4.5.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE XV





Cerca das dezasseis telefonou a Clara.
- Então? – Perguntou a amiga, quando atendeu
- Então o quê, mulher desconfiada, - riu Beatriz
- Vá lá conta-me tudo. Ou queres matar-me de curiosidade?
- Já tenho emprego, começo amanhã, vou ser assim uma espécie de ama e educadora de uma menina linda, numa casa que me pareceu bem bonita. Hoje almocei lá, conheci a avó paterna da menina, e a cozinheira da casa.
- Sim. E o pai da criança?
- O que é que tem o pai dela?
- Pode não ter nada, ou ter tudo. De manhã disseste que era viúvo. É assim, estilo ator de cinema, ou tipo trolha?
Beatriz soltou uma gargalhada.
- Tu és impossível. Sabes que não reparei bem nele? É alto, moreno, corpo atlético. Cabelos pretos e olhos cinzentos.
- E não reparaste nele? Então não me contes nada, quando reparares, não se dê o caso de me dar alguma coisinha má, -disse rindo.
A jovem não susteve outra gargalhada.
- Duas gargalhadas dessas em tão pouco tempo. Pareces mesmo muito feliz. Há muito tempo que não te ouvia rir.
-É claro que estou. Adoro crianças, e aquela é linda. O salário é muito bom. E saio desta inatividade cheia de más recordações.
-Certo. E folgas?
- Sábados e Domingos. A não ser que o patrão esteja em viagem.
Nesse caso ficarei com a menina.
- E viaja muito?
- Como queres que saiba? Só sei que essa cláusula está no contrato. Antes de desligar, devo dizer-te que as tuas desconfianças me fizeram recear e desconfiar quando o automóvel rodou para a periferia da cidade. E afinal , não havia razão para isso.
- Ainda bem amiga. Mas era meu dever alertar-te. Mais vale prevenir…
- Bom, tenho que desligar, preciso ir fazer umas compras. Beijo
- Vai dando notícias. Beijo.
Desligou, pôs o telemóvel na bolsa, abriu uma gaveta da cozinha de onde retirou um saco de plástico cuidadosamente dobrado que meteu na bolsa, verificou o dinheiro que tinha na carteira, vestiu o casaco e dirigiu-se ao supermercado. Precisava abastecer-se de algumas coisas, pois não sabia quantos dias iria jantar em casa.
Voltou para casa, arrumou as compras e ligou à mãe para lhe contar as últimas novidades. 
Findo o telefonema, aqueceu no micro-ondas um resto de comida da véspera e jantou.



19 comentários:

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
para já tudo bem, lá mais para a frente quando se descobrir tudo sobre o acidente irá com certeza haver algumas contrariedades, mas vamos aguardar pois a autora irá também nos surpreender.
JAFR

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Continuo a acompanhar com interesse.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, certamente que só vai tomar conta da menina, do pai, não vai ser necessário, ele é que vai tomar conta da ama.
AG

✿ chica disse...

Estou adorando e já antevejo algumas coisinhas bem boas por lá nesse emprego... bjs, chica

António Querido disse...

Há pessoas com sorte nos empregos que arranjam, pode ser este o caso...

Aquele abraço.

Os olhares da Gracinha! disse...

Momentos de vida bem quotidianos...sempre bem descritos!!! Bj

São disse...

Realmente, para quem não reparou... sabia muita coisa , rrss

Bom resto de semana e abraços

Rui disse...

Olá Elvira . Estive uns dias sem passar por aqui e agora puz a leitura em dia !
Bom ! Parece-me tudo normal e sem motivos de preocupação de qualquer espécie, a não ser que aquele 6º sentido, quando da entrevista para o emprego venha a ter alguma razão de ser negativa !
Até será natural que, numa situação destas, possa de facto surgir um amor entre eles , pai e ama da menina !
Costuma dizer-se que "Quem meus filhos beija (ou gosta) minha boca adoça" ! rsrs
Agora, se se dá a coincidência de se tratar dos dois viúvos do acidente inicial é que acharei "um bocadinho forçado" ! rsrs
Aguardemos ! :)

Abraço !

Edumanes disse...

A felicidade faz sorrir,
a tristeza faz chorar
Beatriz está a sentir
que tudo certo vai dar!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Majo Dutra disse...

Se a minha intuição não me engana, vai haver romance e peripécias...
Hoje foi um dia feliz... dias felizes para a autora.
Abraço, Elvira.
~~~~~~~~~

Prata da casa disse...

Continuo a acompanhar e a gostar da história.
Bjn
Márcia

AvoGi disse...

Adensa-se a trama... está a interessar
Kis :=}

Ailime disse...

Boa noite Elvira,
Depois de alguns dias de ausência aqui estou de novo para saborear os seus maravilhosos escritos.
Muito bem escrito, como sempre, e suscitando muitas emoções.
Beijinhos,
Ailime

O meu pensamento viaja disse...

De novo lendo com prazer os seus textos. Bj

Minhas Pinturas disse...

Querida amiga sabes deixar-me ansiosa, é como estou adorando e ansiando pelos capítulos vindouros.
beijinhos, Léah

Gaja Maria disse...

Ela já está a dar a volta á tristeza, este trabalho vai fazer-lhe bem :)
Abraço Elvira

Maria do Mundo disse...

Há por aqui qualquer coisa que vai surgir! Beijos.

aluap Al disse...

Ou menos não desdenhou.

Beijinhos, amanhã lá estaremos.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Eis que, até que enfim, o riso e o sorriso visitaram os lábios da Beatriz, espantando assim, um pouco da tristeza. Gostando e acompanhando.

Abraços,

Furtado