16.7.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE IV








Após uma rápida observação, verificou que estava vivo, embora talvez não por muito tempo, pois além de poder ter alguma coisa partida, poderia ter uma hemorragia interna, e se assim fosse não teria muito tempo de vida. Presa de súbita urgência, ligou para o número das emergências. Identificou-se e deu as indicações sobre o acidente e as coordenadas  do local onde se encontrava. Depois levou o filho para o carro, ligou o motor e aproximou o carro do sinistrado, deixando os faróis acesos para que o iluminassem. Pegou na sua mala, e na echarpe que tinha no banco traseiro, e voltou para junto do homem. Com o tecido improvisou um colar que passou à volta da cervical do homem, despiu o casaco que colocou na estrada, e só então com extremo cuidado o virou. Viu-lhe o pulso. Muito fraco. Desapertou-lhe a camisa, e os seus dedos ágeis e treinados percorreram cada cm do tórax dele.  
Pegou no telemóvel e voltou a ligar para a emergência.
- Por favor, fala a doutora Helena Correia. Acabei de observar o sinistrado. Há rotura do baço, hemorragia interna e talvez costelas fraturadas. O pulso está muito fraco, e também está ferido na cabeça. É importante que avisem o hospital mais próximo para que preparem tudo para uma cirurgia de urgência, assim que a ambulância chegar. Não sei há quanto tempo se deu o acidente, pode não restar muito tempo para a cirurgia de extirpação do baço. A ambulância está a chegar, - disse ao vê-la aproximar-se a toda a velocidade.
- Vamos tratar já de avisar o hospital. A doutora não poderia seguir a ambulância até lá?
- Vou tentar, mas não poderei demorar, tenho comigo o meu filho de cinco anos, cheio de sono.
Os bombeiros chegaram e rápidos e cuidadosos, prepararam o homem para o transporte, arrancando de seguida rumo ao hospital, seguidos pelo carro da doutora.
Quando lá chegaram, já a equipa médica estava a postos para a cirurgia. Helena prestou todos os esclarecimentos relativos a como encontrou o sinistrado, que se verificou estar sem documentos, deu o seu nome e morada, bem como do hospital onde trabalhava, para a contatarem, caso fosse preciso. Porém, como pela urgência do momento não aguardaram pela chegada da polícia, ainda teve que aguardar que o polícia de serviço no hospital, registasse a ocorrência, e examinasse o seu carro, para verificar se havia indícios de ter sido ela a atropelar a vitima, e só depois foi autorizada a regressar a casa.


11 comentários:

Prof. Ms. João Paulo de Oliveira disse...

Prezada confrade Elvira.
Apesar da gravidade dos ferimentos espero que o acidentado tenha se restabelecido.
Caloroso abraço.Saudações restabelecidas.
Até breve...
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Edumanes disse...

A doutora Helena, passava no local à hora certa para socorrer o sinistrado. Há momentos de azar, mas também os há de sorte!
Amanhã voltarei aqui para saber mais novidades, no próximo capítulo!

Tenha uma boa tarde de domingo amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

✿ chica disse...

Creio que deve haver um bom motivo pra ter sido a Dra a passar naquela hora e creio, ele se salvará;;;Vamos aguardar! Ótima leitura! bjs, praianos,chica

Roaquim Rosa disse...

boas
penso que já começo a entender algo sobre o titulo do conto !!!
JAFR

Tintinaine disse...

Por estas e por outras é que muita gente não quer ajudar quando há acidentes. Depois do socorro ainda se tem que aturar a polícia com (às vezes) atitudes muito estúpidas.
Vamos esperar que a operação corra bem e o doente se salve!

lourdes disse...

Será que já estou aqui a ver qualquer coisa neste encontro?????
A coisa promete.
Fico à espera da continuação da história para ver o desenvolvimento.....
Bjs.

redonda disse...

Ela agiu muito bem!
Quem será ele?

um beijinho e uma boa semana

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a história!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

António Querido disse...

Passei esperando que o homem tenha sobrevivido!

O meu abraço.

Cantinho da Gaiata disse...

Acho que este encontro não foi em vão.
Vou ler o próximo.
Bj

Manu disse...

Tudo feito como deve ser.
Espero que o acidentado se tenha salvo.

Um abraço