22.4.17

OS CAMINHOS DO DESTINO - PARTE VI






Clara chegou às nove da manhã. Mal tocou a campainha, Beatriz vestiu o casaco pegou na mala e saiu.
Saudou a amiga, e entrou no carro.
- Conseguiste descansar? – Perguntou Clara.
- Mais ou menos. Importas-te, se formos primeiro a algum lado onde possa comer alguma coisa. Ontem não tive coragem de ir às compras.
- E não jantaste?
- Bebi um chá e comi duas bolachas.
- Francamente. Precisas alimentar-te como deve ser. Estiveste mal, perdeste muito sangue. Olha, vamos parar aqui. Conheço o lugar, é sossegado e servem bem.
Estacionou o carro e dirigiram-se para o interior da pastelaria. Bastante gente ao balcão, mas apenas duas mesas ocupadas. Escolheram uma junto à janela, um pouco afastada das outras.
Depois de atendidas por uma simpática empregada, Clara perguntou:
- Já decidiste o que vamos fazer hoje?
- Tenho que ir às finanças, e ao banco, mas antes gostava de saber algumas coisas que não batem certas na minha cabeça. Sei que pagaste o funeral do Jorge e do bebé. Já fazemos contas, quando for ao banco. Mas como soubeste do acidente? Quem te avisou?
- Os bombeiros. Lembras-te, que pouco depois de engravidares te disse, que devias por no telemóvel, nos números de emergência, o meu com o do Jorge? Para o caso de precisares de alguma coisa e ele estar por exemplo em viagem? Foi por isso que os bombeiros me contataram, depois de ligarem o número do Jorge e ouvirem-no a tocar no local. Na verdade quando chegaste ao hospital, eu já lá estava. O Jorge, e a mulher do outro carro só chegaram um tempo depois, tinham ficado encarcerados. O choque foi muito violento. Segundo os bombeiros, o teu marido vinha em excesso de velocidade, não segurou o carro na curva e saiu fora de mão. Tens que contatar o seguro, eu não o podia fazer, só com procuração.
- Meu Deus! E a mulher do outro carro? Sabes alguma coisa?
- Segundo o que vinha no jornal, era professora, e deixa uma filha menor de três anos.
- Pobre criança!
Estava desolada. As lágrimas irromperam nas faces magras e sem cor.
- Coragem, amiga! Precisas de força, não os trazes de volta mortificando-te dessa maneira.
- O jornal, tens o jornal?
- Não. Mas pode conseguir-se, pedindo um exemplar desse dia à redação.



Estou com problemas no pc. Provavelmente vai ter que ir para a oficina. Parece que as férias lhe fizeram mal.
Bom fim-de-semana



20 comentários:

Prata da casa disse...

Espero que o problema se resolva rápido, pois estou a gostar de acompanhar a história.
Bjn
Márcia

Roaquim Rosa disse...

Bom dia
passou-me algo pela cabeça mas pode ser imaginação minha e não quero dizer nada agora mas ás vezes o destino tem destas coisas.
vamos esperar para ver.
B.F.S.
JAFR

Tintinaine disse...

Espero que o PC se salve para não haver atraso na história que, à moda da Elvira, já vai em passo de caracol.

António Querido disse...

Ai, ai! Esta até me doeu, começamos a semana logo com acidentes graves!
É melhor ir até à praia ver as lagartixas!
Até já, bom fim de semana.

✿ chica disse...

Gostei do que li e imaginei ... Vamos ver se o que penso acontece! Tomara tudo fique bem com teu PC! bjs, tudo de bom,chica

Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito disse...

Bom dia cara amiga, Elvira!
Estou a gostar muito do que estou a ler.
Vamos ver o que aguarda nossa amiga no desenrolar da estória.
Grande beijo no coração e feliz final de semana.

Anete disse...

Acompanhando mais um capítulo por aqui, Elvira... Emocionante!
Que o PC fique logo bonzinho, tomara.
Bjs

Edumanes disse...

São as curvas, o nevoeiro, o excesso de velocidade, a mini saia e não só, a causa de uma grande percentagem dos acidentes de viação. Se conduzir não beba, não se distraia a olhar para as pernas alheias ao léu a cima dos joelhos!

Tenha um bom fim de semana amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Silenciosamente ouvindo... disse...


Mais um problema se o computador tiver que ir ao técnico...

Seguindo a história com o interesse de sempre.

Bom fim de semana.

Bjs.
Irene Alves

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Também gosto de mistério...
E dos viés que caminha
A sua história com a minha
Imaginação. É um sério

Caso que os céus ou o sidéreo
Espaço infinito tinta
Bem chaveado. Advinha:
Termina no cemitério?

Que termine em casamento
De qualquer um elemento
Para findar com uma festa.

Linda história! O argumento
Que impera é o sentimento
De amor que está sempre à testa.

Grande abraço. Laerte.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Continuo a acompanhar e está a ficar emocionante.
Um abraço e bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

AvoGi disse...

Acidentes na estrada um mal dos nossos dias
Kis :=}

Maria do Mundo disse...

Bom fim de semana!

Socorro Melo disse...

É muito difícil enfrentar uma realidade tão dura. Espero que Beatriz seja forte e tenha bons motivos pra lutar e vencer, ou seja,pra viver.

Minhas Pinturas disse...

Querida Emília de vez em quando me perco no tempo, ou os afazeres me fazem perder o tempo, mas li todas as postagens de sua história e amei, perdoe minhas recentes ausências, já as recuperei, estou amando sua historia.
beijinhos carinhosos da amiga,
Léah

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a história e desejar um bom domingo!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Cantinho da Gaiata disse...

Que esse pc fique reparado rapidamente, pois a história está a ficar mais interessante.
Bj

Gaja Maria disse...

Os Pc's têm destas coisas, de vez em quando precisam de uma visita ao doutor :) A história é muito interessante. Abraço Elvira

lua singular disse...

Oi Elvira
Que triste esse acidente.
Eu dirigi muito por vias perigosa, um dia quase me ferrei, não tinha quase ninguém na pista, devo ter dormido um segundo, dancei na pista, acertei e disse olhando pra traz: meus Deus, meu filhinho de 2 anos ria. Já era viúva.
Beijos
Lua Singular

Rosemildo Sales Furtado disse...

Acompanhando, gostando e aguardando os acontecimentos.

Abraços,

Furtado