-á quando recuperar a sua vida.
- E se isso nunca acontecer doutora? Não posso viver às custas da sua generosidade.
- Não se preocupe. Quando menos esperar, recupera a memória. Foi pena que não se deixasse hipnotizar. Podia ser que o psiquiatra tivesse descoberto algo.
- Mas não foi culpa minha, juro.
- Chegamos, - disse ela estacionando o carro junto de um prédio de apartamentos. Moro no segundo andar. Vamos?
Acionou o mecanismo da chave para fechar o automóvel, ao mesmo tempo que se dirigia para a entrada do prédio seguida pelo homem. Se a porteira a visse, decerto ia estranhar. Morava ali há três anos, e nunca entrara ninguém na sua casa, a não ser a empregada, e os seus pais, quando vinham passar uns dias com ela. Não utilizaram o elevador. Ela nunca o usava, preferindo subir os dois lances de escadas, e naquele dia não foi diferente, até porque pensou, que depois de tantos dias, na cama, ele precisaria de exercício. Abriu a porta, acendeu a luz, pendurou a mala num cabide à entrada, e voltando-se para ele que se mantinha em silêncio, disse:
- Venha, vou mostrar-lhe a casa. Aqui é a sala, digamos de recreio. Aqui pode ler, ouvir música, ou ver TV. Aqui é a sala de refeições. É pouco utilizada, como vivo sozinha com o filho, comemos sempre na cozinha. É mais aconchegante. O quarto principal, o quarto do Diogo, e o quarto dos meus pais, que será o seu, enquanto aqui estiver. No armário, estão algumas roupas, para dormir confortável hoje. Espero ter acertado com o tamanho. Aqui  são as casas de banho. Esta é a que uso com o Diogo. 
A porta ao lado, é de outra casa de banho cuja diferença consiste, em que esta tem banheira, e a outra apenas duche. No resto são iguais. Poderá usá-la.
E finalmente a cozinha. 
Voltou-lhe as costas, mas ele pôs-lhe uma mão no ombro e forçou-a a voltar-se. Segurou as mãos dela entre as suas, e perguntou sem deixar de a fitar:



Este é o último post que eu publico. A partir de amanhã, já sairá um novo capitulo todos os dias automaticamente, até ao meu regresso. Espero que a história vos interesse até ao fim. Sempre que eu consiga maneira de chegar até vós visitar-vos-ei.  Fiquem bem

7 comentários:

Roaquim Rosa disse...

boas
continuo na minha
está cada vez mais Hitchcock !!!
JAFR

✿ chica disse...

Bah! Que suspense! Qual será a pergunta?
Adorando!Boas férias! Bjs praianos,chica

Cantinho da Gaiata disse...

Ohhh, agora fico aqui sem saber a pergunta? Muito mau, ja vou dormir mal.
Boas férias.
Bjs

Edumanes disse...

Segurou as mãos dela entre as suas, e perguntou sem deixar de a fitar. Mas o que é que foi que ele perguntou?
Tenha uma boa noite e umas melhores férias amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

AvoGi disse...

Férias são férias... Boas férias Elvira
Kis:=}

redonda disse...

Boas férias!

As minhas começaram ontem e hoje venho ler os capítulos que ainda não li...fiquei curiosa sobre o que ele lhe quer dizer...
um beijinho e vou ler o próximo capítulo

Rosemildo Sales Furtado disse...

É, só nos resta esperar para amanhã saber qual a pergunta. Mistério......

Abraços,

Furtado