13.5.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE XXIII


Um mês depois, a rotina estava instalada naquela casa e nos hábitos de Beatriz e de Matilde.
Obtida a autorização para sair com a menina dos limites casa-jardim, e aproveitando os dias de imenso calor que se faziam sentir, naquele mês de Julho, a jovem preparava um lanche e todos os dias saíam de casa pouco depois das nove e regressavam perto do meio-dia.
Iam ao parque, ou à praia, ao jardim zoológico, onde a criança adorava ver os animais, e onde foram várias vezes, visitando o jardim por fases, pois o tempo diário de que dispunham, era manifestamente insuficiente para ver o zoo.
Matilde parecia outra menina, estava alegre, e muito mais descontraída que há dois meses atrás quando Beatriz a conheceu.
Com o pai da menina, não tinha voltado a conversar, viam-se todos os dias, mas pouco mais falavam do que uma banal saudação.
Decerto a filha lhe contaria o que faziam ou por onde andavam, mas a Beatriz ele não fazia perguntas, e ela agia com a menina exatamente como agiria se  fosse sua filha.
Naquela manhã César, disse-lhe que precisavam conversar, e encaminhou-se para o escritório. Ela seguiu-o deixando Matilde com a cozinheira.
- Sente-se Beatriz. Chamei-a porque estou com um problema. Preciso viajar, e a minha irmã nega-se a deixar a minha mãe vir tomar conta da Beatriz. Não sei se sabe, ela teve gémeos, e está muito nervosa, diz que não consegue tratar dos filhos, sozinha. Sei que lhe falei na possibilidade de ter que ficar algum dia com ela de noite, e me disse que não havia problema. Mas não é uma noite. Serão duas, ou talvez três. 
- Não tem problema, eu fico com ela. Se o senhor confia em mim, ao ponto de deixar a sua casa e a sua filha à minha guarda, eu garanto que cuidarei delas como se minhas fossem.
Ele voltou a olhá-la daquele modo indefinido que a deixava perplexa. Depois disse:
- Se eu te confio a minha casa e a minha filha, não achas esquisito o  nosso tratamento cerimonioso. Trata-me por César. – E reparando no ar renitente da jovem acrescentou, - por favor.
- Como queiras, - respondeu.
- Vou preparar a mala. Ainda vou ao escritório assinar uns documentos e parto de seguida. Depois de amanhã à tarde, estarei de volta se tudo correr bem.



10 comentários:

Tintinaine disse...

Como diz o ditado - grão a grão enche a galinha o papo - e também aqui os sentimentos vão, a pouco e pouco, instalando-se nos corações das nossas personagens.

✿ chica disse...

Mais intimidade no tratamento, confiança que el tem nela! Vamos vendo e esperando! bjs, chica

Olinda Melo disse...


Olá, Elvira

Vejo aqui já uma confiança instalada e que, talvez, leve a sentimentos mais sólidos ainda.

Aguardemos, pois.

Bom fim de semana.

Beijinhos

Olinda

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia querida Elvira!
Hum! Está acontecendo um novo sentimento, rsrsrs
Estou gostando, meu romantismo está na torcida para o desabrochar um grnade e sincero amor.
Bom final de semana amiga querida, beijinhos.

Os olhares da Gracinha! disse...

A pouco e pouco...desenrola_se a história!!! Bj

Roaquim Rosa disse...

Boas
está a custar um pouco mas a coisa vai se compor !!!!!
JAFR

Maria do Mundo disse...

Algo vai surgir daqui!!!

Edumanes disse...

Tu cá tu lá, é assim que se começa a ver a luz ao fundo do túnel. Beatriz, se gostas do César agarra-o, não o deixa de ti fugir para os braços de outra!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Cantinho da Gaiata disse...

Cada vez mais próximos, estou a gostar.
Bjs

Rosemildo Sales Furtado disse...

Os dias passam e a distância entre eles diminui. Em breve estarão colados.

Abraços,

Furtado